julho 26, 2008

Arquivo X 2: Eu Quero Acreditar

Sequência da série de enorme sucesso da TV tende a agradar fãs


O primeiro filme foi uma super produção, em que não faltavam cenas de ação, com explosões, ETs e muito suspense, mas o que se vê nessa sequência não é nada disso. É um filme que deixa o mistério como plano de fundo apenas para mostrar como os agente do FBI, Fox Mulder e Dana Scully estão depois de tanto tempo desde o fim do seriado. E escrever essa resenha sem ter acompanhado a série, é difícil e injusto. Principalmente porque a trama soa como um episódio especial no meio de uma temporada perdida.

Os dois estão lá e moram juntos, de forma romântica. Fox Mulder continua com uma obsessão pelo sobrenatural, que envolve a ideia da abdução de sua irmã por seres extraterrestres. Então ele é convocado pelo FBI para ajudar no desaparecimento de uma agente, sendo que um vidente é a única ajuda para encontrar o paradeiro dela. Enquanto isso, Scully trabalha em um hospital católico e luta para ajudar um garoto doente, da qual, a única forma de tratamento é utilizando células-tronco.

O mistério escolhido é um tanto que bizarro, mas pode desagradar a quem não acompanhou a série, pois é contado de forma rápida, sem dar detalhes e criar maior tensão para o público, pois o foco principal são, repito, os dois personagens. Esses, que estão cada um com suas crises e durante toda projeção trabalham suas emoções, e um tenta apoiar ou desafiar o outro sobre o seus maiores temores.

Pra quem não é fã, Arquivo X 2 pode ser decepcionante e nada acrescentar, com tantos outros filmes de suspense que fizeram uma revolução no estilo. E a demora de 10 anos entre um filme e outro, pode ter deixado a história sem graça, e sem os personagens complexos não seria nada. Destaque para Gilliam Anderson, que faz a agente Scully, ela é uma boa atriz e podia aparecer mais nas telonas. E depois dos créditos, se você ter saco para esperar, tem surpresinha... mas calma! Nada de ETs. [Nota:8,0]

Novidades da Semana

COMIC-CON: Maior feira de nerds começou!



É hora daqueles que são viciados em uma boa cultura pop se divertirem. Trata-se da maior feira/convenção/festa sobre quadrinhos, filmes e séries do Ocidente e acontece em San Diego, na Califórnia.

Trailers de filmes, como Wolverine e Max Payne já foram exibidos, e em breve devem chegar na internet. Os estúdios ainda fazem painéis para apresentar seus próximos lançamentos, como o remake de O Dia em que a terra parou, com Keanu Reeves e Jennifer Connelly, e o aguardado The Spirit, da qual já comentei aqui no blog.

No mundo das séries, já foi feito painel com novidades sobres as próximas temporadas de Dexter, Prison Break, The Big Bang Theory e 24 Horas. Todos contaram com a presença de produtores e parte do elenco das séries.

No sábado os painéis serão sobre: Heroes, Lost, Chuck, Dollhouse e Fringe.

Aproveitando essa festa toda, tem trailer da 3ª temporada de Dexter, que foi exibido por lá na quinta feira, em um evento que teve a presença dos atores Michael C. Hall e Julie Benz e o produtor executivo Clyde Philips. Confira o arrepiante trailer aqui.

O video descreve: “neste ano, o estudante passará a ser mestre”.

A terceira temporada de Dexter estréia nos EUA, no Showtime, no dia 28 de setembro.



X-Men Origins: Wolverine - Teaser poster!




Mais um filme super aguradado para o ano que vem, apresentou novidades na feira, trata-se de Wolverine, o primeiro filme, depois da franquia X-Men, que vai contar a história dos principais mutantes.

O pôster parece ser a capa de uma HQ do mutante, essa intenção é pra agradar ao fãs mais fiéis do personagem.

A trama será centrada na origem do mutante canadense, sua passagem pelo programa Arma X e seu relacionamento com vilões e aliados. A estréia está marcada para 1º de maio de 2009.


Jogos Mortais 5 ganha teaser trailer!


Sai um teaser trailer da série Jogos Mortais. E o vídeo apresenta uma nova armadilha. Na trama, Hoffman (Costas Mandylor) pode ser a última pessoa viva a continuar colocando em prática o ideal de Jigsaw (Tobin Bell). Mas quando seu segredo é ameaçado, Hoffman deve continuar com a caçada para eliminar todas as pontas soltas.

Confira o teaser:






Como de costume, Jogos Morais 5 tem estréia marcada nos Estados Unidos uma semana antes do Dia Das Bruxas, 24 de outubro. No Brasil ela acontece exatamente no dia 31 de outubro.

Só de pensar que o filme vai até o número 7... Desanima.

julho 21, 2008

Gossip Girl promete segunda temporada sexy

Mas... Vai cumprir?



Se tem série que sempre fala muito e pouco mostra é essa: Gossip Girl. Depois de uma primeira temporada que muito se falou em intrigas, sexo, beijos gays e o tal segredo de Serena - a coisa mais constrangedora da TV nos últimos tempos - entre outras fofocas, pois foi isso que o marketing da série virou, uma série de boatos que não tinham fundamento algum, afinal o que foi mostrado é uma trama que consegue ser mais açucarada que Malhação.
Muito marketing e trama fraca, que chega a dar sono, pra completar, clichês que prometem se repetir vindos de outras séries, como o fato do Nate se relacionar com uma mulher mais velha.

Depois de usar palavrão em uma das chamada da primeira temporada, agora é mexer com o falso senso americano e vender sexo e estripulias adolescentes. Saudades de The OC. Para não se sentirem enganados mais uma vez, procurem ver Skins.

Veja o video promocional da segunda temporada e vários pôsteres:





A Segunda temporada de Gossip Girl tem estréia marcada para 1º de Setembro na CW. No Brasil, a Warner ainda não divulgou a estréia.

