junho 29, 2011

Veja o trailer completo de 'O Homem do Futuro', com Wagner Moura

História não é novidade, mas Wagner se sobressai

 
Está na rede o trailer completo de O Homem do Futuro, novo filme de Wagner Moura, que é no momento o maior astro do cinema nacional - protagonista de produções consagradas como Tropa de Elite 2 e Vips. O astro agora mostra versatilidade no trailer do filme que é forte candidato ao blockbuster nacional do ano. Confira:


No filme de Claudio Torres (diretor de A Mulher Invisível), Moura encarna o cientista Zero que volta acidentalmente ao passado, tendo a chance de alterá-lo e, assim, reconquistar o grande amor da sua vida, a estonteante Helena (Alinne Moraes). No entanto, o cientista se dá conta de que manipular o tempo é muito mais difícil do que simplesmente viajar nele. Ao retornar ao presente, Zero descobre que se transformou num canalha, o que acabou por afastá-lo ainda mais de sua amada. Sua única solução é voltar novamente ao passado para impedir a si mesmo de alterar o presente. Fazem parte do elenco: Fernando Ceylão, Maria Luisa Mendonça e Gabriel Braga Nunes.

O lançamento está previsto para 2 de setembro.

Drama dirigido por Steven Spielberg ganha primeiro teaser

'War Horse' estreia em dezembro


Steven Spielberg lança a animação As Aventuras de Tintim dia 23 de dezembro, mas dias depois também entra em cartaz outra produção assinada por ele: War Horse. A produção é uma adaptação ao romance de Michael Morpurgo e, pelo teaser, pode colocar o diretor novamente na mira do Oscar. Seu último filme indicado foi Munique em 2005.

Confira o trailer, e tente não se emocionar com a trilha sonora de John Williams ao fundo:


O filme se passa em 1914, Joey, um potro com um sinal em forma de cruz no focinho, é vendido ao exército e enviado à Europa, onde se desenrola a Primeira Guerra Mundial. Entregue a um oficial, o animal se torna um cavalo de batalha, testemunhando o horror do conflito na França. A coragem de Joey toca os soldados, enquanto o cavalo sofre pela ausência de Albert, o filho do fazendeiro que ele deixou para trás. Será que ele verá seu dono verdadeiro outra vez?

O elenco é composto por: Jeremy Irvine, Benedict Cumberbatch, Patrick Kennedy, Tom Hiddleston, David Thewlis, Peter Mullan e Emily Watson.  O lançamento ocorre em 28 de dezembro, dentro do limite de tempo para tentar alguma indicação. No Brasil, War Horse chega em 6 de janeiro.

fonte: omelete

Tom Cruise escala o prédio mais alto do mundo no trailer de 'Missão: Impossível 4'

Eminem dita o ritmo alucinante da prévia


Sem sinopse oficial divulgada, resta aproveitar o visual empolgante do trailer da nova aventura de Missão: Impossível 4 - Protocolo Fantasma (Mission: Impossible - Ghost Protocol). No vídeo é possível ver vários artifícios que fizeram da franquia ser o sucesso que é, sempre com uma identidade formada. A cena básica de escalagem fica por conta de Tom Cruise se superando e subindo o prédio mais alto do mundo em Dubai. Ao fundo, Eminem faz rap com a Pink.

Respire fundo e dê o play:


Fazem parte do elenco ainda, Simon Pegg, Paula Patton, Jeremy Renner, Ving Rhames, Josh Holloway, Vladimir Mashkov, Léa Seydoux, Michael Nyqvist e Anil Kapoor. Dirigido por Brad Bird, a estreia está marcada para 16 de dezembro nos EUA e 30 de dezembro no Brasil.

fonte: Omelete e UOL Cinema

junho 28, 2011

'Os Três Mosqueteiros 3D' ganha novo trailer

Anima um pouco mais que a primeira prévia!


Com mais ação (sem ficar tumultuado) e explorando os atributos do 3D, Os Três Mosqueteiros (The Three Musketeers) teve seu segundo trailer divulgado. É o momento de apresentar melhor os personagens e as cenas mais legais. Deu pra animar, depois da sem graça primeira prévia que vendia o filme como uma mistura de Piratas do Caribe com qualquer outra coisa do gênero. Confira:


Dirigido por Paul W.S. Anderson e estrelado por Logan Lerman (D'Artagnan), Ray Stevenson (Porthos), Luke Evans (Aramis) e Matthew Macfadyen (Athos). A nova versão do clássico de Alexandre Dumas, não tem muita diferença na premissa: conta a história do jovem D´Artagnan, que vai a Paris buscando se tornar membro do corpo de elite dos guardas do rei, os mosqueteiros. Chegando lá, após acontecimentos singulares, ele conhece três mosqueteiros chamados "os inseparáveis". Athos, Porthos e Aramis. O elenco ainda conta com Milla Jovovich (Milady de Winter), Mads Mikkelsen (Rochefort), Christoph Waltz (Cardeal Richelieu) e Orlando Bloom (Duque de Buckingham). O lançamento é previsto para 14 de outubro.

Fonte: Omelete

'Mad Men' finaliza quarta temporada buscando um novo caminho para o futuro sombrio

Quando a idade começa a pesar, não se pode perder tempo...

 
Uma das cenas mais emblemáticas desta quarta temporada de Mad Men, que teve seu último episódio exibido neste domingo pela HBO Brasil, é uma em que o protagonista Don Draper (Jon Hamm) está praticando sua corriqueira natação em um clube. Ao nadar percebe que ao seu lado surge um jovem que está no mesmo ritmo que o seu, então, Don querendo mostrar vitalidade e assim ganhar a "corrida" até o outro lado, acelera o nado e finalmente passa o jovem, porém, quando para cansado e tossindo, o jovem já deu meia volta e continuou nadando. Cenas como essas, intensificam o tom que predominou em toda essa temporada: o tempo está passando, as idades começam a pesar e é hora de tomar decisões para fugir do destino sombrio.

Esta temporada de Mad Men representou uma transição da trama para mostrar um plano em que a sociedade caminhava para uma certa estabilidade. O Vietnã era uma pedra no sapato dos americanos, mas é a gravidez de Joan (Christina Hendricks), da qual, ela evitou interromper, que revela os bons tempos que estão por vir, isso pelo menos, se a verdade não surgir à tona (momento paradoxal da reflexão). As mulheres que sempre são muito bem retratadas condizendo com o tempo na trama, ganharam um espaço muito maior. Uma das cenas no meio da temporada que confidenciam tal característica, está no final do episódio que termina numa mesa de reunião, da qual, Joan está sentada no centro com os sócios em volta, como se ela fosse a ferramente principal que faz o negócio acontecer; em outro episódio, três mulheres, Peggy (Elisabeth Moss), Joan e Faye (Cara Buono), dividem o mesmo elevador e transpareciam uma coisa em comum: estavam lutando pela independência naquele lugar machista e arrogante.

Joan e Peggy, que são as principais em um escritório masculino, fazem a diferença e abrem as portas ao novo tempo. A primeira teve um momento de fraqueza ao voltar se relacionar com Roger, e apenas quando a gravidez a coloca em uma sala à espera do aborto junto de uma mãe desesperada e acompanhando a filha, que percebe o seu lugar no tempo. A mãe a pergunta quantos anos tem a "sua filha", e Joan tem um momento de reflexão. Peggy já vivia o dilema da mulher moderna. Conciliar trabalho com a vida pessoa começa a pesar e, para mulher, a cobrança é bem mais pesada quando sua família a pressiona por ela seguir um modelo tradicional de dona de casa. Para piorar ela ainda passa por problemas ligados ao preconceito dentro do próprio ambiente de trabalho.

Essa mudança é basicamente um arco que começou no início da temporada, quando uma das secretárias é alvo de assédio moral por Don. Na cena final desta temporada, o diálogo de Joan e Peggy é especial e fecha o ciclo. Don escolhe a nova secretária, Megan Calvet (Jessica Paré), para casar e causa um conflito em ambas. Mostra que apesar de tudo que elas fazem pela agência, a postura social delas na hierarquia é a mesma que uma secretária pedida em casamento por um dos sócios. Elas servem como um mero objeto sexual ou apenas para serem esposas (a secretária sendo amável com as crianças foi o momento em que Don a escolheu, afinal, preferiu a secretária ao invés da bem sucedida Fayer, que provavelmente dividiria o mesmo espaço que ele na sociedade - fica implícito aqui também que Fayer errou ao achar que o problema de Don era o passado, o casamento, enquanto tudo estava relacionado ao futuro incerto). Essas mudanças ocorreram sutilmente, mas o mundo machista não dava valor.

Esta temporada trabalhou também a evolução de cada personagem. Vimos um Pete Campbell (Vincent Kartheiser) seguindo os passos de seus sócios mais velhos, em especial de Don, mas sem deixar de lado sua família; Roger (John Slattery) e sua constante crise de meia idade - o episódio que mostra como Don entrou na agência devido à uma ressaca sua, foi genial (aqui entra a questão do abuso de drogas da época); Sally (Kiernan Shipka), filha de Don e Betty (January Jones), conheceu um vizinho que aos olhos da mãe era uma má influência, o problema é que a mãe é o próprio vínculo com problemas que atrapalha o crescimento da filha; e a própria Betty que foi o lado mais fragilizado do divórcio, já que continua mimada e ainda não conseguiu desvencilhar do ex-marido, guardando suas angustias em momentos de solidão literal - a cena neste episódio final, da qual, eles se encontram na cozinha, é possível ver como ela está mal e ele parece ter superado o que eles passaram.

Outro tema abordado com clareza e que foi um divisor de águas, foram as grandes empresas de cigarro que abandonaram a empresa e geraram todos problemas possíveis. Por outro lado, já era possível ver uma base engajada do governo buscando uma forma de alertar sobre os perigos do cigarro - o problema é o controversa do discurso, já que todos da sala se diziam fumantes. Nesse período fica claro que as agências de publicidade eram financiadas pelas gigantes do setor, mas mesmo assim, também começavam a dar sinais de decadência. Resta esperar se o seriado vai chegar neste momento nada glamuroso da profissão.

Melancolia, personagens complexos e humanos. Mad Men fez uma temporada primorosa assim como foram as outras três. Um seriado que o impactante está nas cenas que retratam e captam bem uma época cheia de contrastes e uma imensa mudança de valores. É possível atrelar tais semelhanças ao nosso tempo e programas de época semelhantes, mas o glamour, o universo construído dentro da mente sombria de Don Draper são garantia dos momentos mais introspectivos da TV. Em Mad Men, os tempos estão mudando e a sociedade evoluindo, mas dentro dos personagens só há uma questão que prevalece: o importante não é vencer a corrida contra o tempo e a idade e sim continuar nadando, mesmo sendo ultrapassado, pois a solidão e o vazio existêncial latente se apoderam de qualquer corpo parado no tempo. Draper olha pela janela e reflete, mais uma vez, sobre seus atos e o futuro.

junho 27, 2011

Teaser explosivo da nova temporada de 'Boardwalk Empire'

Prévia mostra que não vai faltar intriga na segunda temporada



Série vencedora do Globo de Ouro como melhor drama e melhor ator dramático (Steve Buscemi), além de estar na lista das melhores séries de 2010, Boardwalk Empire reestreia em breve e por isso começou o processo de promoção da segunda temporada. O vídeo é recheado de cenas dos personagens em ação, com uma trilha de rock pesado que remete à uma temporada caótica - como era de se esperar depois da reviravolta no fim da primeira temporada. Confira o vídeo:

Obrigado!


