julho 21, 2012

SPFW Verão 2013 ! Parte 2! o/

Bom dia!
Já vimos os dias 11, 12 e 13 do São Paulo Fashion Week, e agora é ver os últimos três dias do evento.

O dia 14 foi um longo dia, e quem abriu o evento foi a marca Neon, marca do estilista Dudu Bertholini. O desfile foi ao ar livre, dando enfase ao estilo da marca que vive o lema "espírito-livre". A marca desfilou peças bem femininas com cores vibrantes e tons pasteis. Mais uma vez, a marca desfilou suas estampas super trabalhadas e "all over the place" com cores vibrantes. Pudemos ver alguns maiôs e biquínis, hotpants, conjuntinhos, macacões, além de calças e camisas e outras peças. Acho curioso como a alpargata (acredito que há outro nome, mas não sei qual é) está se destacando bastante no evento; aqui no desfile da Neon, os modelos variam entre simples e trabalhados, alguns com um detalhe de poder amarrar o sapato no tornozelo e outros não.  Particularmente, não gosto. Moro no RS desde 1994, fui criada com pessoas usando elas em casa ou quando estão "caracterizados" de gaúcho, então pra mim é estranhíssimo ver a alpargata toda "cheia de fru-fru" e como um objeto de "desejo" da moda. Sem contar que nunca consegui usar uma! UHAUHUAHUHA Mas enfim.

O segundo a desfilar foi o sempre lindo, João Pimenta. Dessa vez, o estilista se inspirou em sua terra natal, e mostrou uma coleção inspirada na Folia de Reis. Embora haja alguns elementos couture/fantasia e peças que os homens, muito provavelmente, não irão gostar, as peças desfiladas por Pimenta são belíssimas e super adaptáveis e usáveis no dia-a-dia.




Adorei as roupas em tons escuros, embora as com estampas também estejam super lindas. A beleza do desfile foi bem simples: make natural/nada, e cabelos longos com lindas ondas, um cabelo mais curto, mas que parece ter levado um choque-elétrico, e um cabelo cheio de cachinhos.







Juliana Jabour foi a terceira marca do dia ao desfilar. A marca mostrou peças inspiradas no Studio 54 e na personagem de Michelle Pfeiffer em Scarface. As peças, elegantíssimas, são puro brilho, glamour e elegância. A marca foi uma das poucas ao mostrar uma maquiagem forte, bem festa. Os olhos foram bem anos 80, com um trio de cores rosa, verde e azul, bochechas super marcadas com blush rosa e boca laranja com brilho. Jefferson Kulig desfilou logo em seguida, mostrando peças de roupas que poderiam fazer parte do guarda roupa de super heróis, seja como uniforme ou como roupas do dia-a-dia. Formas contínuas, arredondas e cheias de curvas, com transparência por cima de transparência, e peças mais simples fizeram parte de seu desfile. Ainda dentro da minha temática: faz sentido já que a inspiração do estilista foi na sustentabilidade na industria têxtil.

No desfile da Osklen, quem abriu foi a sempre linda Aline Webber. A marca teve a inspiração no seu próprio passado: voltou alguns verões atrás e fez roupas inspiradas em personagens daqueles verões, e com isso a marca voltou à suas raízes. Focando nas roupas, a marca mostrou alguns acessórios que cobriram boa parte dos rostos dos modelos, como óculos escuros e chapéus. Outro acessório mostrado foi uma bolsa de mão metalizada.



As cores mais vistas foram o marrom, o dourado (lindo!) e o prata, e muita transparência branca, além de estampas num estilo que parece ser um tye-dye muito bonito. Destaque para as roupas de praia: biquínis, maiôs e calções. Curti bastante as roupas masculinas, mesmo alguma sendo "vibrantes" demais, acredito que tem peças para todos os estilo dos rapazes. Quanto a beleza, algo super natural: cabelos soltos e maquiagem nada, apenas uma blush nas bochechas pra colocar alguma cor.




Finalizando o quarto dia do evento, a Colcci desfilou peças belíssimas e que são 100% o DNA da marca. Bastante jeans, bastante estampa (que me lembrou os quadros de Van Gogh), e parece que a marca elegeu a cor laranja para chamar de sua. Gostei bastante das roupas, e destaque para as peças masculinas, que estão básicas mas lindas!



