setembro 29, 2011

'True Blood' recomeça quase do zero e faz temporada regular

"Zumbis são os novos vampiros"... Será?


Pra começar a falar dessa quarta temporada de True Blood, que terminou no último domingo na HBO Brasil, é preciso levar em consideração que o seriado não é mais o mesmo que nas duas primeiras temporadas mostrou uma qualidade excepcional no roteiro intrigante, movimentado e original. A terceira temporada do seriado perdeu ritmo e já não sustentava mais na característica de novidade. Então se deu uma temporada arrastada sem um caminho definido e por vezes confusa. Mas os roteiristas preocupados com o futuro do seriado resolveram recomeçar a trama principal. E o resultado foi uma injeção de fôlego.

A trama começou com Sookie (Anna Paquin) voltando do mundo das fadas depois de perseguida por elas, após a meia humana descobrir as intenções sombrias do grupo. Sookie foge e retorna à Bon Temps, mas percebe que o tempo no mundo dos humanos é diferente e se passou um ano. Todos os moradores seguiram suas vidas sem ela. Lafayette (Nelsan Ellis) e seu namorado se envolveram com bruxas e descobriu-se que a líder Marnie Stonebrook (Fiona Shaw) tinha desejos obscuros de acabar com os vampiros - vontade ainda mais atiçada quando o espírito de uma bruxa morta por vampiros na idade média incorpora nela. Tara (Rutina Wesley) que havia renunciado sua vida no lugar longe dos seres que tanto à fizeram mal, se mudou e arranjou uma namorada (!), mas voltou ao lugar e se meteu com as bruxas; Sam (Sam Trammell) ficou entre lobisomens e seu irmão que, também metamorfo, andou aprontando e deixando-os bem raivosos.

Entre os vampiros, Jessica (Deborah Ann Woll) terminou com o namorado humano e começou a se entender como vampira, para isso abandonou a relação estável e assumiu seus novos instintos primitivos como uma morta-viva predadora; Pam (Kristin Bauer) nos presenteou com os momentos mais legais e trashs da temporada quando ficou toda deformada - foi hilário e o final com a crise de ciúmes também foi grandiosa; Erick (Alexander Skarsgård) perdeu a memória, ficou mansinho e transou, transou e transou com Sookie o tempo todo e em todo lugar; Jason (Ryan Kwanten) foi sequestrado e abusado pelas panteras (deve virar uma na próxima temporada) traiu o amigo e agora transa com Jessica; Bill (Stephen Moyer) ficou tão apático em sua relação com Sookie que chega ser assustador pensar que o amor deles nas primeiras temporadas foi jogado no lixo, pelo menos ele agora como líder tem algo pra fazer; enquanto Alcides (Joe Manganiello) é um faz tudo, aparece quando necessário e se comporta como um cachorrinho bonzinho.  Os outros personagens que não citei, sejam vampiros ou não, é porque provavelmente nem deviam está ali.


A evolução da história das bruxas, o principal arco da temporada, foi até divertido, serviu para agitar e proporcionar boas cenas de ação, porém ficou sendo arrastada tempo demais, enquanto as outras histórias tomavam rumos mais rápidos num ritmo diferente. A atriz Fiona Shaw tem grande mérito no sucesso do arco. Mas a divergência de ritmos entre as tramas deixou a série instável por diversos episódios, alguns até tediosos. Entretanto a solução para a trama foi boa, com direito a reviravolta no penúltimo episódio e caminhou para o desfecho razoável. Infelizmente True Blood ainda força na tentativa de causar algum impacto, e o último episódio a dose foi caprichada, mas sem surpreender como antes. Ressuscitar vilões antigos parece até uma boa, mas não pode se arrastar por uma temporada até finalizar esse novo arco. Requentar histórias já mostradas não parece uma boa. Além disso ainda ficaram as questões naturais e consequências dos eventos: e o coração de Sookie? Será que é a vez de Alcides ficar com a moça, agora que eles estão disponíveis um para o outro? E Tara? Alguém se importa? A revolta de vampiros vai ser tenebrosa pra o reinado de Bill?


True Blood não é mais a mesma durante um bom tempo, mas não adianta ficar reclamando e criticando se o que ela sempre quis foi entreter sem compromisso. O roteiro era genial e impressionava sem se esforçar, mas agora a tática soa forçada dando sinais de desgaste. Ainda é um seriado que vale a pena acompanhar, mas sem grandes esperanças de uma melhora significativa, afinal, a chance foi essa. Como foi dito na série, talvez o momento dos vampiros esteja chegando ao fim, e agora a vez é dos zumbis. Será?