Esse post não tem crítica, não tem novidades e nem notícia ruim, muito pelo contrário! Ele serve para agradecer a todos visitantes o apoio e o voto de confiança e fidelidade que fizeram, nesses últimos dois anos, o blog crescer tanto em número de visitas e visitantes. São no total 200 mil visitantes acumulados e uma média de 100 diariamente, que com ajuda de parceiros e plataformas de divulgação chega à 3.000 visitas em um único dia. E isso não é um atalho, pois, mais que um blog informativo, trata-se de um site com opinião, algo que muitas pessoas rejeitam cada vez mais. Então agradeço aos amigos e parceiros e prometo melhorar o sistema de apoio que tanto contribuiu para o Project Monkeys alcançar tal marca.

Mas isso ainda é insuficiente, visando que a meta do Project Mokeys é expandir cada vez mais os horizontes e conquistar mais seguidores e assim quem sabe um dia virar um portal de entretenimento, com muita informação e criticidade.

Como projeto dessa expansão, o blog entra de vez nas redes sociais e busca seu apoio para ser divulgado e conquistar esses novos seguidores!

Ajude o Project Monkeys, seja curtindo e seguindo no facebook, o twitter e no tumblr. Clique nas imagens abaixo:






junho 25, 2011

'Falling Skies' faz estreia decepcionante

Série é recheada de clichês e não sai do lugar comum

 

Uma das promessas para a temporada, Falling Skies, estreou no Brasil esta semana pela TNT - com menos de uma semana do lançamento nos Estados Unidos - apresentando uma premissa que não era muito inovadora, mas despertou interesse pela temática nunca ter sido tão bem explorada na TV. A série é sobre uma invasão alienígena que dizimou grande parte da população, e os poucos sobreviventes vivem em fuga, enquanto buscam uma forma de expulsá-los do Planeta Terra. Ou seja, é mais ou menos o que foi visto no medíocre filme Invasão do Mundo: Batalha de Los Angeles, que estava nos cinemas no inicio do ano.

O primeiro episódio teve duas horas de duração e fez questão de apresentar todos os clichês possíveis do gênero: drama familiar, alienígenas fortes mas cheios de pontos fracos, problemas de convivência entre os sobreviventes, gangues que correm por fora querendo armamento para combaterem os aliens sozinhos, uma pitada de religião - muito mal realizada por sinal -, humanos capturados transformados em zumbis, e aquilo que não pode faltar: o líder e protagonista que tem os dilemas mais difíceis: está à serviço dos civis e tem o filho desaparecido. Claro que se tratando de uma produção que visa um público amplo, tais clichês não seriam problema, porém em Falling Skies tudo é tão fraco, superficial, que parece um filme B do gênero.

É de estranhar que Steven Spielberg está por trás de uma obra tão amadora, da qual, nem os efeitos especiais garantem uma estética apocalíptica e divertida como se esperava. Consegue ter um impacto ainda menor que The 4400, outra série do gênero, mas que focava em abdução. Se não basta a banalidade do roteiro, os diálogos são ainda mais dolorosos. Coisas do tipo,  "aposto cinco milhões que você joga a bolinha naquele portão", o garoto responde: "você vai ter de pagar tudo em chiclete", isso numa missão de buscar por armamentos. Em outra cena a jovem fala sobre religião com o filho do protagonista, e uma outra personagem ouve e diz "por favor, reze e peça que Deus jogue as bombas em 'tal lugar'", a cristã então responde, "eu não peço coisas à Ele e sim pergunto o que eu posso fazer por Ele". Isso é o máximo que o roteiro pode levantar a questão de fé que é desencadeada em um ataque alienígena? Carl Sagan deve estar se revirando no túmulo.

Outras questões são ainda mais patéticas, como a gangue que surge atrás de armas e seqüestra uma parte do grupo de sobreviventes. Obviamente eles já sabem os pontos fracos dos alienígenas, querem lutar, mas não acreditam numa derrota dos invasores e sim que a humanidade caminha para a extinção. Existe algo mais clichê que já foi explorado em dezenas de produtos da ficção científica? Ainda por cima tem o drama do filho do principal da história que deseja que a tudo volte a ser como antes, mas por enquanto se diverte com seu presente de aniversário novo. Sério? E ainda temos alienígenas que mais uma vez chegam ao nosso planeta sem uma estratégia avassaladora, e sim ficam guerreando.


Falling Skies chega com a proposta de fazer o tipo de entretenimento fácil, digno da programação dublada da TNT, se aproveitando de referências mal utilizadas de outra série que é do mesmo nível, The Walking Dead. No entanto, mesmo com todos problemas e superficialidade, a série de zumbis é uma adaptação de quadrinhos, que tem um universo inteiro à ser explorado e ainda se aproveita de uma temática diferente, inédita na TV. Enquanto a invasão alienígena aqui, continua traçando o caminho entre o banal e o desinteressante. Resta esperar que o resto da temporada consiga sair do lugar comum, mas à primeira vista é uma decepção sem precendentes, quando a concorrência tem a ousadia de exibir Game of Thrones.

O seriado é exibido todas às sextas feiras, às 22h, pelo TNT e Canal Space.

junho 24, 2011

'Dexter' faz temporada regular sem se importar com exagero

Sorte, acaso... Assassino segue matando à cinco anos na cara de todo mundo e ninguém percebe!


Estou cada vez mais com medo de como poderá ser o final de Dexter. A série exibida pelo canal americano Show Time e no Brasil pelo FX, finalizou sua quinta temporada explorando as emoções do assassino em série, Dexter Morgan (Michael C. Hall), depois da morte da esposa, morta por um de seus últimos alvos, da qual, por equívoco seu, adiou sua morte até a situação acabar virando uma perigosa caça de gato e rato. Nesta temporada as coisas não foram tão diferentes. Mais uma vez um caso foi o centro das atenções, só que desta vez, o diferencial foi que uma sobrevivente se tornou testemunha, Lumen (Julia Stiles) de uma das mortes cometidas por Dexter e assim viraram parceiros, se envolveram sentimentalmente e no final, sobrou para Dexter salvá-la de um monstro.

Mas cada vez mais, percebe-se que o protagonista está chegando ao fim da linha, com o cerco se fechando e a polícia descobrindo sua obscuridade. Na verdade, se não descobriram ainda, é porque uma equipe de roteiristas espertinhos tentam ao máximo criar situações e mais situações que o livram de ser pego e assim sustentar a história por mais tempo. Muitas das circunstâncias que o livraram do caminho da polícia são no mínimo forçadas, sempre de uma forma cercada de acaso, coincidências, que beneficiam Dexter, sem dar trégua para coadjuvantes que estão em seu percalço. Um desses que sofreu, foi o agente Quinn (Desmond Harrington) que colocou um investigador atrás de Dexter, descobriu coisas que o culpariam de primeira - chegando a ter fotos dos dois desovando um corpo em alto mar -, mas no fim não mostrou pra ninguém, mesmo com a polícia dizendo que os justiceiros poderiam se tratar de um casal. Óbvio que ele ficou com medo de perder o amor de Debra (Jennifer Carpenter), principal investigadora e irmã de Dexter, mas é incoerente que ele não poderia aproveitar uma oportunidade única de desmentir todos que o faziam de bobo e assim sair bem. Então a polícia de Miami em peso apóia o trabalho de assassinos vingadores e a prioridade é o amor?

Faz sentido Dexter terminar a temporada com o protagonista cara a cara com a irmã, perto de ser descoberto, mas pelo lado sentimental dela foi salvo. Ela os deixou impune, pois achou correta a atitude deles. O histórico de Debra leva à isso, e foi intensificado nesta temporada com um caso que remeteu ao seu passado como vítima, mas ainda assim é inverossímil que ela partiria sozinha atrás de um assassino procurado e tudo terminar tão bem. Mas, no geral, essa é a primeira vez que a barra foi forçada para proteger Dexter. Ele agora é pai de família, angustiado e segue sua trilha como assassino , sem dúvidas seria logo foco de investigações, pois cometeu vários vacilos ao decorrer da trama.
A questão levada nesta temporada, da qual, ele queria melhor compreensão de quem é, assistindo os sentimentos de uma pessoas que "ganhou" a mesma obscuridade sua, foi eficaz para finalizar com um sinal de esperança em ele se tornar uma pessoa comum. Já pensou que divertido uma reabilitação para assassinos? O personagem em si continua segurando o bom do seriado. Fui muito criticado no meu primeiro texto sobre a série, da qual, explicava e criticava o personagem, pois "ignorei" o fato dele ser de certo modo um justiceiro, matando apenas pessoas criminosas, ou que são culpadas mas beneficiadas por burocracias nas leis e acabam livre. É compreensível algumas pessoas levarem isso em conta, mas será que não faz parte da doença do personagem achar que faz isso por acreditar que ele é um bem à sociedade? Seu desvio de caráter não o fazem uma pessoa limitada sem senso de realidade, e que com a violência descontrolada, esse seria um modo de fazer o bem para o mundo. Mas Dexter não se aprofunda em outras questões sobre seus atos, as suas consequências e moralidade, inclusive matando inocentes de vez enquanto. Ele é um psicopata que não aceita sua patologia, mesmo tendo seu lado paternal, amigo e que presta algum serviço na polícia. Heróis agem de um modo diferente.

Resta aguardar e saber o que mais está sendo preparado para os fãs de uma série tão instigante, e que mesmo caminhando para certos exageros no roteiro, ainda intriga com um personagem tão humano que chega criar certa identificação com o público, pois no fim todos temos nosso lado obscuro. Não interessa se ele é considerado herói por alguns ou um mal para outros, Dexter é um seriado desafiador e até que não é tão ruim adiarem tanto a descoberta de seu macabro segredo.

Trailer da sexta temporada:

Divulgado o novo trailer de 'Um Dia' com Anne Hathaway e Jim Stugess

Amizade e amor em uma jornada de 20 anos


Baseado no bestseller de David Nicholls, Um Dia (One Day), ganhou seu segundo trailer. O filme estrelado pelos novos e importantes nomes da nova geração, Anne Hathaway de O Casamento de Rachel, da qual, lhe rendeu uma indicação ao Oscar e será a próxima Mulher Gato do novo Batman, e o ator inglês Jim Sturgess de Across The Universe, do sucesso Quebrando a Banca e recentemente foi visto em Caminho da Liberdade. O filme é dirigido por Lone Scherfig, do indicado ao Oscar 2010, Educação.

