maio 23, 2012

'Dexter': a temporada religiosa e o final bombástico!

Finalmente o nosso herói assassino favorito está encurralado



Depois de uma quinta temporada regular, cumprindo seu foco e levando a uma evolução da trama, a última temporada de Dexter - finalizada há alguns dias no FX -, conseguiu prender e acrescentar uma temática que havia sido pouco explorada na trama: a fé e a crença do protagonista. E de uma forma impactante a reviravolta final prepara um terreno ainda maior para o que ainda não conhecemos do instigante personagem. 


O grande arco da temporada foram os crimes apocalípticos do vilão Gellar (Edward James Olmos) e seu discípulo Travis Marshall (Colin Hanks) que planejavam seguir à risca o livro da Revelação que desenha os sete sinais do fim do mundo. Foi um arco cheio de mistério e suspense, algumas surpresas. A temática fez Dexter (Michael C. Hall) se perguntar se existia um passageiro sombrio dentro de si  e que poderia ou não deixá-lo com a ajuda da fé. Certamente os diálogos entre ele e ele mesmo ou inconscientemente com o seu pai ou seu irmão (ambos mortos) ajudam a entender melhor o seu estado mental. 


O óbvio é que já sabemos como tudo terminaria. As provações mostram que Dexter sempre continuará a agir por seus instintos, já que eles o protegem do mundo exterior, da qual, ele não teria tanta sorte. Mesmo acreditando que "não existe luz sem escuridão" o cerco parece se fechar. A boa presença do Irmão Sam (Mos Def), que apresenta um passado obscuro depois de ter encontrado a luz, foi sem dúvidas um dos trunfos da temporada, que desafiaram o personagem a pensar em abandonar seu passageiro sombrio (se é que isso é possível). 


Desta vez, outro núcleo também ganhou uma trama atraente e interessante. A sua irmã, Debra (Jennifer Carpenter) tornou-se tenente e teve de lidar com a situação. Se viu desafiada como chefe do distrito quanto esteve em posições complicadas como ter de acusar o próprio chefe de estar envolvido no homicídio, ver seu mandato em crise com o excesso de inquéritos abertos e ainda sobreviver a pressão de estar no topo da hierarquia. Mas foi na parte pessoal que Debra chamou atenção levando para uma descoberta incrível sobre si mesma: ela sempre foi inconscientemente apaixonada pelo irmão. 


Com uma temporada cuidando de desdobramentos de temporadas anteriores, como o filho do Trinity e até o assassino Ice Truck parece estar de volta, Dexter finaliza mais uma temporada boa, não tão espetacular quando a quarta que apresentou o vilão barra pesada Trinity e muito mais acrescentou ao personagem que essa linha religiosa. Mas o que vai ficar marcado é a descoberta sobre quem é Dexter por sua irmã. E agora sim ele verá sua faceta de "justiceiro" abalada. Doente ou herói? Oh, Deus!