janeiro 10, 2013

Especial: R.I.P 2012 | Melhores no Cinema

E mais um apanhado dos destaques do ano!


O francês O Artista, mudo e em preto e branco ganhou o Oscar e legitimou de vez o que os executivos da indústria queriam: internacionalizar o show. Este ano (2013) são mais dois estrangeiros indicados na categoria principal, mas não são tão fortes quanto o vencedor de 2012. No final do ano, porém, é fato de que O Artista não se tornou memorável, mostrando que o Oscar há tempos não cria um clássico, e sim pensa apenas no momento, garantindo bilheterias de alguns indicados.

O ano de 2012 ainda foi o de Jogos Vorazes, Os Vingadores, Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, 007 - Operação Skyfall, O Hobbit - Uma Jornada Inesperada e o final da Saga Crepúsculo darem à industria cinematográfica uma margem de lucro estável em relação aos anos anteriores. Foi mais um ano carregado de continuações e remakes bobos. Mas, conseguiu ir para o lado mais absurdo de se criar um precoce reboot! O caso de O Espetacular Homem-Aranha, que mesmo com seus méritos é desnecessário. Ano de alguns fracassos, o mais triste do bom John Carter - Entre Dois Mundos, e ano de polêmicas como o caso do irregular Ted, que "enganou" um político idiota por aqui.

Foi um ano fraco para o cinema nacional, mas em compensação tem tentado mais que anteriormente. As apostas em comédia se sobressaíram, e outros que eram muito aguardados, principalmente Xingu, viu sua carreira definhar junto com o desinteresse do brasileiro pela sua própria cultura e história.

Bom, siga com a relação dos 20 melhores filmes que estrearam no Brasil em 2012:


20 - Xingu

O parque nacional do Xingu é um dos maiores do mundo quando se diz respeito à preservação da identidade indígena. A história dele, mesmo que muitos brasileiro nem sequer imaginam de sua existência, tem muito sangue e uma boa crítica antropológica nas entrelinhas. Poderia ser melhor já que não conjectura o tamanho da importância da trama com o tempo de produção e o limitado roteiro. Mesmo assim, é um filme acima da média com méritos de atuação e parte técnica.

19 - Selvagens

Elenco jovem afiado, sol ardente como o desejo que arde no trio protagonista após consumir marijuana. Oliver Stone lançou um filme sobre o tráfico de drogas na Califórnia de uma maneira inteligente, surpreendente e divertida. Bom filme com uma boa reflexão sobre o envolvimento da classe média no tráfico ao fundo.

18 -  Frankeweinne

Tim Burton tentou primeiro o incompreendido Sombras da Noite, mas depois essa interessante animação em stop motion e que continua um projeto antigo seu. Funciona como uma homenagem ao cinema, um discurso sobre a importância da ciência nas escolas e na vida das pessoas e, claro, também é diversão garantida!

17 - Na Estrada

O diretor brasileiro Walter Salles bem que tentou, mas não cumpriu sua missão: conseguir captar a essência de On The Road, do lendário escritor Jack Kerouac, e levar para as telas. Porém, o filme tem seus méritos. Momentos marcantes do livro são condensados com boas atuações, uma edição interessante e uma fotografia belíssima. Quem quer mais do que isso, é melhor ler o livro.

16 - 007: Operação Skyfall

Nunca na história dos 50 anos de James Bond foi visto um filme tão sombrio, tenso e emocional. Desta vez, nas mãos do ótimo Sam Mendes, o Bond de Daniel Craig é dono de umas das melhores fases do agente secreto britânico. Basta ver um filme antigo para se dar conta de como o personagem está mais humanizado e interessante. Para completar, Adele canta a belíssima música tema.

15 - As Vantagens de ser Invisível

Filmes sobre adolescência sempre guardam boas reflexões e tramas. Afinal, é a fase onde tudo começa a dar "errado". O filme retrata uma bela história de amizade contra o bullying e como plano de fundo os divertidos anos 90. Um roteiro inteligente e um protagonista cheio de traumas que se confundem com a tumultuada fase. Brilhante.

14 - Looper - Assassinos do Futuro

Se Prometheus, não cumpriu, essa surpresa do ano em termos de ficção científica não fez muito sucesso, mas a crítica amou - e com razão. É  um filme divertido sobre viagens no tempo e com muita ação. A trama não soa confusa como de praxe na temática, porém seu final guarda inúmeros debates mundo afora. Uma boa pedida para quem busca um filmes na linha de A Origem, Contra o Tempo e Os Agentes do Destino.


13 - Histórias Cruzadas

Racismo numa época, da qual, as empregadas domésticas tinham que passar pelas mais constantes humilhações. Mas nada como a voz de um grupo unido para vencer uma cultura atrasada. Grandes atuações, mesmo que filmadas de forma sem muito à inovar, mas ainda assim prende pelo roteiro fácil e leve.