Veja a prévia que revela boa química entre o casal não está apenas no lindo cartaz:




A história é sobre a relação extraordinária entre Emma (Hathaway) e Dexter (Sturgess), que se reúnem na noite de sua formatura da faculdade - 15 julho de 1988. Ela é uma menina da classe trabalhadora com seus princípios, mas com uma ambição em tornar o mundo um lugar melhor. Ele é um sedutor rico que sonha que o mundo será seu playground. Nas próximas duas décadas, a cada 15 de julho revela-nos como "Em"e "Dex" estão indo, sua amizade de altos e baixos com o passar dos anos. Através do amor e perda, mágoa e sucesso, esperanças e sonhos despedaçados, eles experimentam a grandeza da vida. Em algum lugar ao longo de sua jornada, estas duas pessoas percebem que o que estão buscando e esperando estava lá para eles o tempo todo.

O lançamento está marcado para 19 de agosto nos Estados Unidos e 26 de agosto no Reino Unido, sem previsão para chegar ao Brasil.

Cold War Kids lança novo clipe, assista 'Skip The Charades'

Terceiro single é uma balada devastadora 


Depois de lançar um clipe, da qual, nem sequer aparecem, o Cold War Kids decidiu retornar à frente das câmeras para continuar promovendo o disco Mine is Yours. A música escolhida é a balada Skip The Charades, com letra profunda e melodia bela. O clipe é simples e poético, com a banda tocando, mas a câmera fica nos desafiando em mostrar apenas televisores espalhados com takes da banda. Uma crítica à nossa sociedade que dá mais a valor ao que está na tela, seja do celular ou do vídeo, do que realmente está a sua frente.

Confira:

junho 23, 2011

Não falta ação no novo trailer de 'Capitão América: O Primeiro Vingador'

Prévia intensifica o que faltou no primeiro vídeo promocional

 
Depois de um primeiro trailer equilibrado, dando ênfase mais na história que na ação, Capitão América: O Primeiro Vingador ganha um novo trailer que apresenta mais ação. Claro que a história ainda está lá, já que se trata de um personagem não tão popular, mas ainda sobra tempo de apresentar melhor o vilão, o Caveira Vermelha.

Confira:


No filme, o jovem Steve Rogers cresceu em uma família pobre, durante a Grande Depressão. Horrorizado por uma propaganda que mostrou a ascensão nazista na Europa, ele se alista no exército. Rejeitado por não ter um porte físico aceitável, ele pede uma chance ao General Chester Phillips, que oferece a Rogers testes para se transformar em um supersoldado. Armado com seu escudo indestrutível , o jovem com o corpo fortalecido vai combater os inimigos e se tornar líder do Vingadores.

O elenco é composto por Chris Evans, Hugo Weaving, Hayley Atwell, Sebastian Stan, Tommy Lee Jones , Samuel L. Jackson, Dominic Cooper, Neal McDonough , Stanley Tucci  e Toby Jones. Com direção de Joe Johnston a superprodução estreia em 22 de julho nos EUA e em 29 de julho no Brasil.

'The Good Wife' finaliza temporada tensa... e excelente

Drama de advogados se sobressai com bons ingredientes


A TV americana em muito tempo não via um safra de dramas tão bons no ar. Infelizmente tal realidade é vista com maior frequência apenas quando se trata da tv fechada. São poucos canais que conseguem ótima audiência com séries e que ainda se dão bem em premiações e, independente de tudo isso, com programas realmente bons. Poucas séries na tv aberta chegam tão longe, conquistando a crítica e o público. Uma das que está seguindo uma trajetória de sucesso em ambos parâmetros é The Good Wife do canal aberto CBS e exibida no Brasil pelo Universal Channel. E com o fim de sua segunda temporada, exibida ontem no canal brasileiro, o seriado fechou um ciclo tenso com personagens cativantes, um roteiro dinâmico e surpresas, boas surpresas.

Poucas séries conseguem tratar com tanto realismo e naturalidade a evolução de seus protagonistas durante as várias temporadas que um seriado pode chegar. The Good Wife tem apenas duas temporadas, e Alicia Florrick (Julianna Margulies) teve uma virada em sua vida que aos poucos refletiu em seu comportamento, e isso é mostrado com maestria. Ao mesmo tempo que isso ocorreu sutilmente, não demorou tanto para que o título tivesse seu tom irônico como o criador Robert King queria. A temporada começou depois dos eventos bombásticos da primeira, com Alicia se vendo obrigada a apoiar a candidatura de seu marido Peter (Chris Noth), que foi flagrado, anteriormente, em um escândalo com prostitutas e corrupção. Enquanto isso, em seu trabalho numa poderosa firma de advocacia, seu antigo colega de faculdade, demonstrava interesse nela, e ela se sentia balançada. Esta temporada foi primordial para entendermos como Alicia tinha todos os motivos para perdoar o marido, fazer o papel de pessoa com caráter superior, mas após perceber que no fim ela era apenas uma peça no jogo político do marido, se sentindo sufocada logo quando sua carreira vai alcançando vôos cada vez mais altos e quando opções para seu coração, surgem.

Com uma eleição indo à toda velocidade, ela foi a peça determinante para a vitória de Peter, mas o fantasma da traição retornou ao descobrir que Kalinda (Archie Panjabi), sua atual melhor amiga e investigadora da empresa, fez sexo com ele, quando ele era da promotoria. Kalinda, que tentou de todas as formas esconder tal segredo, acabou sendo desmacarada por um investigador novato que lutava com ela por uma vaga fixa, depois que a empresa dela e de Alicia se fundiu com outra. Um dos trunfos da série também se deve a essa movimentação da trama, sem esperar muito tempo para impactar o público. No meio da temporada, a reviravolta de Will Gardner (Josh Charles) e Diane Lockhart (Christine Baranski) ao expulsarem um dos sócios, que estaria planejando tomar conta do barco sozinho, foi um dos momentos mais tensos e reveladores em séries de escritório. Tudo tão bem escrito e dinâmico, que não soa corrido, nem desesperado.

Mas The Good Wife também tem seus casos do dia para apresentar. E nesse lado, ela não falha. Cada episódio tem um caso específico mais interessante e imprevisível que o outro. Nem sempre eles ganham, nem sempre eles estão do lado que é o certo. Usam assuntos atuais, como um inspirado no filme A Rede Social. E é a sensibilidade e a mudança de Alicia que os fazem encaixar como uma ponte ao arco principal. O revezamento de participações especiais dos advogados que estão contra eles, mantém um ritmo benéfico e eficiente. Basta saber que Michael J. Fox fará parte de algum episódio, e esperar que ele será cheio de jogadas sarcásticas, deboche e intrigas, que chegam em diálogos primorosos e bem escritos. Curioso que com tantos atributos, ainda sobra algum tempo para explorar um pouco personagens coadjuvantes, como Eli Gold (Alan Cumming) , que é assessor de Peter nas eleições e sua paixão por uma mexicana - da qual, a princípio seria apenas um golpe contra uma outra candidata -, a misteriosa Kalinda e seu jogo como investigadora, ou os filhos de Peter e Alicia - uma que busca a religião e o outro está se descobrindo sexualmente. Tudo tão bem equilibrado que não fica pedante durante a temporada.

E pra falar que não tem defeitos, aqui está um: a temporada finalizou com um evento importante do arco principal, mas o caso da semana não foi tão comovente como outros já apresentados. Nem mesmo o lance da luva ensanguentada surgir na mesa de Alicia conseguiu criar alguma tensão. Apenas três coisas valeram a pena: saber que Eli continuará na série mesmo com o fim da eleição; Kalinda na cama com a loira gostosa e Will e Alicia passando por momentos irônicos que não os deixavam em paz, mas acabaram aos aguardados beijos na suíte presidencial em um horel luxuoso. É esperar para saber como a nova Alicia se comportará com essa nova personalidade, menos passiva a qualquer favor e agressiva quando necessário, além de "livre" do jogo político. Tudo deu sinais que a boa esposa vai fazer o que quiser, resta aguardar como os roteiristas vão surpreender agora.

junho 22, 2011

'The Big C' ganha trailer completo e revela uma boa surpresa!

Personagem que teve fim trágico retorna... mas como?



E foi liberado o trailer completo da segunda temporada de The Big C, série que levou o Globo de Ouro de melhor atriz cômica. A prévia desta vez traz cenas inéditas, apresenta o elenco, novos personagens e sugere o rumo que a protagonista vai tomar, depois de ter revelado o câncer para todos. Cathy (Laura Linney) parece mais nervosa e temperamental que nunca! A surpresa fica com o retorno de Marlene (Phyllis Somerville), a vizinha idosa, que morreu na primeira temporada e agora fará seus comentários ácidos como uma visão de Cathy - roteiristas espertinhos! O Project Monkeys já falou da ótima série aqui e a recomenda para quem procura qualidade, tanto no roteiro quanto em atuações.

Veja o trailer:


Exibida por aqui pela HBO, o seriado retorna nos Estados Unidos em 26 de junho pela ShowTime.


Cenas inéditas no novo trailer de 'Planeta dos Macacos: A Origem'

Trailer não se preocupa em mostrar demais


Foi divulgado mais um trailer de Planeta dos Macacos: A Origem (Rise of the Planet of the Apes). Depois do primeiro que focava na revolução em si, da qual, mostra como o planeta foi dominado pelos macacos que deu origem aos demais filmes clássicos, este trailer foca na relação de César o pai (John Lithgow), doente com Alzheimer, do cientista interpretado por James Franco.

No filme, um cientista (Franco) trabalha na São Francisco dos dias atuais com engenharia genética para o tratamento de doenças. César (Andy Serkis) é o nome do primeiro 'super macaco', resultado de experiências para combater o Mal de Alzheimer, dotado de inteligência superior e capacidade de fala. Ao ser traído pelos humanos que tentava emular, César começa uma revolução violenta em busca dos direitos símios entre os homens. Fazem parte do elenco: Brian Cox, Tom Felton e Freida Pinto.

Vale a pena conferir mais uma eletrizante prévia:


O filme estreia em 5 de agosto nos EUA e no Brasil.

junho 21, 2011

Veja Viggo Mortensen como Freud no trailer de 'A Dangerous Method'

Enquanto Michael Fassbender é Carl Jung

Finalmente começou a surgir o trailer daqueles filmes com grande potencial em premiações e que promete tentar comover o público. A direção já sugere algo neste sentido, pois, conta com as boas mãos de David Cronenberg (Senhores do Crime), além de ser protagonizado por Viggo Mortensen (A Estrada), Michael Fassbender (X-Men: Primeira Classe), Keira Knightley (Desejo e Reparação) e Vincent Cassel (Cisne Negro). E se isso não basta para chamar atenção, vale dizer que o longa é adaptado na peça The Talking Cure, de Christopher Hampton (roteirista de Desejo e Reparação).

O filme acompanha a relação entre os considerados pais da psicanálise, Carl Jung (Fassbender) e Sigmund Freud (Mortensen), com a russa Sabina Spielrein (Knightley), uma das primeiras mulheres psicanalistas da história, que foi paciente no hospital onde Jung trabalhava, em Zurique.

Veja o trailer que tem toques dramáticos, numa atmosfera de thriller psicológico:


O longa fará parte do Festival de Veneza que ocorre em setembro e tem estreia comercial prevista para 10 de novembro.