Via teleséries.

julho 19, 2008

Bruxos e Vampiros teens chegam ao cinema quase juntos

Harry Potter e o Enigma do Príncipe ganha um teaser e uma nova foto!




Está começando a engrenar a promoção da nova aventura do bruxo, uma nova foto foi liberada, e mostra Harry ao lado de um novo professor, além disso, um teaser vazou na internet. Mas não mostra nada e nem diz muito, é a voz de Michael Chabon como Dumbledore: "Mais uma vez devo pedir-lhe que faça o impossível, Harry". Confira:






Após a pegadinha, a WB informou que o teaser com imagens mesmo será anexado as cópias de A Múmia 3 nos Estados Unidos dia 1º de Agosto, e no Brasil 15 dias depois, junto com Star Wars - Clone Wars.

O sexto filme adaptado da série de livros, tem estréia mundial dia 21 de Novembro deste ano.


E tem uma nova adaptação chegando as telas, e com a promessa de conquistar o sucesso em cima dos filmes do Harry Potter. Trata-se de Twilight.



O suspense baseado no livro Crepúsculo de Stephenie Meyer, conta a história de Isabella Swan, uma jovem adolescente que muda-se para uma pacata cidade. É lá que conhece Edward Cullen, um poderoso vampiro.






O filme tem estréia para o dia 12 de dezembro nos EUA e em janeiro no Brasil.

Três filmes aguardados para 2009, escolha o seu!


The Spirit




Trata-se de mais uma adaptação de quadrinhos para o cinema, conduzida pelo ótimo Frank Miller, que fez Sin City.

O filme acompanha um ex-policial novato que retorna misteriosamente do mundo dos mortos como Spirit (Gabriel Macht) para lutar contra o crime nas sombras de Central City. Seu arquiinimigo, Octopus (Samuel L. Jackson), tem uma missão diferente: fazer o rapa na amada cidade de Spirit em busca da sua própria versão da imortalidade.

Ainda no elenco: Sarah Paulson, Scarlett Johansson, Paz Vega, Jaime King, Stana Katic e Eva Mendes, elas viverão as mulheres no caminho do mascarado.




O filme tem estréia marcada no dia de natal nos EUA. No Brasil, a data estabelecida inicialmente pela Sony é 30 de janeiro de 2009.


Exterminador do Futuro 4



Anexado a cópias do novo Batman, o teaser não revela muito, mas cria um bom suspense. A trama se passa em 2018 e Christian Bale, interpreta John Connor já crescido e lutando contra as forças da Skynet e seu exército de exterminadores. Mas o futuro no qual Connor foi criado para acreditar foi parcialmente alterado pela chegada de Marcus Wright (Sam Worthington), um estranho cuja última memória é a de estar no corredor da morte. Connor precisa entender se Marcus foi enviado do futuro ou resgatado do passado, se é aliado ou inimigo.

Apesar da confusão que essa história de presente, futuro e passado que é a base da história, o filme é muito aguardado por mim, grande fã desse gênero, e dessa vez, eles querem reinventar a franquia, tirando até o super astro dos outros filmes, Arnold Schwarzenegger. Bom, é esperar e ver o resultado. Por enquanto, contente-se com o teaser:




A super estréia está marcada para 22 de maio do ano que vem.


Watchmen



Adaptação da história clássica de quadrinhos, traz vários heróis bizarros e alguns já decadentes e que estão prontos para salvar os próprios heróis de uma possível conspiração logo depois da descoberta de um deles. Não entendeu? Veja o trailer:





Incrível, não? O filme tem estréia marcada para 6 de maio do ano que vem.

The Verve e Alicia Keys - Novos clipes!

The Verve lança novo clipe direto na internet.



Fingindo que a MTV não existe, até porque o canal foi tomado por programas de auditório e reality shows, a banda britânica, que fez grande sucesso com o singleBitter Sweet Symphony, lança novo single, depois de um longo hiatos. Love Is Noise tem visual do vídeo, assim como sua sonoridade fortalecem ainda mais a banda. Ambos são fantásticos:

Conheça a banda, aqui.




A cantora Alicia Keys também é uma que lançou novo single. Superwoman, é o 4º single de seu último albúm, As I Am.

No vídeo ela interpreta vários tipos de mulheres, e contando com participação de Jada, mulher do Will Smith. A música é a minha favorita desse novo albúm que já vendeu cerca de 5 milhões de cópias em todo mundo (uau!) Isso que é uma superwoman:


Novidades da semana

Escola de Rock 2, enfim vai sair do papel, e já foram divulgados a sinopse e título oficial.



O filme vai se chamar School of Rock 2 - America Rocks e na história, o ex-professor substituto Dewey Finn (novamente Jack Black, claro), vai comandar uma excursão pelos EUA, com um grupo de alunos que ficaram de recuperação no verão. Juntos, vão conhecer melhor a história do rock'n'roll, e aprender melhor sobre as raízes de outros gêneros, como country, blues, rap, entre outros. O original fez bastante sucesso tando de crítica e de público. Vamos aguardar.



Pânico 4 também é anunciado!


Depois de muito tempo do final da trilogia mais famosa de filmes de horror, a série Pânico vai ganhar mais uma sequência, e de acordo com a produtora, vai ser um recomeço e não apenas uma sequência.

Eu fico impressionado como esses roteiristas arranjam histórias pra essas sequências, mnas infelizmente conseguem fazer porcarias com filmes clássicos, como Eu sempre saberei o que vocês fizeram no verão passado. Eu espero que não estraguem esse.

julho 18, 2008

Why So Serious, Batman?


A maior preocupação antes de entrar na sala de projeção, era: será que é isso tudo mesmo? Estão considerando que é a melhor adaptação dos quadrinhos feita em anos, algo que depende de uma responsabilidade enorme por parte de críticos em meio de filmes ruins, como Elektra, para se citar um sem criar polêmica. Heath Ledger está mesmo chamando mais atenção que o Batman? O Coringa está fantástico? Merece uma indicação póstuma ao Oscar? Foi certo tirar a Katie Holmes do papel de mocinha? 150 minutos não é muito? E por aí vai...

