janeiro 21, 2013

Crítica: 'Homeland' e o explosivo final de temporada

Segunda temporada termina com ainda mais dúvidas sob Brody


Para aqueles que duvidavam sobre os caminhos de Homeland, podem continuar duvidando. Ainda não chegou o momento em que a série perdeu seu principal foco: o intrigante Brody (Damian Lewis) e em qual lado ele está. O final da segunda temporada, exibido no último domingo (22) pelo FX Brasil, só confundiu ainda mais os rumos que a série pode tomar. A maior preocupação é na durabilidade que o seriado poderia ter com uma trama tão complexa e vulnerável ao mesmo tempo. E o caminho segue agora com a visão ainda mais turva. Não temos apenas Carrie (Claire Danes) seguindo o rastro de Brody, e sim toda a segurança nacional dos Estados Unidos. Isso se ele ainda é culpado pelo atentado visto nesse eletrizante final de temporada.

Apesar de Homeland ter começado com o ritmo lento, nesta temporada a CIA foi o principal foco da trama do seriado e o suspense foi crescendo junto com o jogo de gato e rato contra Abu Nazir (Navid Negahban). Conhecemos melhor personagens com princípios questionáveis que comandam a instituição, como David (David Harewood) que além de usar Brody para pegarem o terrorista Nazir, ainda fizeram uma conspiração contra ele, para apagar qualquer vestígio de que usaram um terrorista como ajuda. Para isso, foi chamado o fuzileiro Quinn (Rupert Friend) - que, mostrando humanidade, não consegue cumprir a missão. Não que o veterano de guerra e convertido pela religião muçulmana não merecesse um castigo, já que ele chegou muito longe como terrorista. Foi uma temporada também fundamental para entender a cabeça de Carrie, cada vez mais apaixonada pelo agora ex-congressista. Um aprofundamento na filha de Brody também chegou a ganhar destaque, inclusive intensivando a relação dos dois. Mas no fim não teve pra ninguém, ninguém sabe ao certo quem é ele.

Esse trunfo que agora é levado com tudo para uma terceira temporada, foi tratado de forma tão extraordinária como no final da primeira temporada, quando Carrie tem uma nova suspeita, porém começa seu tratamento de eletrochoque. Só que agora a tensão foi intensificada com o atentado contra a CIA - algo que foi interrompido de último momento na primeira temporada quando o alvo era outro. O último episódio foi essencial para deixar aquela exclamação na cabeça de todos. Brody, inimigo ou amigo? Ele fez tudo para salvar Carrie, inclusive matar o vice presidente? Ele finalizou o plano de Nazir contra a CIA, ou não sabia de nada? Ele se aproveitou de Carrie e seus problemas psiquiátricos e assim fugir? Carrie tão boa como agente da CIA erraria mesmo em escolher se deixando levar pelas emoções, chagando a abrir mão da carreira? Mas isso pouco importa, Brody agora é tratado como foragido e Carrie o ama.

Uma temporada que conseguiu segurar a grande tensão da trama até o seu final, chocando com a explosão, mostrando Nazir sendo jogado ao mar (ambas cenas bem produzidas e marcantes) e fazendo o espectador prender a respiração sobre o que aconteceria ao casal mais surreal da TV americana. Resta saber se esse fôlego ainda será forte para Homeland continuar prendendo o público por mais temporadas, ou os roteiristas saibam logo dar uma caminho novo à trama. Mas é complicado quando se tem um bom time de atores desempenhando tão bem seus papéis, e ainda sendo consagrado por dois anos seguidos como melhor série dramática do ano no Globo de Ouro e desbancando Mad Men como melhor série no Emmy. É a série do momento sem sombra de dúvidas - pelo menos isso pode se ter clara certeza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.