Fonte: Cineclick

junho 17, 2011

Confira o trailer final de 'Harry Potter e as Relíquias da Morte Parte 2'

Prévia tem mais ação que a primeira parte inteira


 Momento histórico para uma geração que acompanhou por uma década uma das franquias mais queridas em anos. O último filme da saga Harry Potter é lançado e resgata cenas dos outros longas, foca em uma trilha épica, drama e ação, muita ação. Confira:


Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2 estreia nos cinemas em 15 de julho com cópias também em 3D convertido.

junho 16, 2011

Terceira temporada de 'Breaking Bad' repercute impactante evento e foca em desdobramentos

E tudo continua genial como um bom western


Depois de duas temporadas conturbadas, cheias de ação e suspense, Breaking Bad mostrou nesta terceira fase, que as consequencias dos atos de Walter White (Bryan Cranston) podem ser, sutilmente, piores do que se era esperado. O AXN exibiu o último episódio da temporada neste domingo, enquanto o canal AMC está prestes a estrear a nova temporada. E a pergunta ficou no ar: será que Jesse (Aaron Paul) vai cumprir o que lhe foi combinado e salvar a pele do amigo que já fez tanto por ele? Parece fácil, mas Jesse depois da reabilitação e de ter perdido uma paixão, tem agido mais pelo emocional que pelo racional. Breaking Bad diminui o ritmo, mas ainda continua furiosa.


Esta terceira temporada não apresentou nenhuma trama nova. O atentado contra o cunhado de Walter e a descoberta de sua segunda vida pela esposa, são ganchos inesperados, mas que no fim não foram de grande foco. Li comentários de pessoas que às vezes se esquecem que o seriado é da Show Time, e não da AMC. E sim, como os seriados do outro canal, Breaking Bad tem semelhanças gritantes com Dexter e Nurse Jackie, seja na forma de esconder sua outra personalidade, ou na forma que você conduz essa vida obscura. Porém, o tom é mesmo de uma série da AMC, dona de Mad Men. Em Breaking Bad, Walter assume de vez sua vontade de participar de um emprego criminoso, mesmo que isso tenha consequências nada boas.

O câncer que desencadeou essa crise existêncial e o motivou a entrar na marginalidade, desta vez evolui, mas não dentro do corpo de Walter, e sim em toda a cidade, levando a atingir todos que estão nos arredores. Principalmente, estes que mantém contato com ele e estão sendo atingidos. Seja materialmente ou psicológicamente. Quando se pensa que a legalidade e as leis é que vão dar conta de punir Walter, é o próprio tráfico que se prepara para fechar o cerco contra ele. Esta temporada se dedicou a isto. Guerra por território e cartel, foram os principais elementos que derem ritmo a trama. A vingança também entra como um elemento a mais, mas sempre provocado pelos dois primeiros. A equação é menos explosiva do que você mesmo ser o líder do tráfico, mas nem por isso menos perigosa.

O mais impressionante sem dúvidas, é como o ciclo dessa equação se fecha. Primeiro é uma investigação sobre o tráfico. Quando o suspeito de ser o fabricante tem familiaridade com a polícia, além de outros motivos, ele se torna alvo do cartel. Sobra para o investigador e parente do fabricante, que sofre um atentado e acaba no hospital. Sem dinheiro, a família fica desolada e senão fosse claro, pelo parente - que agora rico com dinheiro sujo - que estende a mão, o tratamento para a recuperação seria inviável. Até mesmo o grande chefão do cartel - Gus - aparece por lá para prestar respeito. Uma ironia do destino que só mesmo um roteiro inteligente e bem amarrado poderia oferecer.

Foi também uma temporada com muito remorso para o personagem que, praticamente, ajudou a namorada viciada de Jesse morrer, e tal evento levou o pai da jovem causar uma catástrofe com aviões se chocando. Curioso e assustador o modo como ele entrou em estado de negação, buscando ver o lado positivo de tal tragédia. Jesse por sua vez, buscou uma forma de tomar nas mãos o controle que havia perdido da própria vida. Terminou impulsivo e salvo por Walter, quando já era figura marcada para morrer. Breaking Bad, entra numa nova fase ainda mais obscura e imprevisível. Afinal, nada mais do que o tráfico de drogas para fugir de toda previsibilidade das reações químicas que sempre foram o mote do seriado.

Trailer da quarta temporada, que estreia em julho nos EUA, e sem previsão no Brasil:

junho 15, 2011

'Caminho da Liberdade' impressiona, mas não emociona

Se você busca por aventura, esta é a melhor em tempos!


Faz um bom tempo que Hollywood perdeu a mão em fazer boas aventuras. Hoje em dia, não importa o roteiro, pra eles, basta bons efeitos especiais para enganar uma plateia entorpecida pelo entretenimento fácil e que faz qualquer desaceleração no ritmo - dando tempo para degustar a experiência - parecer inevitável. É nessas horas que a colaboração de um diretor disposto em fazer o contrário, buscando explorar a dramaticidade de personagens, ou simplesmente oferecer uma diversão com algum conteúdo histórico e ainda apresentar belas paisagens, que o resultado se torna um espetáculo à parte. Mas, infelizmente, alguns ainda não conseguem emocionar. Tudo em Caminho da Liberdade (The Way Back, EUA, 2010) é tão quadrado, que quase não convence. Porém, é uma aventura de tirar o fôlego.

Baseado no livro Caminho da Liberdade, a trajetória corajosa do polonês Slavomir Rawicz, que teria fugido de um campo de trabalho forçado na Sibéria comandado pela URSS para a India, único lugar imune das ditaduras - inclusive do nazismo -, o filme é daquelas que se não dissessem que se trata de um drama baseado em fatos reais, você não acreditaria. Entretanto, a veracidade do próprio livro é questionada, então toda aquela coragem dos andarilhos do filme vão à ruínas, e sobra a vontade do público de entrar na história por conta própria. Mas vale a pena. Pouco importa se aconteceu realmente daquele jeito ou não. O que se leva dele, é a vontade de ter uma boa experiência com um bom filme.

Caminho da Liberdade sofre o mal das adaptações hollywodianas para dramas históricos - ficcionais ou não - como o caso recente dos fracos O Menino do Pijama Listrado e O Caçador de Pipas: quando se poderia fazer um filme com uma produção que remete nas características de filmagem ou atuação dos países que ocorreram os fatos descritos, caminha-se para o cinemão quadrado e que força ao tentar agradar o público comercial. Então o básico é definido em pequenos takes. A personalidade dos personagens - geralmente suavizadas -, os comentários didáticos, os dramas focados em paternidade, amor como base, superação física e emocional, e por aí adiante. Caminho da Liberdade tem todos esses clichês sinalizados sem aprofundamento, mas que saem melhor do que nos outros filmes citados.
Os méritos da produção ter se saído melhor do que deveria, são do diretor Peter Weir, que já haviamostrado competência em O Show de Truman e Mestre dos Mares. Sua peculiaridade em contar histórias diferentes, sempre trazem alguma questão de fácil identificação ao grande público, mas geralmente falham quando espera-se do roteiro algo mais. E Caminho da Liberdade tinha fôlego para ser um ótimo filme. O elenco é de qualidade assim como a maquiagem, direção de arte e trilha sonora; as locações são um espetáculo à parte, e a base da história é sempre interessante, ainda mais quando mostrada de uma ótica diferente. No entanto, se o roteiro tinha seus problemas de veracidade quando se vende como realidade, bastava a trama focar em outras questões, mais humanas e éticas que seria mais fácil sua identificação. Aqui a paisagem acaba assumindo o lugar desses buracos, sem sucesso.

Mas se faltou palavras para o roteiro, sobrou uma bela jornada, e sem dúvidas, umas das melhores aventuras feitas por Hollywood.

Trailer:



junho 10, 2011

Novidades: de musical e comédias à novos mistérios e dramas, saiba tudo sobre os seriados que estreiam na próxima temporada!

A lista das principais séries que chegam em setembro

Depois do post anunciando quais séries foram canceladas ou renovadas para a temporada 2011-2012, chegou a hora de saber quais séries vão preencher o espaço deixado por veteranas finalizadas ou simplesmente pelas apostas que não deram certo... O post é exclusivo sobre séries da tv aberta norte-americana, que começa a chamada fall season em setembro, nas redes de tv ABC, CBS, NBC e CW. Confira!


Pra começar, as novidades da CBS, conhecida por seus programas policiais como as três franquias de CIS e as duas de NCIS, além de ser o canal mais popular dos Estados Unidos.

Séries Canceladas: $#*! My Dad Says, The Defenders, Criminal Minds: Suspect Behavior e Mad Love.
Séries Renovadas: Two and a Half Men, The Big Bang Theory, Mike and Molly, How I Met Your Mother, Rules of Engagment, Blue Bloods, CSI, CSI: Miami, CSI: NY, Havaí 5-0 (remake), NCIS, NCIS: LA, Criminal Minds, The Mentalist e The Good Wife.

Novas Séries:

Two Broke Girls: comédia criada por Michael Patrick King (Sex and the City) e a comediante Whitney Cummings. A série vai fazer parte da grade das segundas, junto com as outras comédias do canal, como a nova versão de Two and a Half Men. A história gira em torno de Kat Denning e a novata Beth Behrs que vão fazer duas meninas de 22 anos sem dinheiro algum em suas carteiras tentando fazer seus sonhos se tornarem realidade na dura Nova York. Fazem parte do elenco: Matthew MoyGarrett MorrisJonathan Kite. Trailer aqui.

Nas terças, após as duas versões de NCSI, entra Unforgettable no lugar de The Good Wife que partiu para os domingos. O drama policial é estrelado por Poppy Montgomery que vive uma ex-detetive da polícia de Nova York com a habilidade especial de se lembrar de tudo - o que pode ser uma bênção para a sua carreira, mas uma maldição para a sua vida pessoal. Para aumentar o drama, seu chefe é seu ex-namorado. Completam o elenco Dylan Walsh, Kevin Rankin e outros. Trailer aqui.



Com CIS indo para às quartas feiras do canal, a CBS aposta em duas séries para enfrentar a guerra de audiência das quintas. Uma delas é How To Be a Gentleman, sitcom que acompanha a relação de amizade entre um refinado escritor e um personal trainer. Na história, Andrew Carlson (David Hornsby) é um colunista que escreve sobre etiqueta, é conservador e avesso a radicalismos. Já Bert Lansing (Kevin Dillon) é um ex-bad boy que Andrew conheceu quando ainda estava na escola.  Dono de uma academia, ele está longe de se preocupar com os bons modos à mesa ou entre grupos de amigos. Mas, quando Andrew é ameaçado por seu editor, Jerry (Dave Foley), de ser despedido caso não inclua em sua coluna algo mais próximo da realidade do homem atual, Andrew contrata Bert para que ele o ensine a ser menos educado e polido. Fazem parte do elenco: Nancy Lenehan, Mary Lynn Rajskub e Rhys Darby. Trailer aqui.