Nerds e mais nerds esperando o filme começar e a curiosidade apenas aumentava. Então começa tudo. Assalto a banco, explosões, planos fantásticos e caos. Essa cena é que dá o ritmo inicial e que durante toda a trama não se perde em nenhum momento.



Coringa então aparece e se apresenta com um truque: "como fazer o lápis sumir". Tirem as crianças da sala, pois é nessa cena que percebemos realmente que não se trata de um filme para elas. Não tem mais o compromisso de ter que agradar as crianças. Os filmes do Tim Burton já o fizeram. Bom, voltando ao Coringa, interpretado pelo talento de um jovem que era muito promissor, Heath Ledger, é uma atração à parte. Tem seus momentos de tirar risos da platéia e seus momentos de amedrontar a todos. Foi uma releitura inovadora, complexa, interessante (...) e sim, ele, ao meu ver, merece um Oscar por essa atuação. Isso depende dos indicados e da academia, claro. O Coringa retratado quer apenas ver o circo pegar fogo e faz de forma espetacular.


Aaron Eckhart chega nesse filme como um "Cavaleiro Branco", o promotor de Justiça de Gotham City Harvey Dent, que tem como princípio ser um herói sem máscaras e diferente do Batman, mas ao longo do filme entra na trama de forma a criar uma reviravolta e disso nasce um novo vilão. Um novo ritmo é dado a trama depois de incessantes truques do maléfico Coringa, esse a partir daí some um pouco e eu pelo menos senti uma tremenda falta. Toda história é muito bem contada e o roteiro não parece ter furos ou deixar espaço para cenas desnecessárias, como podemos notar principalmente nas continuações de Homem-Aranha.




Harvey Dent tem um compromisso com a mocinha da história - e a amada do Bruce Wayne - Rachel Dawes, interpretado dessa vez pela Maggie Gyllenhaal, da qual me lembro de um papel muito descolado em O Sorriso de Mona Lisa. Katie Holmes? Apesar de muito mais bonita e popular, não faz falta nenhuma. Mas também é uma melhora que traz surpresas grandiosas - e tristes.

No começo do filme ainda dá pra matar saudades do primeiro vilão dessa nova fase do Batman, o Espantalho, cena muito curiosa e única ferramenta usada pra ligar os dois filmes.

Outras atuações que apesar de pequenas garantem um espaço memorável no filme: o tenente Jim Gordon (Gary Oldman), nome importante na trama; Alfred (Michael Caine) com um humor na dose certa e Morgan Freeman como Lucius Fox, que é um ator que dispensa comentários. Esqueci alguém? Ah... O cara né...


Christian Bale volta sem muitas mudanças no papel do homem morcego, como o jovem mimado Bruce Wayne e seu lado justiceiro Batman, mas dessa vez acrescentando uma dúvida interessante, ser herói na escuridão é válido? Gotham City perdida para vilões e crimes terríveis merece tal tipo herói sem rosto? E as dúvidas claro, vão ganhando respostas após cada lição de casa feita. E de forma alguma, o Batman é ofuscado pelo Coringa, todos parecem ter seu espaço e núcleo próprio, pois o maior erro de muitos filmes de super-heróis é dar um espaço maior a um grande vilão e deixar de lado o herói que ainda tem muito o que dizer.

Batman - O Cavaleiro das Trevas é isso e muito mais. Um realismo nas cenas de ação que dispensa exageros dos gêneros e costumam preencher o fraco roteiro que geralmente são apresentados. Produção impecável, desde o clima sombrio da fotografia, até a trilha que gera o clima tenso do filme. Desde X-Men 2 não se vê uma franquia tão bem conduzida e que satisfaça o público. Nota: 10.


julho 12, 2008

Hancook, um super-herói que foge do clichê



A estreia do mais novo filme do Will Smith foi categórica, arrecadando cerca de 66 milhões no primeiro fim de semana e juntando as pré-estréias bateu a marca dos 107 milhões, se tornando a segunda melhor abertura entre os filmes do ator, ficando atrás apenas de Eu Sou a Lenda. O filme também é o oitava sucesso consecutivo na carreira dele. Isso é resultado do carisma que ele tem com seu público, que não tem idade.

Mesclando o gênero super herói que está na moda depois de sucessos estrondosos como Homem-Aranha, X-Men, Hulk e o Homem de Ferro, com a comédia  e adicionando a simpatia do astro e o marketing que gira em torno de tudo isso, "Hancook" tem seu sucesso explicado. O roteiro do filme chegou a ser tratado como um dos melhores do ano, mas acumulou críticas mornas de especialistas.

A história é sobre um super-herói decadente, o Hancook, que tenta fazer o seu papel, mas nunca consegue ganhar elogios, principalmente porque faz de forma irracional e sem medir as consequências, essas  que por suas vezes causam mais prejuízo do que recompensa para a cidade. Sempre bêbado, sua vida acaba se cruzando com a de um profissional fracassado de relações públicas, que depois de ter sua vida a salvo pelo herói anti-social, decide tentar mudar a imagem dele. Sua noiva, interpretada por Charlize Theron  (ganhadora do Oscar de melhor atriz pelo filme Monster), tem um mistério que no meio do filme é explicado e se torna a base principal da história.

O problema do filme é essa base. Charlize Theron não combina com esse tipo de filme e apesar de ótima atriz e belíssima, não consegue ser carismática ao nível de Will Smith, fazendo o oposto de atrizes como Angelina Jolie e Nicole Kidman, que são queridas pelo público. Mas o filme tem seu mérito. Sair daquela mesmice de super heróis que todos já conhecem é um deles, o roteiro conta uma nova história e bem diferente das demais, conseguindo segurar o público até o final. E isso já foi tentado na medíocre produção Minha super ex-namorada, esse com Uma Thurman sem nada para fazer.