12 - O Homem que Mudou o Jogo

A industria esportiva norte-americana sempre foi conhecida por ser um emaranhado de tubarões sedentos por dinheiro. Por isso, não medem esforços para não arriscar e assim perder grana. Com um roteiro bem construído e diálogos excepcionais, é um filme que prende e surpreende - ainda mais que se apoia numa situação real.

11 - Argo

Mesmo que superestimado numa direção quadrada e sem ousadia, Ben Affleck ainda assim conseguiu fazer um dos filmes mais interessantes do ano. Contrasta uma situação real do Irã e seus problemas territoriais com o universo dos filmes, que sempre funcionaram como uma reflexão de ambientes hostis e a capacidade violenta do ser humano de resolver problemas, mas, aqui, a história foi outra: bastou a esperteza.

10 - Os Descendentes

Que o Havaí era próspero e tem vida além do turismo pouca gente sabia, mas que ele realmente guarda problemas familiares tão complexos quanto os mostrados nesse longa, isso sim é uma grata surpresa. Um filme que fala sobre capitalismo, família, amor e tragédia, usando um roteiro dinâmico, original e atuações acima da média.

9 - Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Menos complexo que o anterior, mas nem por isso menos emocional, esse final da trilogia construída por Christopher Nolan é digno de todo o sucesso que teve pelas boas sacadas e uma trama que reflete a realidade da crise econômica e social que as grandes metrópoles vivem. Mais divertido e com uma Mulher Gato que rouba a cena ao lado do vilão Bane, o longa é memorável, mesmo que recebido sem o grande entusiasmo do anterior.

8 - ParaNorman

Essa animação não convencional para os dias de hoje - feita em stop motion - é diversão garantida mesmo se tratando de uma história obscura. Com fantasmas e bruxas, a animação se sobressai na capacidade de não subestimar a inteligência do público - que varia entre crianças e adultos - e ainda traz lições morais atuais, como o bullying, e funciona como uma sátira da sociedade que é viciada em julgamentos e estereótipos.

7 - A Invenção de Hugo Cabret


Essa linda fábula que funciona como uma aventura infantil, vai crescendo de uma forma, da qual, leva o espectador à dimensões jamais imaginadas. Serve como uma homenagem ao cinema de gênero e ainda prega boas surpresas ao misturar mistério e momentos de humor. Bem produzido, o 3D do filme é magnífico, assim como a direção e arte, fotografia e trilha sonora. Não podia se esperar menos do diretor Martin Scorsese.

6 - Intocáveis

O sucesso internacional desse longa francês, se deve principalmente pelo boca a boca que o filme deve ter tido quando esteve em cartaz. Impossível não indicar para um amigo ou parente esta comédia que ri do assunto que mais tem se comentado, pelo menos aqui no Brasil: o humor politicamente incorreto. No final, o que se leva é uma linda história de amizade e superação. É pra lavar a alma.

5 - A Separação

Quem diria que o Irã poderia ser tão maior quanto estamos acostumados à assistir nos 30 segundos que os jornais televisivos guardam para ele. E mais, ganhou o Oscar como Melhor Filme Estrangeiro fazendo países inimigos se olharem de forma igual pelo menos por uma temática. Mas o filme de Ashgar Farhadi é mesmo incrível. Contextualiza a situação cultural do Irã mostrando um divórcio, que acaba tomando caminhos diversos quanto mais pessoas são envolvidas, essas com opiniões e crenças diferentes e o Estado ali, assistindo. Um Irã atual, verdadeiro e não tão diferente do ocidente, porque não é.

4 - O Artista

O filme doçura do ano. Uma reciclagem moderna do cinema mudo quando o áudio passa ser uma realidade. Partindo dessa sofisticação tecnológica que mexeu com Hollywood, o longa tem uma trama simples, mas que levanta diversas discussões e reflexões sobre o cinema atual. Uma obra engraçada, tristes por alguns momentos, mas especial em grande parte. Uma ousadia que mereceu o Oscar de 2012, mesmo não se tornando tão memorável como deveria - talvez crescesse mais se não tivesse ganho.

3 - Shame

Visceral, melancólico e perturbador por diversos momentos, Shame conta a história de um homem que tem compulsão por sexo. Depois da chegada de sua irmã, ele passa por percalços tentando segurar os impulsos, mas logo o problema se torna uma bomba relógio. Um filme que ainda reflete outros discursos implícitos no roteiro como: vazio existencialista, traumas infantis e crise econômica. Uma obra fria com atuações espetaculares e uma parte técnica que insere de forma completa o espectador na história. Grande obra!