A outra novidade no dia é Person of Interest, suspense com produção executiva, do novo queridinho da tv, J.J. Abrams. A trama é centrada em Reese, um ex-agente da CIA (Jim Caviezel), que foi dado como morto em ação. Recrutado por Finch (Michael Emerson), um bilionário recluso e esquisito, ele passa a lutar contra o crime na cidade de Nova Iorque. Finch desenvolveu um programa de computador capaz de identificar pessoas que estão prestes a cometer um crime violento. Assim, os dois agem à margem da lei para tentar evitar que um crime aconteça. Fazem parte do elenco, Taraji P. Henson e Kevin Chapman. Trailer aqui.

Nas sextas-feiras, a única novidade vem pra preencher o vazio de temática espiritual deixado por Medium. Trata-se do drama A Gifted Man. A trama explora o tema sobre a vida após a morte e os verdadeiros valores da nossa existência.  Na história, Michael Holt (Patrick Wilson) é um cirurgião, obcecado por seu trabalho. Dedicado a seus pacientes de classe alta, Michael é bem materialista. Mas sua vida sofre uma reviravolta quando sua ex-esposa, Anna (Jennifer Ehle), uma médica com ideologias opostas às deles, reaparece em sua vida. O problema é que Anna já morreu. Ela começa a ajudá-lo a mudar sua vida, antes que ele mesmo morra. Ele então começa a dar continuidade ao trabalho que ela vinha desenvolvendo, fazendo atendimento gratuito em uma clínica. Fazem parte do elenco: Julie Benz, Liam Aiken, Margo Martindale e Afton Williamson. Trailer aqui.


A rede ABC também mostrou suas novidades, que são bem mais variadas e com destaque nos dramas familiares

Séries Canceladas: Betther With You, Brothers & Sisters, Detroit 1-8-7, Mr. Sunshine, No Ordinary Family, Off the Map e V.
Séries Renovadas: Body of Proof, Desperate Housewives, Happy Endings, Castle, Cougar Town, Grey’s Anatomy, The Middle, Modern Family e Private Practice.

Novas Séries:

Sem novidades na grade das segundas, a vida nova da ABC começa na terça com a comédia Last Man Standing, série criada por Jack Burditt, produtor de Frasier e 30 Rock. Na história, Tim (Tim Allen) é o típico homem de família, ‘rei do pedaço’, que de repente vê seu mundo dominado pelas  mulheres que o cercam. Trabalhando em uma empresa de demolição, Tim dirige um caminhão e bebe cerveja com os amigos antes de ir para casa, se reunir com a família. Mas sua vidinha sossegada está para acabar. As mulheres da casa começam a tomar controle da situação. Vanessa (Nancy Travis) sua esposa, que desistiu de ser uma simples dona de casa, foi promovida. Ela agora é Vice-Presidente da empresa em que trabalha. Sua filha de 22 anos, Kristin (Alexandra Krosney), não tem mais tempo para ele. Ele também perde o controle de suas duas filhas menores: Mandy (Molly Ephraim) e Eve (Kaitlyn Dever). Fazem parte do elenco, Hector Elizondo e Shirley Rumiek. Trailer aqui.


Na mesma terça, o público conhecerá Man Up, comédia - no melhor estilo Modern Family -, que acompanha os altos e baixos da vida de três homens, que tentam descobrir quem realmente são e como liberar ‘o verdadeiro homem que existe dentro deles’. O primeiro é Will (Mather Zickel), casado com Theresa (Teri Polo), uma ‘super mãe’ que não desgruda do Facebook. O casal tem um filho, Nathan (Jake Johnson), de 13 anos. Will, um sujeito sensível, que adora seu Playstation 3, trabalha como vendedor de seguros. O segundo é Craig (Christopher Moynihan), solteiro, que ainda é apaixonado pela ex-namorada, dos tempos da faculdade. O terceiro é Kenny (Dan Fogler), irmão de Theresa, que precisa superar o fato de que sua ex-esposa Bridgette (Amanda Detmer) já está envolvida com outro homem, Grant (Henry Simmons) conhecido pelo apelido de “barracuda”. Trailer aqui.

Na quarta feira, entra no ar, Suburgatory, com uma clara intenção de substituir Desperate Housewives, fazendo humor negro com plano de fundo, os subúrbios americanos. Na história, George (Jeremy Sisto), um homem abandonado pela esposa, é pai de Tessa (Jane Levy), uma jovem de 16 anos. Cuidando sozinho da filha, esse homem super protetor se apavora quando descobre uma caixa de preservativos escondida na mesa de cabeceira de Tessa. Assim, ele toma a única decisão cabível para solucionar esse problema inesperado: muda-se com a filha para os subúrbios. Para desespero de Tessa, que de repente se vê afastada dos amigos e da vida que levava em Nova Iorque, o subúrbio é sinônimo de purgatório (daí o título da série). O local está ‘infestado’ de mães ‘plastificadas’ e que se empanturram de energéticos. Os novos vizinhos são: Noah Werner (Alan Tudyk); Dallas Royce (Cheryl Hines) e sua filha Dalia (Carly Chaikin). Fazem parte do elenco ainda, Allie Grant e Ana Gasteyer. Trailer aqui.

Mas o novelão mesmo ficou por conta de Revenge, que promete ser a substituta à altura de Brothers & Sisters - inclusive com uma das ex-protagonistas. A história traz a trama de O Conde de Monte Cristo para o tempo presente, e com protagonista feminina. Na história, Amanda Clarke (Emily VanCamp) chega na comunidade de Hamptons utilizando o nome de Emily Thorn. Seu objetivo é vingar sua família, destruída pelos Graysons. Para tanto, ela conta com o apoio de um milionário (Gabriel Mann); e de sua melhor amiga, Kelley (Ashley Madekwe), que trabalha para os Graysons. A tal família é encabeçada por Victoria (Madeleine Stowe) e seu marido Conrad (Henry Czerny). Teria sido ela a responsável pela destruição de Kevin Clarke, pai de Amanda. Além de ter entregue a menina para uma casa de adoção. Emily se envolve com Daniel Grayson (Joshua Bowman), filho de Victoria, de quem fica noiva - como parte do plano. No elenco também estão Connor Paolo, Nick Wechsler e Christa B. Allen. Trailer aqui.

As quintas feiras, junto das tradicionais séries médicas, Grey's Anatomy e Private Practice, a aposta da ABC é no remake do clássico As Panteras, que virou cult e ganhou versões cinematográficas de grande sucesso comercial. No remake as detetives Kate, Abby e Marisa são vividas por Annie Ilonzeh, Rachael Taylor e Minka Kelly. Ramon Rodriguez faz o novo Bosley. A série tem produção da Sony Pictures TV e da Flower Films de Drew Barrymore. O roteiro do piloto foi escrito por Alfred Gough e Miles Millar, dupla de Smallville. Trailer aqui.

Sem novidades na sexta feira, a grade vem com duas estreias no domingo. A primeira delas é a ousada Once Upon a Time, produção que explora a fantasia. Na história, a Rainha Má da Branca de Neve coloca um feitiço nos habitantes da cidade Storybrook, no interior do Maine, o que faz com que eles se esqueçam que são personagens de contos de fadas. Entre eles, Branca de Neve e seu Príncipe Encantado que, tentando livrar Emma, sua única filha, do poder da Rainha, entregou a menina para adoção. Agora, a Rainha Má é a prefeita de Storybrook, conhecida pelo nome de Regina (Lana Parrilla). Seu principal objetivo é destruir a Irmã Mary Margaret (Ginnifer Goodwin), na verdade Branca de Neve, que não sabe ser casada com John Doe, seu Príncipe Encantado (Josh Dallas). Decidida a se defender de Regina, Margaret pede ajuda ao senhor Gold, na verdade Rumplestiltskin (Robert Carlyle), um especialista em magia negra. Enquanto isso,  Henry (Jared Gilmore), filho adotivo de Regina, tenta localizar Emma Swan (Jennifer Morrison), sua mãe biológica, para que juntos possam anular o feitiço que a Prefeita lançou sobre os habitantes de Storybrook. No elenco também estão Raphael Sbarge e Jamie Dornan. Trailer aqui.

A última da fall season a estrear, é Pan Am, seguindo os moldes de Mad Men e Playboy, que se passam nos anos 60. A história começa em 1963, trazendo a história de pilotos e aeromoças que trabalham para a Pan Am (Pan American World Airways), empresa que operou entre os anos de 1921 e 1991, quando faliu. A história tem como referência as experiências vividas pela produtora Nancy Ganis que, ao longo de 30 anos, trabalhou como aeromoça na empresa. Os personagens são: Dean (Jonah Lotan), piloto carismático e confiante, que recém se tornou capitão e mantém uma relação com Bridget (Annabelle Wallis), uma das aeromoças da empresa; Ted (Michael Mosley), co-piloto, sujeito simpático sempre pronto para aprontar alguma brincadeira; as aeromoças: Laura (Margot Robbie), que teve seu rosto estampado na capa da revista Life quando a publicação fez matéria sobre a empresa; Maggie (Cristina Ricci), jovem que no trabalho é eficiente e atenciosa e na vida pessoal adora a boemia, os beatniks e a cultura do Greenwich Village; Collette (Karine Vanasse), jovem francesa, apaixonada por um dos passageiros frequentes, com quem acredita que conseguirá arranjar um bom casamento; Kate (Kelli Garner), irmã mais nova de Laura, fala três idiomas e trabalha como aeromoça para acobertar sua verdadeira atividade: espiã do governo. Trailer aqui.

Midseason - ABC (2012)

Para estrear apenas em 2012, o canal preparou vária opções - o que significa temporadas curtas nas dois períodos, com média de 13 episódios cada uma.

Apartament 23 - O título inicial era Don’t Trust the Bitch in Apt. 23, mas por motivos óbvios, a ABC resumiu e retirou o 'palavrão' do título. A trama é descrita como uma comédia subversiva, mas a sinopse tem cara de drama, e daqueles pesados. Narra a história de June (Dreama Walker), que se muda para Manhattan em busca de seus sonhos: se realizar profissionalmente e morar no apartamento perfeito. Para tanto, se matricula em uma escola que oferece ensino e hospedagem. Mas, nem tudo sai como ela planejou. A escola era um engodo. Assim, June vai trabalhar em uma cafeteria onde conhece Chloe (Krysten Ritter), com quem passa a dividir o apartamento. Logo June descobre que Chloe é a última pessoa em quem pode confiar. Sem limites ou moral, ela consegue engabelar June, roubando todas suas economias. E quando Stephen (Tate Ellinghton), o noivo de June, aparece para uma visita, ela o leva direto para a cama. Essas experiências fazem June  perceber que, para sobreviver em uma cidade como Nova Iorque, terá que se manter sempre alerta e pronta para revidar sempre que necessário. No elenco também estão: Michael Blaiklock, Eric Andre e James Van Der Beek, sim, o eterno Dawson de Dawson’s Creek. Trailer.