Hancook vem para confirmar o que todos já sabemos, Will Simth é um dos maiores atores dessa geração, e apesar de um papel bem ruim, sem identidade alguma, ele ainda consegue dar conta do recado. Nota: 8,5.

GREY'S ANATOMY CHEGA AO FIM DA QUARTA TEMPORADA E UM MILAGRE: FINAL FELIZ!




Essa temporada de Grey's Anatomy teve de tudo: nazistas em perigo, idas e vindas do casal principal mais complicado da TV, Meredith Grey e Derek "McDreamy" Shepherd, brigas de casais que pareciam estáveis, gravidez psicológica, casos bizarros, casos muito bizarros, beijos gays, terapia, sexo, traição, mais brigas, mortes e... já disse sexo?

Mas apesar de alguns erros cometidos, como o romance do O'Malley com a Izzie, tudo foi muito bem. A série médica é um dos programas que já foram sensação na tv americana, depois de um episódio surpreendente da segunda temporada que conquistou quase 30 milhões de telespectadores e teve a participação da atriz Christina Ricci. O episódio até hoje é considerados por muitos o melhor da série. Essa quarta temporada não chegou a ter um momento assim, mas não que tenha feito falta. A complexidade dos personagens chegou quase ao extremo e preparou muitas surpresas. Mas ninguém supera Meredith Grey. Todo seu passado assombrado com a lembrança da mãe que foi uma lenda no hospital, e terminou a vida de forma triste e sem lembrar-se de nada, tudo por causa do mal de Alzheimer. Meredith precisou de terapia durante a metade da temporada até seu fim depois de tantos fatores que mexeram com seu emocional. E por incrível que pareça, tudo deu certo!

Mesmo assim, até o final, as cenas do Alex Karev, cuidando da Ava - que na verdade é Rebecca - foram tensas. Ela deprimida tentou se matar, e mesmo sem mostrar nada, foi a sequência mais surpreendente vi no horário nobre. Outras surpresas foram felizes, como a segunda chance do Chefe dos residentes deu para o O'Malley quando esse descobriu que só não havia passado para prova dos residentes por 1 ponto. E Izzie que ganhou de presente a clínica da Dr. Bailey. Lexie a irmã por parte de pai de Meredith que começou bem chatinha, ganhou um espaço regular, mesmo sem muito acrescentar e apenas mexendo com a paciência da Cristina Yang, sua chefe residente. Outro momento revelador foi a descoberta da traição de O'Malley, casado com a Callie, e a Izzie.

Grey's Anatomy é uma das melhores séries do momento e quando todos achavam que havia perdido o fôlego, apresentou episódios de alto nível, explorando lados emocionais e quebrando todos preconceitos. E são mais momentos marcantes  que espero continuar vendo, sem a enrolação que alguns seriados apresentam depois de várias temporadas. E claro, a narração mais que sensacional de Meredith e todas suas metáforas da vida relacionadas com os casos de cada episódio. Nota: 8,5.

"WALL.E" UM FILME DE ANIMAÇÃO QUE ALERTA E ENCANTA

Nova animação da Pixar é a aventura mais forte  dos últimos tempos em alertar sobre o futuro da humanidade, mesclando diversão e inteligência


Depois de sucessos de público e crítica, a Pixar, que foi comprada pela Disney, constrói o que tem sido chamado de obra de arte pelos principais críticos de cinema no mundo. Uns falam em indicação ao Oscar até mesmo na categoria principal, feito que apenas "A Bela e a Fera" conseguiu anos atrás. Eles têm razão? Eu digo que sim. Vislumbrante visualmente, a tecnologia de efeitos gráficos está em ótima forma. Um filme que quase não possui falas, consegue todo o tom de clássico que ele vai se tornar.


A história é simples e bem contada. Wall.E é um robozinho que foi deixado no planeta Terra tomada pelo lixo e poluição, enquanto os humanos sobreviventes estão numa nave esperando que esses robôs limpem o estrago cometido por eles próprios. Mas Wall.E acaba sozinho, pois já se passaram 700 anos e os outros já se quebraram. Então ele recebe a visita de Eve, uma robô que tem uma missão no planeta abandonado. Logo o robozinho se apaixona por ela, depois de tantos anos isolado e sozinho. Então, através de imagens que carrega em si mesmo, ele entende tudo o que está acontecendo e começa a aventura. O filme surpreendentemente, quase não apresenta falas e você nem percebe!

Um otimismo que encanta, em meio a tantos comentários negativos que  sobre o fim estar próximo. Particularmente, não acho que seja um filme tão comercial para o público infantil como outros sucessos da Disney, podendo citar: "Procurando Nemo", "Os Incríveis" e "Toy Story". Ele tem a mesma pretensão de "Ratatouille", que tempos atrás trouxe um personagem carismático e assim conquistou a crítica. Na época, também falavam em indicação ao Oscar. Wall.E contagia ainda mais quando faz referências visuais de grandes clássicos como "E.T.", "2001 - Uma Odisséia no Espaço", "Star Wars", "Contatos Imediatos", entre outros,  e ainda chega a fazer menção de Charles Chaplin, da qual o simpático e doce robô é fã. A solidão, a coragem em ajudar a humanidade, seu jeito atrapalhado, os olhos quando tristes conquistam qualquer um e essa é a fórmula que a Pixar usa para conquistar a todos.

Mas o ápice fica na crítica clara, que faz por longos minutos, mostrando como o ser humano se comporta diante do fato da manipulação das máquinas utilizando artifícios como moda, comida e comportamenteo abusando da preguiça mental que o ser humano acumulou em todos esses anos.  "Wall.E" ainda tem muito que brilhar, seu primeiro dia de bilheteria, somou cerca de 23 milhões apenas nos EUA, fato que vai aproximá-lo aos sucessos de primeira linha da Disney. Tocante nos primeiros 30 minutos e emocionante durante toda trajetória do carismático robô. "Wall.E" veio pra mostrar que a Pixar faz um trabalho plausível e com seriedade. [Nota: 9.0]
Veja o trailer:

REAPER: ESTRÉIA A SÉRIE, EM QUE O FILHO TEVE A ALMA VENDIDA AO DIABO, PELOS PRÓPRIOS PAIS!