Uma surpresa agradável que eu achei, foi ver uma tendencia internacional nas peças brasileiras: a cor vermelho bordeaux (que possui outro nome, mas eu não sei escrever e nem falar ele). A colcci inseriu peças belíssimas para o verão brasileiro nessa cor! A beleza do desfile também foi simples: cabelos soltos e muito efeito bronzeado no resto! Só achei os rapazes estranhos, afeminou demais alguns deles.




No quinto dia do evento, foi ainda mais longo, com o desfile de Reinaldo Lourenço logo pela manhã. Reinaldo desfilou uma coleção cheia de vestidos, um mais bonito que o outro. A inspiração para essa coleção foi o espírito do verão, no design dos Riva Boats italianos e na alta costura dos anos 1960. Mas também podemos ver influências náuticas nas peças, embora nem tão literais ou perceptíveis.



Achei as peças bem femininas, até mesmo aquelas peças que possuem um volume "estranho" ou as peças com cores para lá de berrantes. Falando em cores, a inspiração pode até ter sido a alta costura dos anos 60, mas as cores estavam bem anis 80/90, como o azul forte e o branco-quero-ser-prateado que chega a ofuscar e doer no olho. Adorei as peças escuras com detalhes em azul. Também adorei os sapatos. Achei a beleza do desfile bem chique, simples, mas que fica bonito. As meninas usaram o cabelo solto, com as pontas viradas para dentro e uma risca lateral na frente, e maquiagem foi bem nada: sobrancelha definida, rímel nos cílios, e um pequeno brilhos nos lábios.




R.Rosner foi o próximo a desfilar, e ele mostrou peças que gritavam "FESTA!" e "GLAMOUR!". Trasparência, elementos dos anos 20, 30 e 40, degradê, e um pouco de "art decó". Achei tudo lindo. Esse desfile e coleção de R.Rosner me lembrou os desfiles e coleções de moda internacional dessa temporada. Tudo muito chique, glam, leve e de babar.



A beleza do desfile foi bem festa, mas ao contrário dos outros - poucos - desfiles que também fizeram algo festa, a maquiagem foi suave. As modelos usaram o cabelo com cachos ou ondas puxados para trás, bem volumoso, bem glam mesmo. Quanto à maquiagem, um nude brilhoso na boca, sobrancelhas destacadíssimas, blush nas bochechas,delineador na parte de cima dos olhos e só.

Cachinhos! Coisa linda, fico invejinha :(




O desfile de Glória Coelho só mostrou mais do de sempre: shapes estruturados e cleans, com recortes geométricos em lugares estratégicos, algumas formas arredondas e cores bem hetérias. As meias que no desfile da coleção de Inverno eram meias-calça, voltam com o mesmo detalhe, só que dessa vez as meais vão somente até o joelho. Fora isso, é correto afirmar que essa coleção de Verão é uma continuação da coleção de Inverno. Alexandre Herchcovich MEN também desfilou no quinto dia do evento, dando uma continuação à sua coleção feminina. E com isso quero dizer: peças no estilo anos 80, só que para homens. Dessa vez, a passarela era uma normal, e as peças não estavam "carregadas" demais nos anos 80. Também houve peças inspiradas no militarismo.

Vitorino Campos fez seu desfile de estreia no SPFW com uma coleção muito bonita, perfeita para a mulher urbana, de negócios e que tem uma casa para administrar. Tudo isso com muita classe e elegância, é claro. A transparências também passou pela coleção de Vitorino, assim como o uso de tecidos brilhosos.



Uma tendência que, embora muito apreciada e vista, está tímida há algumas temporadas, é a tendencia do duo preto & branco. Aqui na coleção de Vitorino é possível conferir esse par perfeito juntos em diversas peças, deixando elas super atemporais, e clássicas. A beleza do desfile foi super simples, para variar: cabelo com um rabo de cavalo baixo, e make "nada", apenas com as sobrancelhas para lá de destacadas.



Lino Villaventura, o estilista mais high couture brasileiro, não decepcionou. Com um desfile perfomático, e "polêmico" por não possuir inspiração, o desfile de sua coleção foi de tirar suspiros e de bater palmas várias vezes. Transparências (tão vendo como me repito? definitivamente ela veio pra ficar), tecidos com brilho, recortes estratégicos, acessórios fantasiosos, entre vários outros elementos um tanto quanto dramáticos fizeram parte do show que Lino fez.