Good Christian Belles - Esta dramédia é mais uma que vai seguir a trilha de Desperate Housewives no canal. A trama gira em torno de Amanda (Leslie Bibb), que após passar por um divórcio escandaloso decide voltar a morar com seus filhos nos subúrbios de Dallas, onde ela cresceu. Mas Amanda foi uma das ‘meninas más’ do colégio, incomodando e aterrorizando as boas samaritanas. Ao voltar para casa, descobre que o local é dominado por suas ex-vítimas, que agem como uma ‘máfia’, dominando, aterrorizando e manipulando as pessoas com sua rede de intrigas, conspirações e fofocas. Liderando o grupo das vizinhas está Darlene (Kristin Chenoweth), que representa a ‘rainha mãe’. Manipuladora, ela frequenta a igreja e sabe de cor as escrituras, mas isso não a impede de desobedecer os dez mandamentos quando necessário. Tendo sofrido as agressões de Amanda quando estava no colégio, Darlene está decidida a ‘perdoá-la’. O marido de Darlene é Ripp Cockburn (David James Elliott), que está no ramo de petróleo e era amigo do ex-marido de Amanda. As demais integrantes do grupo são:  Jennifer Aspen, Marisol Nichols e Miriam Shor. Ainda no elenco está Mark Deklin. A série tem causado polêmica pelo nome que, de acordo com um grupo cristão, ofende a moral das mulheres cristãs. Veja o trailer.

The River - Drama que se passa na Amazônia, nossa querida floresta, que dizem que os americanos defendem ser do planeta inteiro. A história é sobre Emmet Cole (Bruce Greenwood), apresentador de um programa de aventuras, e sua equipe, que se perde na floresta Amazônica. Seis meses depois, sua esposa, Tess Cole (Leslie Hope), produtora do programa, descobre que ele ainda pode estar vivo. Assim, ela obriga seu filho Lincoln (Joe Anderson) a largar a faculdade de medicina para ajudá-la a localizá-lo. Relutante, Lincoln assume a responsabilidade de liderar o grupo de resgate que, além de sua mãe, também é composto por: Lena Landry (Eloise Mumford), piloto de helicóptero, filha do cameraman que fazia parte da equipe de Emmet; Adjay Chandrasekaran (Shaun Parkes) cameraman que tem a missão de documentar a expedição; Clark Quitely (Paul Blackthorne), produtor do documentário; Capitão Reese Byrne (Thomas Kretschmann), ex-militar, responsável pela segurança do grupo;  Jahel Valenzuela (Paulina Gaitan) e seu pai Emilio (Daniel Zacapa), ambos responsáveis pela parte mecânica do barco S.S. Hopewell. Emilio era um dos membros da equipe de Emmet, que conseguiu retornar e entrar em contato com Tess. Jeff Galfer também está no elenco. Dá pra sentir um clima meio Lost no ar. Trailer.

Scandal -  O novo projeto de Shonda Rhimes, criadora do sucesso Grey’s Anatomy, já mudou de título quatro vezes. A história tem como base a vida de Judy Smith, uma Relações Públicas. Divulgada como uma série com narrativa procedimental. A trama apresenta um grupo disfuncional  que tem a função de mediar as crises empresariais e políticas de seus clientes. A Price & Associates é uma firma composta por advogados e investigadores chamados para resolver situações que precisam ficar longe da mídia e da curiosidade do público. Olivia Price (Kerry Washington) é a chefe da equipe formada por Harrison Jones  (Columbus Short), Quinn Rielly (Katie Lowes), Stephen (Henry Ian Cusick), Abby (Darby Stanchfield) e Huck (Guillermo Diaz), um hacker. No elenco também estão: Tony Goldwyn, Jeff Perry. Trailer.


Work It - Momento transformista do post. Explico, a série vai se basear no velho truque de homens se vestindo de mulher e assim arrancar risadas - ou pelo menos tentar. Na história, Lee Standish (Ben Koldyke), é um vendedor de carros desempregado, que está disposto a fazer qualquer coisa para conseguir um emprego e garantir o sustento de sua família. Sua esposa, Connie (Betty Lacke), é quem paga as contas mas, com seu salário de enfermeira, ela não ganha o suficiente para garantir uma vida confortável. Em especial os luxos exigidos pela filha do casal, Kat (Kacie Lynch). Seu melhor amigo, Angel (Amaury Nolasco), encontra-se na mesma situação. Os dois trabalhavam na mesma revendedora quando foram dispensados. Com dificuldade de encontrar, eles ficam numa encurralada. Até que a dupla descobre outra opção. A Fleming Pharmaceutical Company está contratando novos funcionários. O problema é que as vagas são oferecidas especialmente para mulheres. Assim, Lee apela para o guarda-roupa da esposa e, vestido de mulher, candidata-se a uma vaga. Ele/ela causa tamanha impressão que consegue ser contratado e ainda indicar Angel para a outra vaga. Recebendo ordens de Vanessa Warner (Rochelle Aytes), uma mulher totalmente dedicada ao trabalho, a dupla precisa aprender rapidamente a nova função e evitar que as pessoas descubram que eles são, na verdade, homens desesperados. Entre seus colegas de trabalho estão Grace Hudson (Rebecca Mader), a ‘cobrinha do escritório’; a vulnerável Kristin (Kristin Eggers); e a esfuziante e sempre alegre Kelly (Kate Reinders). John Carapulo também faz parte do elenco. Veja trailer.


A próxima emissora é a FOX, líder absoluta na audiência qualificada por sete anos consecutivos

Séries canceladas: The Chicago Code, Human Target, Lie to Me e Traffic Light.
Séries Renovadas: House, Glee, Raising Hope, Bones, Fringe, The Cleveland Show, Os Simpsons, Uma Família da Pesada, American Dad e Bob’s Burgers.

Novas Séries:

A Fox é ousada. E nas noites da segundas, preparou para antes da tradicional House, a série incógnita da temporada: Terra Nova. Apoiando-se no nome de Steven Spielberg, o canal apostou caro, fechando uma produção de 13 episódios, sem esperar pelo piloto, como é o normal. O projeto é uma parceria de Spielberg com Peter Chernin e Brannon Braga, da franquia de Jornada nas Estrelas e de FlashForward. A sinopse é a seguinte: No ano de 2149 D.C. a Terra está a caminho da destruição. Buscando uma forma de salvar a humanidade, um grupo de cientistas consegue abrir uma fissura no tempo e no espaço contínuo, criando um portal para o passado do planeta. Voltando no tempo, a humanidade poderá ser salva e até corrigir os erros que foram cometidos. Entre os primeiros colonos a fazerem a viagem no tempo está a família Shannon e o Comandante Frank Taylor. O grupo atravessa o portal chegando na era  pré-histórica onde passará a viver em um ambiente quase hostil cercado por dinossauros. Mas, sem que saibam, nessa época, o planeta está ameaçado de destruição por forças ‘alienígenas’. Fazem parte do elenco, Jason O’Mara, Shelley Conn, Stephen Lang, Landon Liboiron, Allison Miller, Naomi Scott e Alana Mansour, entre outros. Confira o trailer.

Nas terças, a novidade fica por conta de The New Girl sitcom estrelado por Zooey Deschanel, conhecida por seu papel no filme 500 Dias com ela, além de ser cantora. A série deve se beneficiar da boa audiência de Glee, que é exibida antes. Na história, ela interpreta Jessica Day, uma professora do interior que, após o fim de uma relação, muda-se para Nova Iorque onde passa a dividir um apartamento com três homens. Eles são: Schmidt (Max Greenfield), que adora uma boa cerveja; Coach (Damons Wayans Jr.) , um treinador que está fora de forma, e Nick (Jake M. Johnson), um garçom. A atriz Hannah Simone também está no elenco, interpretando Cece Meyers, amiga de Jessica. Veja o trailer.

Após a versão americana para o reality de grande sucesso no Reino Unido, X Factor, a FOX preparou uma comédia para essas quartas-feiras. Trata-se do sticom I Hate My Teenage Daughter. Na trama, Annie Watson (Jaime Pressly) e Nikki Miller (Katie Finneran) são duas mulheres que, quando adolescentes, foram vítimas de bulling por suas colegas de escola, Com o tempo, elas aprenderam a odiar esse tipo de gente e o que elas representam. Mas, para desgosto e surpresa, descobrem que suas respectivas filhas pertencem ao grupo de alunas que costumam agredir suas colegas. Daí o título: eu odeio minha filha adolescente. Annie é mãe de Sophie (Kristi Lauren), e está divorciada de Matt (Eric Sheffer Stevens), que não sabe como ser pai de uma adolescente, ela agora está envolvida com Jack (Kevin Rahm), irmão de seu ex, que representa a figura paterna que Sophie precisa. Nikki, uma ex-adolescente obesa, é mãe de Mackenzie (Aisha Dee), e divorciada de Gary (Chad Coleman), um afro-americano, da qual, mantém uma difícil relação com a jovem. Trailer.

Aos domingos, o canal segue sua aposta em séries animadas voltadas para o público adulto. Nesta fall season entra no ar Allen Gregory. A história gira em torno de um garoto de sete anos considerado um gênio, mas que é obrigado a frequentar a escola como uma pessoa normal.Veja o trailer.


Midseason - FOX (2012)

Alcatraz - As poucas novidades da emissora, não são a toa. Outra grande aposta do canal pode ser um fiasco que custará caro se não for bem recebido. No lugar de Terra Nova, entra Alcatraz. Criada por Steven  Lilien, Bryan Wynbrandt e Elizabeth Sarnoff, e com produção de JJ Abrams, a mente por trás de Lost e Fringe, o projeto narra a história de investigações em torno de misteriosas ocorrências na ilha de Alcatraz, localizada na área de São Francisco. Há cerca de 50 anos, um grupo composto por prisioneiros e guardas desaparece da ilha sem deixar pistas. Sem mais nem menos, essas pessoas reaparecem no tempo presente. Quando a detetive Rebecca Madsen (Sarah Jones) do departamento de polícia de São Francisco é encarregada de investigar um caso de homicídio, ela descobre que as digitais encontradas pertencem a Jack Sylvane (Jeffrey Pierce), que foi prisioneiro de Alcatraz, na época em que Edwin James (Jonny Coyne) e E.B. Tiller (Jason Butler Harner), comandavam a prisão. O problema é que Sylvane foi dado como morto há décadas atrás. O FBI, sob as ordens de Emerson Hauser (Sam Neill), interrompe as investigações da policial, assumindo o comando do caso. Então, Sarah decide contactar o Dr. Diego Soto (Jorge Garcia), um expert na história de Alcatraz, para tentar descobrir o que está acontecendo. Os dois confirmam que Sylvane está vivo, solto em algum lugar de São Francisco, sem ter envelhecido um único dia. Assim, Sarah e o Dr. Soto se unem ao agente Hauser e sua técnica de laboratório, Lucy Barnejee (Parminder Nagra), para tentar localizar e prender Sylvane que está deixando para trás dezenas de corpos. Mas ele não é o único prisioneiro de Alcatraz que reapareceu no tempo presente. Existem outros que também representam uma ameaça. No elenco também estão Robert Forster e Santiago Cabrera. A série é vista como provável substituta de Fringe se conseguir vingar na audiência. Trailer.