O canal Universal Channel, trouxe ao Brasil uma das séries que fizeram sucesso na CW dos Estados Unidos: Reaper. A série teve um bom desempenho de audiência nos EUA, uma média de 2,5 milhões de telespectares e confirmou seu passaporte para mais uma temporada. A série conta a história de Sam Oliver, um jovem trabalhador, que abandonou a faculdade e trabalha em uma loja no estilo Wal-Mart. Ao completar 21 anos, começa ter visões estranhas, e se sentir diferente, quando seus pais explicam o que está acontecendo: sua alma foi vendida ao diabo e agora ele vai ter de servir à ele - capturando almas que fugiram do inferno. A graça está nas situações que trazem personagens bizarros nos casos.

Ao longo do primeiro episódio tive uma sensação estranha de estar vendo algo que já havia visto antes. Tudo me lembrava a série Chuck. O protagonista "loser" e "CDF", os amigos estranhos e ridicularmente engraçados, as missões que beiram ao absurdo e claro... O humor negro e escrachado - que em Reaper se faz muito mais, principalmente pela presença do amigo Sock, que rouba a cena várias vezes. A série teve um piloto contado de forma rápida e queria mostrar tudo de vez sobre o que podemos esperar nos próximos episódios. Abordou o tema dramático com os pais e toda a situação deles terem vendido sua alma de forma atropelada, porém, sarcástica. O fator amoroso também não tomou muito tempo na história, e acabou dando pouco ênfase ao seu interesse amoroso, a Andi.

Os pontos positivos vão para o entrosamento do elenco, o ator principal Sam Oliver, que conseguiu construir um personagem com perfeição, de frente a algo tão bizarro e claro, o Diabo, interpretado por Ray Wise, além dos efeitos especiais, que nesse primeiro episódio foram de primeira. Misturando algo como Angel, Buffy, Chuck e eu diria até Pushing Daisies, Reaper tem tudo para crescer, e apesar de um episódio piloto que não satisfaz as expectativas. Tem tudo para se tornar não apenas mais uma série sobrenatural e engraçadinha, e sim representar algo como Buffy foi para a cultura pop americana, um ícone entre os seriados com temática sobrenatural. Nota: 8,0

A imagem que mais marcou e me matou de rir foi a mulher do "Detran" - onde ele devia levar a alma capturada, e lá é uma das portas do inferno na terra. Genial:


Ficou curioso? Veja o trailer logo abaixo, e depois comente o que achou. A série é exibida todas a sextas-feiras às 21 horas.

DIRT CANCELADA















É terrível ver uma série da qual você gosta e começa a virar fã, do nada é cancelada. Muitas vezes, nem um final bom é feito, minimizando os danos aos fãs. Courteney Cox diz que já prepara novos programas ao lado do marido David Arquette. Como muitos sites ficam falando, é a "Maldição Friends", pois nenhuma série estrelada pelos atores da comédia conseguiram ter sucesso em outro seriado. Eu acho bobeira. Dirt teve uma primeira temporada muito boa e ótima atuação de Courteney Cox, que foi Monica Geller em Friends. Lamentável tal posição do canal FX que poderia ter dado nova chance, já que a série foi prejudicada pela greve dos roteiristas e teve uma segunda temporada encurtada com apenas 7 episódios.

Eu tenho um pouco de sorte de escolher as séries da qual vou acompanhar, das 15 no momento, Dirt é a única novata que teve seu fim, em mais de 2 anos. Alguns programas eu mesmo cancelei da minha vida, como Bones e Supernatural. Medium eu voltei a assistir. As últimas séries da qual fui fã e foram canceladas, logo no começo ou na segunda temporada, são bem antigas já: Miss Match, Joan of Arcadia, Wonderfalls, North Shore e a minha maior saudade, Tru Calling.

'O INCRÍVEL HULK' É MELHOR OU PIOR QUE 'HULK'?

Pergunta inevitável



É impossível não tentar comparar o longa de 2003 dirigido por Ang Lee e o novo do desconhecido Louis Leterrier. Apesar de propostas diferentes, os dois conseguem divertir o público. O que para Ang Lee seria um elogio, os fãs do monstrengo verde não pareceram gostar nem um pouco. Mesmo a atmosfera de gibi criada para conduzir a história, o filme não foi fiel e procurou dar mais ênfase na ação, contando a história de maneira simples e deixando de lado a complexidade do personagem. Esse novo Hulk já trata desse assunto mais fortemente, até mesmo nas cenas românticas com Betty Ross (Liv Tyler que apesar de sem graça atua quase que da mesma forma que Jennifer Connelly no mesmo papel, fazendo o suficiente). "O Incrível Hulk" porém, é mais sombrio e parece menos comercial que o primeiro e pelas críticas de fãs, bem mais fiel ao personagem, guardando um final com a participação de Tony Stark, o Homem de Ferro, avisando que Os Vingadores estão chegando, evento que ocorrerá logo depois da estreia de "Capitão América" em 2011. Essa surpresa foi a melhor cena do filme, mesmo depois de cenas de ação vislumbrantes do início que foram feitas na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.  

O ator Edward Norton que ajudou no roteiro do filme, não gostou do resultado final, dizendo que virou "mais um filme de ação qualquer", o que deixa claro que quem deu ar de complexidade do personagem na produção, foi ele. A cenas de ação como já ditas, são perfeitas, podendo ser comparadas ao "Homem de Ferro", claro. E respondendo a pergunta do título: é difícil de dizer. Os efeitos visuais, a trilha sonora, o roteiro, Edward Norton como Bruce Benner e o vilão Abominável são superiores ao longa de 2003, mas o tom sombrio tiram todo o capricho e a aventura que se viu no dirigido por Ang Lee, que o fez mais colorido, mais animado, no estilo dos filmes de Homem-Aranha. "Hulk" em 2003 foi um filme incompreendido. E "O Incrível Hulk" é um filme que serviu de teste para quem sabe, uma aventura muito melhor. 

