junho 05, 2012

O final visualmente perfeito da segunda temporada de 'Game of Thrones'

Série cresce na narrativa e aposta no visual contemplativo 

                                                   

Quando lançado no ano passado, o seriado Game Of Thrones rapidamente se tornou cultuado por ser uma adaptação do sucesso literário As Crônicas de Gelo e Fogo escrito por George R.R. Martin. A série da HBO foi longe e mesmo com os percalços que uma transição tão complexa poderia acarretar (satisfazer a audiência leiga e os fãs mais ávidos) o seriado se sobressai entre os outros do gênero e aos poucos vai mostrando que a fantasia domina grande parte da trama, apesar do mote ser a luta pelo Trono de Ferro entre os sete reinos de Wasteros. Melhor do que isso, o seriado aposta no visual inédito para esse tipo de história na TV e aos poucos melhora o que foi criticado anteriormente: diálogos e o pouco aprofundamento dos personagens principais.


 A série finalizou sua segunda temporada no último domingo (3) e foi exibida na tv paga brasileira pela HBO Brasil simultaneamente com sua estreia nos Estados Unidos, tendo opção de exibição legendada ou dublada. A principal evolução nesta temporada foi o foco dado ao personagem Tyrion Lannister, que rendeu ao ator Peter Dinklage o prêmio de melhor ator coadjuvante no Emmy e no Globo de Ouro. Como braço direito do rei Joffrey ele teve seus momentos de explosão com a mãe do jovem, Cersei, e terminou deixado de lado - o que é ótimo, pois vai fazê-lo tentar a volta por cima.

Em outro núcleo, conhecemos Stannis Baratheon, senhor de Dragonstone e irmão do falecido rei Robert Baratheon, assassinado sob comando de Cersei, e seu objetivo agora é conquistar o trono. Liderado pelo braço direito Davos Seaworth, um dos conselheiros de Stannis, eles foram para cima de Joffrey numa cena  de batalha história na TV americana. A sequência de guerra que durou praticamente todo o nono episódio da temporada, foi apenas um dos vislumbres do que o seriado foi capaz na temporada. Dentro deste núcleo ainda conhecemos a amante de Stannis, a sacerdotisa Melisandre. A misteriosa mulher que consegue ver parcialmente o futuro segue manipulando Stannis e conseguiu de forma macabra matar o irmão de Stannis, Renly Baratheon, que também se preparava para tomar o reino.

A família Stark, que começou diluída no início da temporada, assim permanece ainda com conflitos internos.   Sansa por pouco conseguiu se livrar do casamento com o Rei Joffrey, mas seus poucos minutos de alegria passaram quando foi informada que ela ainda seguirá sendo refém e agora será violentada; sua irmã Arya, conseguiu fugir da cidade em um comboio acabou em Harrenhal, dominado pelos Lannisters e lá ficou escondida, mas, com o apoio do misterioso assassino Jaqen H'ghar consegue deixar o local (ela tinha o direito de pedir três mortes à ele como recompensa dela o ter libertado, e por fim ele muda magicamente seu rosto). 

O outro filho, o jovem, porém, esperto Bran ficou no comando de Winterfell até que o confuso Theon Greyjoy traiu os Starks, depois de ter passado sua infância como membro da família, e tomou o lugar como forma de vencer seus problemas pessoais após ter reencontrado seu pai nas Ilhas de Ferro. Robb entra em conflito com sua mãe Catelyn, sobre a permanência da custódia de Jaime, irmão-amante de Cersei). Jon, filho ilegítimo de Ned, foi na busca de seu tio, Benjen Stark, na gélida região da muralha e viu que existe muita gente por lá... Sua equipe dos Patrulheiros da Noite, terminou finalmente encontrando os povos que vivem naquela região e os surpreendentes seres com aparência de Zumbis - outro momento aterrador da temporada e de qualidade cinematográfica.

Outro núcleo com final extraordinário foi o de Daenerys Targaryen e seus dragões. Buscando alianças em  Qarth ela teve seus "bebês" sequestrados pelo feiticeiro Pyat Pree e acaba sendo levada até a Casa dos Imortais, da qual, tem uma visão belíssima e sombria do Trono de Ferro e consegue se comunicar com o falecido Khao Drogo e o filho dos dois, jamais nascido - outra cena extraordinária e emocionante. Era o que ela precisava para tomar o lugar e seguir sua jornada de vingança.

E a temporada foi um tanto arrastada em alguns momentos, confusa, mas cheio de surpresas e com os dois últimos episódios superando as expectativas dos mais leigos (como o autor deste texto). Resta esperar até o próximo ano, saber se a HBO vai conseguir seguir o equilíbrio de uma história tão complexa e com tantos personagens e núcleos. Por enquanto, ainda está surpreendente.