Touch - Estrelada por Kiefer Sutherland, o seriado nem sequer começou ser filmado, ou possui algum dia de exibição, porém é prometido para 2012. A premissa é sobre o fato que estamos todos, de alguma forma, interligados àquelas pessoas cujas vidas estamos destinadas a mudar (ou causar algum tipo de impacto), propondo-se a cruzar ciência com espiritualidade. A história apresenta diversos personagens que se encontrarão ao longo da trama. Um ex-bombeiro, que ainda não se perdoa pelo fato de não ter conseguido salvar uma mulher; um adolescente iraquiano que se arrisca para salvar sua família; um cantor que ao se apresentar em um bar de karaokê salva centenas de vidas que estão há milhas de distância; e um empresário britânico, que tenta recuperar uma importante mensagem que estava em seu celular, o qual ele perdeu. Kiefer Sutherland interpreta Martin Bohm, um viúvo, pai de Jake, um garoto de dez anos que é autista e mudo. Sem demonstrar emoções ou permitir que alguém toque nele, Jake é incapaz de se comunicar, passando os dias desmontando celulares. Depois de várias tentativas de manter Jake em uma escola, a situação de Martin e seu filho passa a ser avaliada por uma assistente social, Clea Hopkins, uma novata em sua área. Durante esse período, eles descobrem que Jake é capaz de se comunicar mas através de números e não de palavras. Caberá a Martin decifrar o significado desses números que prevêem o futuro de pessoas que ele nem conhece. Para ajudá-lo, ele conta com o apoio de Boris Podolsky, um velho professor que caiu em descrédito em sua área de atuação. Mesmo com cara de drama, é possível perceber semelhanças com Lost e cia.

Napoleon Dynamite - versão animada de um filme independente de 2004, escrito por Jared e Jerusha Hess, responsáveis pela adaptação. A história, situada em uma comunidade rural do estado de Idaho, gira em torno de Napoleon Dynamite (Jon Heder), um jovem estudante que vive com a avó, seu irmão mais velho Kip e com Tina, sua lhama de estimação. Enquanto Kip, um desempregado, passa horas navegando pela Internet à caça de mulheres, Napoleon passa o dia sonhando com grandes aventuras. Foram encomendados seis episódios para a primeira temporada, que terá produção de Jared, Jerusha e Mike Scully, de Os Simpsons. Trailer.

É aguardado também um spin-off de Bones, The Finder, que só ocorrerá se a audiência se familiarizar com os personagens que entrarão na série. A experiência ocorre na midseason. Os atores Geoff Stults e Michael Clarke Duncan serão os protagonistas. Da mesma forma que Bones foi inspirada na vida da antropologista forense Kathy Reichs, a nova produção tem como base os livros de Richard Greener: The Locator e The Lacey Confession, que acompanham as aventuras de Walter Sherman, especializado em localizar pessoas e objetos desaparecidos. Walter (Stults) é um ex-soldado que sofreu danos cerebrais e agora tem a compulsão de fazer perguntas inapropriadas e ofensivas a qualquer pessoa, mas relevantes para a realização de seu trabalho. Paranóico, Walter teria conhecido Booth (David Boreanaz) quando os dois serviram no Iraque, mas a antipatia teria sido instantânea. Já Brennan (Emily Deschanel), o consideraria um desafio intrigante. Seu companheiro é Leo (Duncan), um sujeito durão e metido a filósofo, que atua como o braço direito de Walter. A dupla Walter e Leo poderá aparecer em dois episódios de Bones antes de iniciar carreira em sua própria série. Trailer.


Um dos canais com mais estreias, no entanto, é a NBC - serão 10 novos programas

Séries Canceladas: Chaos, Chase, The Event, Law & Order: LA, Outsourced, The Paul Reiser Show e Perfect Couples.
Séries Renovadas: Parenthood, Harry’s Law, Law & Order: SVU, Community, 30 Rock, Parks and Recreation, The Office e Chuck, para sua última temporada.

Novas Séries:

O canal abre sua upfront com The Playboy Club às segundas feiras. Trate-se de mais um seriado que se passa nos anos 60, seguindo a trilha do sucesso de Mad Men. A história é situada no ano de 1963, acompanhando a vida daqueles que trabalham em um clube Playboy na cidade de Chicago. O protagonista é Nick Dalton (Eddie Cibrian) , um advogado responsável por um dos clubes mais glamurosos e exclusivos da cidade. Capaz de resolver qualquer problema, Dalton já trabalhou para a família Bianchi, chefiada por Leo, um mafioso com quem Nick mantém conexões. O clube é dirigido por Billy Morton (David Krumholtz), que coloca os negócios à frente de qualquer problema pessoal. Entre as garçonetes que trabalham no clube está Maureen (Amber Heard), recém contratada. Órfã, ela saiu de Fort Wayne, deixando para trás um passado que prefere esquecer, para tentar vida nova em Chicago. Ela logo se torna amiga de Brenda (Naturi Naughton), jovem determinada a se tornar a primeira coelhinha negra a figurar nas páginas centrais da revista. As duas se tornam confidentes, dividindo um quarto no dormitório das coelhinhas. As demais garçonetes são Alice (Jenna Dewan-Tatum), mulher casada, que costuma tomar conta de todos, menos dela mesma; Carol-Lynne (Laura Benanti), a principal coelhinha do clube que percebe que seus dias como ‘rainha’ estão contados; e Janie (Leah Renee), uma sulista que é a alegria da festa, mas esconde algo de seu passado. Fazem parte do elenco ainda, Wes Ramsey e Sean Maher. Trailer.

Às quartas, entra no ar duas séries novas. A primeira delas é a comédia Up All Night, que gira em torno de do casal Reagan (Christina Applegate) e Will (Will Arnett), que são pais de primeira viagem de Amy. Reagan, uma bem sucedida Relações Públicas, é quem mantém sua carreira depois que a filha nasce. Já Will, é o pai e marido que fica em casa em tempo integral. Sem saber nada sobre como cuidar de um bebê, os dois vão aprendendo a solucionar os problemas conforme eles vão acontecendo. Enquanto isso, Reagan precisa equilibrar sua vida familiar com a profissional. No trabalho, ela conta com a amizade Kate (Maya Rudolph), sua chefe; e de Brian (James Pumphrey), seu assistente que, em matéria de encontros, só dá azar. Trailer.

A outra série é Free Agents, baseada em uma série inglesa. A trama conta a história de Alex (Hank Azaria), que trabalha para uma agência de talentos. Vivendo um divórcio conturbado, Alex cai em depressão. Mas sua vida começa a ter um novo sentido quando ele se envolve com Helen (Kathryn Hahn), sua colega de trabalho numa empresa de Relações Públicas. Também vivendo um período depressivo, depois que seu noivo morreu meses antes do casamento, Helen quer curtir sua dor em paz. No entanto, Alex está convencido que os dois foram feitos um para outro, mesmo que ela não acredite nisso. Na agência, os dois trabalham para Stephen (Anthony Head), um sujeito amoral, maníaco sexual, ‘metido a gostoso’, que não vê nenhum problema em se envolver com suas clientes (ou quem quer que seja). Fazem parte do elenco, Mo Mandel, Natasha Leggero e Joe Lo Truglio. Trailer.

Nas noites de quinta, também duas novas séries estreiam. A primeira delas é a comédia romântica, Whitney. A história acompanha os altos e baixos de um casal, formado por Whitney (Cummings) e Alex (Chris D’Elia), que precisa lidar com as dificuldades que surgem no dia a dia. Entre seus amigos estão dois outros casais que têm pontos de vista diferentes sobre como deve ser um relacionamento. Os românticos Lily (Zoe Lister-Jones) e Neal (Maulik Pancholy) acreditam que todo mundo deveria encontrar alguém e se casar; já os divorciados Mark (Daniel G. O’Brien) e Roxanne (Rhea Seehorn) pensam o contrário: ninguém deveria sequer cogitar esta possibilidade. Mas um dos maiores problemas do casal é a mãe de Whitney, Patti Morris (Beverly D’Angelo). Divorciada três vezes, a mulher está mais preocupada com suas próprias necessidades do que com a filha. Trailer.

Logo após, estreia a versão americana de Prime Suspect. A série inglesa foi exibida pelo canal ITV entre 1991 e 2006 e no Brasil, diversos canais exibiram o seriado. Maria Bello foi escolhida para interpretar a detetive de polícia Jane Timoney. Na história, ela assume o cargo de Inspetora chefe da Homicídios de Nova Iorque, um lugar dominado por homens. Sua presença é rechaçada pelos demais colegas, que estão determinados a fazê-la desistir. Mas, ao invés disso, Jane enfrenta o desafio; seguindo seus instintos e apoiando seus colegas, ela vai aos poucos abrindo seu caminho. Entre seus colegas estão o Tenente Comandante Kenny Rowe (Aidan Quinn);  Phil Carter (Kirk Acevedo), Don Korilko (Joe Nieves), Augie Blando (Tim Griffith) e Reg Duffy (Bryan F. O’Byrne), detetives da homicídios. Na vida pessoal, ela mantém um relacionamento com Matt (Toby Stephens, ator que será substituído), homem que constantemente enfrenta a ex-esposa nas decisões relacionadas ao único filho do casal. Trailer.

Sexta feira, o dia conhecido como o que ninguém vê, ficam os seriados que os canais não rejeitam, porque de alguma forma, ainda são ou podem ser relevantes. Fazendo dobradinha com a provável última temporada de Chuck, está Grimm. A história é sobre Nick Burckhardt (David Giuntoli) é um policial da Homicídios que, ao visitar sua tia (Kate Burton), esta revela que ele é descendente de um um grupo de caçadores conhecido como “Grimms”. Sua missão: manter a humanidade a salvo das criaturas do mundo sobrenatural. Assumindo seu destino, Nick descobre que nem todas as criaturas são inimigas. Para ajudá-lo em sua missão, o policial conta com o apoio de Eddie Monroe (Silas Weir Mitchell), um lobo mau reformado, que mantém o controle de seus instintos assassinos com uma rigorosa dieta e exercícios de Pilates. No elenco também estão Russel Hornsby, Sasha Roiz, Bitsie Tulloch, Reggie Lee e Ayanna Berkshire. Trailer.

Midseason NBC (2012)

Em 2012, o canal prepara para os domingos, a série The Firm. Sem informações de elenco e roteiro, a série é uma adaptação do livro de John Grisham publicado em 1991 e transformado em um filme, estrelado por Tom Cruise, em 1993. Segundo o Hollywood Reporter, a série já foi vendida aos canais AXN, do grupo Sony, que exibirá a produção em 125 países. Ainda não há confirmação de que o Brasil esteja incluído nessa lista, mas é bem provável. A história do livro e do filme, estrelado por Cruise e Gene Hackman, com direção de Sidney Pollack, apresenta Mitch McDeere, um advogado que trabalha para uma firma, a qual é acusada pelo FBI de estar envolvida em esquemas de corrupção e assassinatos. Buscando provas que possam condená-los, agentes do FBI tentam convencer Mitch a ajudá-los. A historia é situada dez anos depois dos fatos ocorridos no livro e no filme. Mitch e sua família vivem sob os cuidados do programa de proteção às testemunhas, mas, mesmo assim, descobrem que ainda estão em perigo.