'FIM DOS TEMPOS': EQUÍVOCO AO CONTAR UMA BOA IDEIA

Com direção frágil, terror se perde numa história interessante




M. Night Shyamalan conseguiu fazer um memorável filme na sua curta carreira e, desde então, a cada lançamento de algum novo trabalho este é aguardado com extrema curiosidade por seus fãs ou meros admiradores. Mas nos útimos anos, alguns não estavam aguardando um novo sucesso, mas sim sua volta por cima. Dos seis filmes lançados, apenas dois podem ser considerados verdadeiros sucessos de crítica e público. O caso do assustador e verdadeiramente bem-feito e memorável da qual citei, "O Sexto Sentido" e o brilhante e tenso "Sinais". Porém, ultimamente tem amargado fracassos como o caso de "A Vila" e "A Dama da Água". Esse último citado, foi sua primeira experiênca depois de romper com a Disney que financiava suas produções e logo depois lançou um livro falando mal da empresa.
"Fim dos Tempos" tem uma premissa de deixar qualquer um bem curioso. A natureza lança um cataclisma sobre a terra e misteriosamente, as pessoas começam a se matar. Esse é o ponto alto do filme, as mortes. Elas são bizarras, chocando pela frieza de como são cometidas e quase sem limites. Esse sem dúvidas é o maior filme de terror mesmo de sua carreira, sendo que o assassino são os próprios seres humanos. Mas tudo tem uma razão e a razão está no óbvio. Entra aí questionamentos que a humanidade precisa refletir muito ainda. É nesse ponto que o diretor faz a coisa desandar. Apostando num terror trash e mesclando críticas à sociedade moderna, o resultado não é muito funcional para alertar os problemas, e sim serve apenas de diversão para muitos. A explicação para as mortes em massa é tosca para a maioria. Sim, é tosca, mas ao mesmo tempo é inteligente, apenas muito mal contada. Do mesmo jeito que muitos se decepcionaram com "A Vila" acredito que vão se decepcionar com "Fim dos Tempos". É a prova que o salto foi grande e o tombo foi feio. Com atuações muito ruins e que beiram ao ridículo, a trama é conduzida por cenas banais e nada criativas de noticiários na TV quando se é preciso desvendar os eventos. Nem as tentativas de repetir os momentos engraçados que servem como alívio cômico, feito com maestria em"Sinais" ajudam o filme que tem uma temática interessante, mas surpreendentemente mal feita.

 

Dias de Clímax Total!





É galera, esses dias estão de fortes emoções na minha vida... Cinco de umas 15 séries que eu sou fã, estão chegando ao final de suas temporadas. Gossip Girl, terminou sua primeira, como eu disse em posts anteriores; Pushing Daisies, ao fim de sua primeira também; LOST, fechando a 4ª temporada; One Tree Hill, já na sua 5ª; e Dirt, que já tem 2ª temporada completa na net, mas preferi ver - com sacrificio, pois o horário é péssimo - a 1ª temporada na TV.



Gossip Girl foi aquala coisa. Aliás, era pra ter sido algo, mas não foi. Fala sério, você quer me fazer acreditar que o Dan fez aquilo mesmo depois de brigar com a Serena? E gente, precisava ela contar uma mentira daquelas pra afastar o namorado? Roubando a cena, Blair e Chuck como os personagens mais interessantes do seriado. Ele então que por um momento mudaria sua vida... pois é, eu cai naquele lance de câmera lenta. Nathan um chato e fazendo questão de dar um pé na bunda da V. Não entendi o por quê. Um fim de temporada frio demais, sem nenhum gancho forte para o próximo ano. Marcou uma audiência de 2,97 milhões nos EUA... Não tão mal assim.



Pushing Daisies, foi algo, muito mais interessante e envolvente, principalmente o caso e como ele foi resolvido, é impossível não rir com essa série. A história de amor dos dois, é tão bonitinha, e depois do segredo sobre a morte do pai da Chuck revelado tudo vai por água abaixo. Um Ned com coração despedaçado à procura da amada, logo depois de desabafar para ela toda a verdade. Os efeitos foram top, e a fotografia então...uauuuu! O que foi aquela cena do cemitério? Belíssima! Revelação final, chocante! Que venha a próxima temporada!



"Para todas almas perdidas que esqueceram de acreditar na imensidão do amor". Lucas Scott em sua dedicatória.
One Tree Hill também se despediu com impressionantes 3,15 milhões de telespectadores, mas é visível ver que a série não consegue voltar a ter os impactos que causavam nos finais anteriores. Amadureceu, teve uma temporada regular, mas caminha lentamente agora. Se antes tinhamos um verdadeiro elenco de novela dando ritmo a série, hoje já vemos os sete personagens principais empurrando a série. Mouth que teve um núcleo plausível, e mereceu entrar no elenco fixo, abordando essa postura ética no jornalismo, que é sua grande paixão, Haley e Nathan com a vida de casados e um filho muito engraçadinho, que deu uma refrescada na série, Brooke com um intenso desejo de ser mãe, logo após as desavenças com a própria e foi a verdadeira causa de possíveis lágrimas roubadas dos fãs. Dan saindo da cadeia e tentando mudar de vida, mas sendo esnobado por todos; Lucas no altar, e vendo sua então noiva Lindsey o abandonar. E Peyton, depois de não aceitar o pedido de casamento dele, anos antes, agora se vê apaixonada, e sendo ignorada por ele. Vale destacar nesse último epsódio, a participação histórica de Gavin DeGraw e o pequeno Jamie, cantando a música de abertura do seriado. E fica a pergunta, Dan vai sobreviver? Porque esse homem, já sobrevieu a um enfarto, uma tentativa de assassinato, quando colocaram fogo no escritório dele, Lucas já o tentou o matar, e agora, ele precisando de um transplante de coração, é atropelado. Esse é ruim mesmo! E pra quem foi o telefonema de Lucas?
( )Lindsey( )Peyton( )Brooke ( )Nenhuma das alternativas
Eu marco: (X)Brooke... Porque isso é One Tree Hill!

