setembro 05, 2012

'The Good Wife' termina temporada estável com seu "super-time"

Seriado deve grande qualidade aos seus personagens principais, coadjuvantes e até as participações especiais


Foi ao ar, na última terça-feira (04) o episódio final da terceira temporada do drama The Good Wife, exibido pelo Universal Channel. E nesses 22 episódios, a série de Direito conseguiu manter a qualidade das outras duas temporadas, sem deixar a peteca cair nenhuma vez sequer. E o melhor, ela finalizou não apenas focando na história da protagonista, e sim homenageando todos ao redor, o grande time que tanto equilibra o seriado elogiado pela crítica (mais uma vez indicado ao Emmy - a única série da TV aberta entre os finalistas) e audiência (o seriado agora é exibido aos domingos nos EUA).

A história segue a jornada de Alicia Florrick (Julianna Margulies), a famosa mulher do promotor Peter Florrick (Chris Noth), que foi exposta publicamente após a traição escandalosa do marido que concorria ao gabinete do governo. Depois do constrangimento envolvendo de prostitutas até sua melhor amiga e colega de trabalho Kalinda (Archie Panjabi), Alicia se vê precisando recomeçar a vida e deixar de ser "boazinha". Entretanto, sempre em seu caminho suas relações pessoais surgem ditando os caminhos tanto no trabalho quanto na sua vida.

Nesta temporada, Alicia se viu novamente exposta quanto seu novo caso amoroso, ainda sem se separar legalmente de Peter, com Will Gardner (Josh Charles) - seu colega de trabalho - foi acusado de subornar juízes. Desta forma, ela foi investigada e obrigada a "admitir" o caso. Enquanto isso, o grande elenco teve suas histórias contadas, como  Eli Gold (Alan Cumming), assessor de Peter, que agora trabalha no mesmo escritório de Alicia; Cary Argos (Matt Czuchry), que era da promotoria junto com Peter e agora voltou para o escritório; Kalinda e seu passado nebuloso que promete ser a arrancada para a próxima temporada - além de ter feito as pazes com Alicia; Diane Lockhart (Christine Baranski), chefona do escritório, que teve de lidar com seu triângulo amoroso e os vários problemas de ego entre os sócios; Will e seus problemas legais com a justiça - conhecemos até sua família nesse momento de suspensão como advogado; a família de Alicia em total falta de sintonia; entre outros.

Foi uma temporada estável e ainda mais equilibrada, e o tom sarcástico dado ao último episódio mostrou que The Good Wife é mais do que Alicia Florrick e seu drama pessoal, mas sim todos personagens ao redor, que tanto divertem a audiência. Aqueles personagens que surgem em apenas um episódio por temporada (Michael J. Fox faz um trabalho de primeira), mas acrescentam um tempero essencial para balançar a trama. É mais que uma série de casos do dia (todos quase sempre intrigantes e imprevisíveis), e sim uma série sobre o jogo de poder movido por regras e mais regras. Mas a boa esposa, não quer fazer parte desse jogo, e deixa seu emocional afetar seus casos e sua vida pessoal - esta sim ainda mais complicada já que não existe um protocolo à seguir. Continua imperdível.