Confirmada às segundas-feiras, Smash, é uma das que promete cantoria na TV, assim como Glee. A trama deve se passar nos bastidores de montagem de um musical da Broadway, desde sua concepção e captação de recursos, passando pela escolha de atores, ensaios, divulgação, encerrando com a noite de estréia. No meio disso, o foco é a relações e intrigas pessoais dos pesonagens envolvidos com a produção, que se utilizam de tramóias e traições. Rotulado como dramédia, a série vai apresentar diferentes personagens com o mesmo objetivo. Eileen (Angelica Huston) e seu marido são dois produtores da Broadway que durante anos trabalharam juntos. No entanto, os dois estão se divorciando e a separação não é amigável, o que pode prejudicar o andamento do novo projeto do casal: um musical sobre a vida de Marilyn Monroe. A despeito dos problemas entre eles, o processo de pré-produção do musical tem início. Derek (Jack Davenport) é contratado para ser o diretor e coreógrafo. Apaixonado pela ideia de um musical sobre Marilyn, Derek parece ser a escolha ideal para o projeto. Mas, tudo indica que ele seja homofóbico, o que o leva a ter uma postura pouco profissional no trabalho, onde está cercado por bailarinos gays. Para compor as músicas, os produtores contratam a dupla Tom (Christian Borle) e Julia (Debra Messing). Ele é gay assumido o que o leva a bater de frente com Derek, com quem já teve problemas há alguns anos atrás. Interessado em seu assistente, Ellis, um heterossexual, Tom é constantemente manipulado por ele. Quanto a Julia, ela e seu marido, Frank (Brian d’Arcy James), passam por um momento difícil na relação. Eles estão tentando adotar o terceiro filho, mas o fato de Julia passar o dia inteiro fora leva Frank a acreditar que esse não é o momento certo para aumentar a família. Entre as candidatas ao papel principal está Karen (Katharine McPhee), uma jovem atriz que precisa trabalhar como garçonete e Ivy (Meggan Hilty), amiga de Tom, que é muito experiente, mas vê a idade, 30 anos, se tornar um empecilho. Trailer.

Outra série aprovada para o início do ano que vem, é Are You There, Vodka? It’s Me, Chelsea. O programa é uma adaptação do bestseller autobiográfico da comediante Chelsea Handler publicado em 2008.O sitcom tradicional, que tem aquelas risadas, conta a história de Chelsea Hanson (Laura Prepon), uma jovem que trabalha como garçonete em um bar esportivo. Sua vida é regada a álcool e sexo. Chelsea puxou ao pai, Melvin (Lenny Clarke), um homem que nunca impôs limites para sua vida. Já Sloane (interpretada pela autora do livro), sua irmã mais velha, é uma jovem renascida em Cristo, que critica seu comportamento. Chelsea vive em um apartamento com as amigas Dee Dee (Lauren Lapkus) e Ivory (Natalie Morales), que trabalha em uma agência de marketing. No bar trabalham Shoniqua (Angel Laketa Moore), braço direito de Jerry Ragusa, dono do bar, que tem um interesse especial por Chelsea; tem também Mark (Jo Koy), o bartender, e seu assistente Todd (Mark Povinelli). O título seria um trocadilho. Para Chelsea, seu Deus é a Vodka, desta forma, a frase “Você está aí Vodka? Sou eu, Chelsea”, significaria “Você está aí Deus? Sou eu, Chelsea”. Trailer.

Descrita como a versão de A Origem para a TV, Awake, traz uma história de ficção científica que narra a vida de um personagem vivendo entre dois mundos. A trama é centralizada no detetive Mark Britten (Jason Isaacs) que sofre um acidente. Ao acordar, descobre que está vivendo em duas realidades diferentes ao mesmo tempo. Em uma delas, o acidente matou seu filho, Rex (Dylan Minnette). Na outra, sua esposa Hannah (Laura Allen). Britten também tem parceiros diferentes em cada realidade. Em uma delas, ele trabalha com o Detetive Richard Vega (Wilmer Valderrama), um jovem com pouca experiência mas muito sociável. Na outra, ele trabalha com Isaiah “Bird” Freeman (Steve Harris), um detetive da polícia veterano, homem cínico e irônico, que existe na realidade na qual Hannah ainda está viva. Fazem parte do elenco, BD Wong, Cherry Jones e Michaela McManus. Trailer.

Best Friends Forever, ou BFF, gira em torno de Jessica, uma mulher (Jessica St. Clair) que, após se separar do marido, precisa de um lugar para ficar. Então, ela decide voltar a morar com sua melhor amiga, Lennon (Lennon Parham), que vive em outra cidade. As duas voltam a compartilhar dos mesmos hábitos e rotina que tinham antes, quando ainda moravam juntas, o que não agrada Joe (Adam Pally, ator que pode ser substituído, pois sua série Happy Endings foi renovada), o namorado de Lennon, que também vive com ela. Tentando equilibrar a situação, Lennon busca uma forma de manter a convivência entre os três agradável. Enquanto isso, Jessica enfrenta as investidas do amigo Rav (Stephen Schneider), que há muito tempo é apaixonado por ela. No elenco também está Mike Starr. Trailer.

Por último, Bent, sitcom trará Amanda Peet e Jeffrey Tambor de volta à TV. A comédia romântica, tem como trama Alex Meyers (Amanda) é uma advogada divorciada, mãe de Frankie (Joey King), uma menina de oito anos. Tendo se mudado para uma nova casa, Alex contrata Pete Riggins (David Walton) para reformar sua cozinha. Esse ex-jogador e ‘mulherengo’ que não deu certo na vida, acaba atraindo a atenção de Alex, que luta para não se apaixonar por ele. Em meio a esse clima, Alex recebe conselhos de sua irmã Screwsie (Margo Harshman), uma chef que procura manter a mente e o espírito aberto para as alegrias da vida, embora nem sempre consiga. Por outro lado, Pete tem outros problemas com os quais se preocupar, além da cozinha de Alex. Seu pai, James Riggins (Jeffrey), que vive com ele, se transformou em um peso que ele tem que, literalmente, carregar para cima e para baixo. James é um ex-ator que luta para resgatar sua carreira e sua juventude. Mas já não está condições de realizar tarefas de rotina. Até para fazer testes ele precisa da ajuda do filho, que larga tudo para levá-lo de carro aos lugares das reuniões. Trailer.

Por último e menos importante, tem as séries da CW

O canal teve apenas um grande lançamento nos últimos anos, que foi a série de vampiros The Vampire Diaries, cancelou Hellcats, guardou a temporada final de One Tree Hill para 2012, mas traz três apostas para a nova temporada!

Série Cancelada: Hellcats
Séries Renovadas: 90210, Gossip Girl, The Vampire Diaries, Supernatural, Nikita e One Tree Hill.

Novas Séries:

Com assinatura do famoso criador de The OC, Gossip Girl e Chuck, Josh Schwartz produz a dramédia Hart of Dixie. A trama gira em torno de Zoe Hart (Rachel Bilson), uma jovem médica novaiorquina. Depois de perder uma promoção em um importante hospital de Manhattan, e ver seu noivo trocá-la por sua melhor amiga, Zoe decide mudar-se para BlueBell, Alabama, no Sul dos EUA, onde um amigo lhe ofereceu um emprego. No entanto, ao chegar na cidade, descobre que o amigo morreu, deixando para ela parte de uma sociedade em uma clínica. Zoe decide se estabelecer no local e exercer sua profissão. No entanto, enfrenta a oposição de seu sócio, Brick Breeland, o único médico da cidade, que não aceita sua presença.
Entre os moradores com quem trava conhecimento estão Wade Kinsella (Wilson Bethel), seu vizinho, um jovem músico que toca em uma banda; Lemon Breeland (Jaime King), uma jovem da sociedade local que se dedica a manter viva a história e a tradição da região; George Tucker (Scott Porter), um advogado, noivo de Lemon; Lavon Hayes (Cress Williams), o prefeito da cidade, ex-jogador de futebol, que empresta uma de suas casas para Zoe morar. Trailer.

A mais aguardada estreia nas terças do canal. Ringer, que primeiro foi oferecida para a CBS, é uma produção dos criadores de Supernatural, e marca o retorno da eterna Buffy, Sarah Michelle Gellar, ao mundo das séries. Na história, Sarah interpreta as gêmeas Bridget Cafferty e Siobhan Marx. A primeira é uma stripper de um clube que pertence à máfia local. Ao presenciar um assassinato, ela se torna testemunha chave no processo que é instaurado contra um dos chefões. Na manhã do julgamento, Bridget foge, o que leva Victor Machado (Nestor Carbonell), agente do FBI responsável pelo caso, a tentar localizá-la. Enquanto isso, temporariamente livre, o chefe da máfia coloca a cabeça de Bridget a prêmio. Ela decide se esconder na casa de sua irmã, Siobhan, que vive na comunidade de Hamptons. Casada com Andrew (Ioan Gruffudd), um bem sucedido homem de negócios que está sempre viajando, Siobhan não tem uma vida feliz. Afastada de Bridget há anos, ela sequer contou a alguém que tinha uma irmã gêmea. A reunião familiar ocorre em um barco e conclui com o desaparecimento de Siobhan, que aparentemente caiu na água durante a noite. Bridget, então, é confundida com sua irmã, o que a leva a assumir sua identidade. Mas ela logo descobre que Siobhan não tinha uma vida perfeita. Além de ter como amante o marido de sua melhor amiga, ela também tem sua cabeça a prêmio. O amante de Siobhan é Henry (Kristoffer Polaha), um escritor frustrado, casado com Gemma (Tara Summers), com quem tem filhos gêmeos. Faz parte do elenco, Mike Colter.Trailer.

The Secret Circle - Adaptado da obra de L.J. Smith, que também é autora de The Vampire Diaries. Na história, Cassie (Britt Robertson) se muda da Califórnia para New Salem, no Maine, para cuidar de sua avó, Jane (Ashley Crow), que está doente. Na cidade natal de sua mãe, Amelia Blake (Emily Holmes), Cassie descobre pertencer a uma longa linhagem de bruxas. Logo ela passa a fazer parte de uma sociedade secreta chamada ‘The Club’, liderada por Diana (Shelley Henning). Diana é filha de Thomas Meade (Garold Harold) que, junto com Amelia e Ethan (Adam Harrignton) também foi membro de uma sociedade quando era adolescente. Ethan é pai de Adam (Thomas Dekker), que agora faz parte do grupo mantido por Diana. Entre os demais membros estão: Melissa (Jessica Parker Kennedy), que não vê com bons olhos a chegada de Cassie; Nick Armstrong (Louis Hunter), vizinho de Cassie e namorado de Faye Chamberlain (Phoebe Tonkin) que, além de também ser membro do grupo, é filha de Dawn (Natasha Henstridge), vice-diretora da escola, que foi amiga de Amelia. Aprendendo a dominar seus poderes, Cassie se vê em meio a uma batalha entre o bem e o mal, que vêm dominando New Salem há 300 anos. Trailer.

Fonte: Nova Temporada