***Contém Spoiler***





LOST foi FANTÁSTICO! Sensacional! Conseguiu responder perguntas que eram feitas em cima de outras, mas que as primeiras mesmo, nada foi respondido. Enfim, se fosse respondido tudo, não seria LOST... O cargueiro explodiu...uauuu! Tenho certeza que o Jin não morreu! O desespero da Sun foi emocionante...Ben fez a Ilha se mover! Gente, como assim? OMFG! Onde ela foi parar? Claire me deu um susto aparecendo no quarto da Kate no futuro! Credo! Penny e Desmond, um momento marcante! Agora é esperar e esperar... Lost fez uma temporada excepcional, e a forma como foi conduzida, apesar de deixar várias pontas sobrando, organizou a cabeça de alguns que acompanham, eu já não entendia mais nada... Agora tudo se encaixou. E o momento mais OMFG dessa temporada foi quem estava no caixão. John Locke! Mas foram criados mais dois finais alternativos, um que aparecia, o Desmond e o outro o Sawyer no caixão... Isso é LOST! Próxima temporada... Missão para o Jack: Vamos procurar essa Ilha, e levar inclusive... o defunto! Isso sim é LOST! GENIAL!


***********


Dirt foi uma experiência diferente de tudo que eu já vi. Seja pelas visões do paparazzi esquizofrênico, ou os desconcertantes escândalos que imitam a realidade em Hollywood. Tudo em meio a muito sexo e drogas. Courtney Cox está muito bem na pele de Lucy Spiller, a editora de uma revista de fofocas chamada, "Dirt Now". Totalmente sem escrúpulos, e abusando do sensacionalismo em cada capa, vive cercada de intrigas e tenta se manter por cima, no meio de tubarões. Apesar de um ínicio lento, a série ganhou ritmo, apelou menos pro sexo, e conseguiu garantir uma boa trama. Lucy depois de uma série de evntos passa a ser perseguida por alguém que quer fazer-la sentir como todas as celebridades pela qual ela persegue. Ness último episódio da temporada, a revelação, foi seu próprio irmão que a perseguiu. Jennifer Aniston participou desse espisódio, e deu um show, e inclusive um beijo na boca da "friend". Agora é incrível o que ela não faz por uma boa história para a capa de sua revista. Arrisca a própria vida! Fica frase do seu melhor amigo, paparazzi e esquizofrênico:

"Use o filme, sempre o filme. Ninguém vai lembrar deles. Com quem estavam brigando, que drogas estavam usando e com quem eles estavam ferrando, porque amanhã terá uma outra história. Ninguém continua...nada continua...Apenas isso." (Nesse momento ele olha um singelo filme fotográfico em cima de uma mesa).

É O FIM! PUSHING DAISIES E GOSSIP GIRL DIZEM A... ATÉ LOGO!

É hora de se contentar em ver reprises, ou voltar a ver novela da Globo, pois, os seriados estão partindo e só retornam na tela da TV, ou do PC - por que não? - apenas mais para o final do ano. Em Junho, as temporadas atuais de séries como Gossip Girl e Pushing Daisies chegam ao final da temporada, a primeira de cada. Com absoluta certeza, uma fará mais falta que a outra. Pushing Daisies, que teve apenas 9 episódios produzidos, devido a greve dos roteiristas, o que certamente deve ter atrapalhado a produção de alguns epsódios, faz um tempinho que já terminou nos EUA. Assim como Chuck, que já teve o seu final exibido, também no Brasil, e teve com 13 episódios no total.




Pushing Daises foi uma surpresa. Apelando do melhor estilo Tim Burton, a série tem personalidade e construiu ao longo da temporada, uma bela história, em meio a romance, mistério e muito humor negro. A fábula construida de forma muito original, sobre o menino que tem o dom de fazer os mortos voltarem a viver, nos deixou bem curiosos. Mas a vida dele apresenta regras: se ele tocar novamente na pessoa, ela volta a morrer e jamais retornará a vida, ou quando ele toca na pessoa e ela ressuscita, ele tem 1 minuto pra desfazer a "mágica', se não outra pessoa que estiver mais próxima dele, morre. Exaustivamente tratadas nos episódios utilizando o flashback pra mostrar como ele cresceu com esse dom, a série deu conta do recado e consegue prender a atenção de quem curte um bom mistério, apesar de não tão sensacionalista como os de CSI. Unindo boas atuações a momentos de pura comédia. A parte chata fica por conta do excesso de explicação do narrador em todo o momento, não acho que seja relevante explicar que tal personagem tem por exemplo, 26 anos, 9 meses, 10 dias, 3 horas e 8 segundos de vida.