2 - As Aventuras de Pi

Uma pintura magnífica. Uma obra de arte visual e sonora. Uma das poucas obras que alinharam com magnificência tudo o que fazem um filme grandioso e que serve tanto para entreter quanto para causar reflexão. Uma fábula que trânsita entre a filosofia em questionar Deus e aceitar seus caminhos por mais árduos que sejam. Um filme extraordinário, mesmo que não perfeito, mas que toca o mais distante espectador, seja pelo visual ou pela história bem bolada.

1 - Moonrise Kingdom

Um dos filmes mais incríveis do ano foi completamente esnobado no Oscar 2013, talvez porque o senhores que votam nessa premiação, que mais erra do que acerta, devem ter esquecido de incluírem seu nome por algum motivo de politicagem, birra, ou seja lá o que for. O diretor Wes Anderson, que tem mostrado ser uma grande revelação na última década, apresentou uma obra original, criativa e divertida que muito tem à dizer. Seja ao tocar na temática bullying, o crescimento e as suas fantasias pré-adolescentes sobre a vida. Moonrise Kingdom é sobre a vida, mas uma vida sob o olhar ainda infantil, mas que mesmo assim possui uma base melancólica sobre os caminhos percorridos quando se cresce. É um filme sobre adultos acomodados, vigilantes e covardes e de jovens sonhadores, ousados e corajosos. Primoroso.

Outros destaques, decepções e afins:


~ O Hobbit - Uma Jornada Inesperada - Primeiro filme de uma nova saga que reflete ao Senhor dos Anéis. Cumpre sua função de entreter, mas ainda assim sua longa duração incomoda.

~ Cavalo de Guerra - Steven Spielberg fazendo drama com cavalos. Infelizmente a obra é muito pesada, sentimental demais e poderia ter uma mensagem mais atual em tempos de debates ambientalistas.

~ Tão Forte, Tão Perto - a zebra do Oscar 2012 é até interessante, mas tem um protagonista chato, além de ser filmado de maneira quadrada, pouco atraente.

~ John Carter: Entre Dois Mundos - Ótimos efeitos visuais, história de ficção científica fantasiosa e interessante e que inspirou até Avatar. Infelizmente não chamou tanta atenção quanto deveria.

~ Prometheus - Prometeu e não cumpriu. O longa que serviria como prólogo da série Alien é irregular e demasiadamente mais confusa que deveria, mas ainda assim eu pago pra ver uma continuação.

~ 360 - Fernando Meirelles conseguiu fazer uma obra humana, mostrando a complexidade das relações humanas e sexuais e como elas inevitavelmente se cruzam umas com as outras. Interessante.

~ Valente - A animação da Pixar conseguiu reverter o caminho pessimista em relação ao estúdio  A obra é profunda, tem humor e é bem produzida, só faltou mais aventura.

~ A Febre do Rato - Longa brasileiro do diretor Cláudio Assis que não é pra qualquer um. Mostra uma classe pobre vivendo à sua maneira e se misturando como pode, no meio da desordem é que ela se encontra.

~ O Impossível - um belo filme sobre uma das maiores tragédias dos últimos tempos. Nenhum filme de catástrofe foi tão longe ao mostrar todos os atos antes, durante e depois de algo tão devastador, fisicamente e emocionalmente falando.

~ Drive - Seguindo de carro e tentando resolver problemas. Violento e chocante, esse suspense psicológico serve pra mostrar como uma sociedade do consumo resolve seus problemas das maneiras que lhe ocorrem.

~ Branca de Neve e o caçador - Filme com visual incrível, bons efeitos visuais, fotografia, figurino. Uma aventura acima da média e faz Alice no País das Maravilhas ficar pior ainda.

~ O Espetacular Homem-Aranha - Repetitivo por ora, mas tem lá seus méritos. Desde a ótima escolha do elenco principal, até os efeitos visuais. Mas ficou devendo.

~ Os Vingadores - Divertido e engraçado, o longa que reuniu quase todos os principais heróis da Marvel é garantia de satisfação depois que fãs se comprometeram com um dos arcos mais esperados desdes os filmes lançados anteriormente.

~ Jogos Vorazes - Uma história original, que reflete num futuro não muito distante e que crítica os meios de comunicação famintos por realitys shows, um governo vigilante e uma violência gratuita pra quem quiser ver. Enquanto a elite alienada assiste de forma fervorosa. Ah! E é divertido!

~ Virada no Jogo - Filme feito pra televisão e vencedor de melhor telefilme no Emmy Awards de 2012. A produção da HBO recontou com grandiosidade na caracterização dos personagens, uma das disputas mais emocionantes das últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos. A atriz Julianne Moore conseguiu viver Sarah Palin de maneira irretocável.


Um comentário:

  1. Triste eu dizer q só vi três filmes de 2012: vingadores, hugo e homem-aranha. não q o cinema da minah cidade ajude né. de resto, tenho alguns no meu HD da SKY... =\

    ResponderExcluir

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.