Gossip Girl também encerra uma temporada, e sem nenhuma novidade. Uma mistura de The OC com qualquer série adolescente que existiu por aí, os jovens milionários de NY se despedem com 18 episódios, e já garantindo mais 24(!) na próxima temporada. Inspirada na série de livros Gossip Girl de Cecily von Ziegesar, que lotam as livraria na seção reservada aos pré-adolescentes, a trama se desenrola apartir do retorno da personagem principal, Serena van der Woodsen, a NY. O motivo pela qual ela foi, abandonando a amiga Blair Waldorf é bem obscuro, e nos primeiros episódios se revela uma traição de Serena com o até então namorado de Blair, Nate Archibald. Mas nos últimos episódios o motivo se revela ainda mais impressionante e macabro. Temos a nossa Marissa de The OC até aqui! Se você quiser procurar mais personagens parecidos, ou simplesmente idênticos, não é muito difícil. Pais com 35 anos, e jovens de 25 anos em média fazendo papel de 17, o garoto impopular que se apaixona pela popular, a patricinha mala como a vilã. Intrigas que não dão medo a ninguém, nem ao povinho de Malhação, forçam a barra no começo da temporada. Mas depois de uns 12 episódios, a coisa anda. As intrigas ficam fortes, e as fofocas também. É até possível uma comparação ao filme Segundas Intenções. Vilões se dão mal, transformações de moralidade, como da pequena Jenny Humphrey, irmã do Dan, que fez de tudo pra ser popular, a ponto de passar por cima dos valores da própria família. Enfim, o que se pode aguardar é um fim de temporada sem muito que se mostrar, pois a série ganhou ritmo durante a temporada, e melhorar isso não parece estar nos planos dos produtores. Basta vermos o real motivo do sumiço da Mari...opps! Serena! Todas elas dão saudades de apenas uma: Dawson’s Creek!

O FIM DO SEGUNDO VOLUME DE HEROES


Voltando a escrever, dessa vez vou dar minhas impressões sobre série que muito se falou no seu ano de estréia, e que hoje em dia é massacrada com críticas que a rebaixam tanto,  que é como se ela já nem fizesse mais parte do grupo de celebres séries: Heroes. Essa que a mesma crítica a transformou em ícones no mundo dos seriados americanos. Confesso que sempre achei muito pretensioso esse rótulo de série inovadora e criativa. O que vemos nos episódios é uma cópia brega dos quadrinhos de X-Men, no mesmo nível que a novela Caminhos do Coração (urgh!) daqui do Brasil, mesmo que ela seja a cópia descarada de Heroes. Parece exagero, mas não é. Desde a primeira temporada os erros no roteiro são gritantes. Personagens como Mohinder Suresh, que não acrescentam em nada a história, ganham muitas cenas em destaque. Noah Bennet, pai da Claire é outro exemplo, levou meia temporada pra mostrar serviço, nem se tratava de um mutante, chegou a outra metade pra criar problemas, e enfim sumiu, voltou na segunda temporada procurando uma vida normal pra família, mas foi perseguido e acabou até morto, mas como ele sempre volta pra nos encher a paciência, ele vive novamente. Gente, pra quê? Sylar o grande vilão da série, tem um final grandioso, mas... Ele volta na segunda temporada. Ok. É um seriado, não um filme onde o vilão morre e na sequêcia, um novo vilão surge no lugar. Mas se na segunda temporada era esperado que Sylar fosse impedido de destruir Nova Iorque, pra que diabos ele tem de retornar na próxima temporada? Acabou, já era.... Foram 23 episódios de enrolação para o grande final. E puft! Tudo volta ao normal...
*Nada de culpar a greve dos roteiristas! Até o criador disse que não estava gostando da segunda temporada!

Essa última temporada causou revolta em muitos fãs do seriado. Eram apresentados novos personagens, e nada da história andar... Um Peter Petrelli sem memória, ele que tem a história mais interessante e os melhores poderes, afinal é a chave do seriado, nessa perdeu o sentido. Hiro preso no passado. Meu Deus, que saco! Foram momentos mais ridículos que já vi em um seriado americano. Eu não aguentava aquilo, mudava de canal... Acabaram com o carisma do Hiro, e o deixaram caricato e meloso demais. Claire Bennet, é salva pela atriz que a interpreta. Hayden Panettiere - essa que já prepara um CD para o fim do ano - tem grande atuação na pele da líder de torcida que se regenera quando machucada, tem um carisma e beleza juvenil que nos faz esquecer do roteiro cheio de cliches inventados para ela, com direito a namoradinho que voa.
Os pontos positivos da série aparecem e somem a todo momento. Os personagens secundários possuem podereses bem interessantes. Mas logo morrem ou simplesmente perdem espaço na trama. O que dizer da namoradinha do Hiro que guardava todos tipos de informação possíveis em sua mente? Morreu no mesmo episódio. O homem que ficava invisível, que Peter encontrou... Sorte que Petrelli absorve os poderes de quem ele tem contato. A mulher que criava ilusões? Sylar a matou. O namoradinho da Claire que voava também parecia interessante e protagonizou com ela lindas cenas românticas, como a dos dois em cima do letreiro de Hollywood. E os latinos no início da segunda temporada? A irmã matava a todos que estivessem por perto e apenas com ele absorvendo seus poderes poderia salvar os inocentes da morte, isso ocorria quando ela ficava em fúria. Nada acrescentaram, mas tinham poderes bem bacanas. Também não posso deixar de destacar Monica Dawson, aquela que repetia movimentos que via na televisão. Um pouco brega, mas nada que caísse no ridiculo da novela dos pastores. (Prometo não citar mais aquilo que chamam de novela). Uma outra surpresa boa foi Elle Bishop, a personagem interpretada pela ótima Kristen Bell. Ela que trocou a nova e magnífica temporada de LOST pela segunda de Heroes, até deu conta do recado. Talvez em LOST ela não teria muita participação, e em Heroes ela é uma grande vilã com poderes eletromagnéticos.

Outros personagens foram simplesmente rebaixados para simples secundários... Niki e Jessica Sanders, feitos pela linda e talentosa Ali Larter, perderam o rumo. Matt Parkman, o que ouvia os pensamentos alheios, se juntou a Mohinder Suresh e juntos adotaram a menina com poderes a là Charles Xavier e viveram felizes com a vida de casados. E Nathan Petrelli, apenas serviu pra morrer no final da segunda temporada e tentar fazer dar certo uma reviravolta. Será que agora a série anda?

O terceiro volume se chamará Villains e tem previsão de estréia para Setembro na NBC, canal norte americano, e no Brasil, pode ser que estréie em Janeiro no Universal Channel. Ah, e na emissora dos pastores? Nem Deus deve saber.