As peças foram super delicadas, até mesmo as peças masculinas. A beleza teve que ser simples, para dar destaque apenas para as roupas e os acessórios. Aliás, os acessórios, na sua grande maioria, foram a beleza do desfile. O cabelo das modelos foi usado num rabo de cavalo, e os dos modelos foi usado conforme eles mesmos usam. Na make das meninas, uma corzinha roxinha no centro dos lábios, e um rosinha muito fraco nos olhos, além de um blush rosinha também.




No último dia do evento, quem abriu o dia foi a Cavalera, que desfilou num ferro-velho. A Cavalera é sinônimo de rock, sempre tem peças com uma pitada de rock, e ainda consegue ser cool. Agora, a Cavalera está caminhando ao seu lugar ao sol na consolidação da sua marca como uma das melhores do Brasil. Isso na minha opinião, é claro. A coleção continua tendo como base a urbanidade das pessoas, algo que é bem recorrente nas coleções da marca. Para mim, essa coleção de verão é uma bela continuação da coleção de inverno. Em seguida, foi a vez de André Lima, que "deu aloka" em cima da hora e resolveu mudar boa parte de seu desfile, mudando ele de horário: ao invés de ser um dos últimos, quis ir para o primeiro horário da tarde. O motivo é que ele queria mostrar suas peças diurnas. Não entendeu? Nem eu, muito bem. kkkkkkk Só sei que seu desfile foi puro glamour, e mesmo sendo algo diurno, ele afirmou que o espírito festa ainda está alí.

Outra marca que também foi estreante no São Paulo Fashion Week foi a Têca. Em pouco mais de 5 minutos de desfile, a marca desfilou peças joviais, para meninas que são bem "menininhas" e secas. Mas acredito que as não tão secas possam se sentir confortáveis com a altura dos mini-shorts e mini-saias.



Embora as peças sejam muito bem estampadas, a estampagem não é feia nem monótona. É daquele tipo que você gosta da peça por causa das estampas e suas cores. A Têca foi a única marca que desfilou estampas que eu usaria. A marca também desfilou alguns bodys (que podem ser usados como maiôs, ao meu ver) igualmente belos. A beleza do desfile foi igual à da maioria: rabo de cavalo baixo, boca nude, olhos com uma sombrinha azul para dar um brilho e sobrancelhas destacadas. Eu adorei a maquiagem do desfile! É do tipo super usável no dia-a-dia!




Fernanda Yamamoto foi a ante penúltima marca a desfilar. A marca desfilou peças justinhas, com estampagens geométricas com uma cartela de cores mais sóbrias do que o visto em geral no evento. Não curti. hahahahaha A beleza do desfile foi bacana: as modelos desfilaram com o cabelo solto, com uma risca lateral tapada de gel até a parte posterior da cabeça, para dar o aspecto de molhado. Na maquiagem: "nada". Pele muito bem feita e aparência de linda, limpa, hidratada e iluminada, e nas sobrancelhas, algo interessante e que não rolou nos outros desfiles: "esculpiram" a parte de dentro da sobrancelha até o início da base do nariz, dando um formato diferente ao nariz/rosto.

O desfile da Amapô, foi o penúltimo desfile, e nele podemos ver algumas peças que gritam "anos 80". Muitas dessas peças para lá de bregas, outras peças muito bacanas, e as peças masculinas que foram diferentes (ou seja: não acho que agradará tantos homens). As cores variaram de berrantes à um quase pastel. A beleza do desfile também foi de festa a lá auge dos anos 80: as meninas ganharam um coque bem no alto mas com uma mecha solta na frente, como se fosse uma franja. Pele e olho "nada", apenas rímel nos cílios e muito pouca sombra branca nos olhos, bocão vermelho com gloss por cima.


E para fechar o evento com chave de ouro, Samuel Cirnansck desfilou verdadeiras obras primas da couture brasileira. De acordo com o estilista, sua inspiração foi as ninfas, abissais, peixes e art noveau. E é exatamente isso que vemos no desfile dele.



Transparência, nudes, leveza, e puro luxo marcaram presença nas peças. Assim que as peças pretas entram na passarela, o tom do desfile também muda. A música que era teatral, muda para dramática e rock'n'roll: uma música da Björk que faz parte do filme Sucker Punch. E assim como o filme (e a artista), as roupas ganham uma sensação de ilusão. Destaque para os vestidos de casamento no fim do desfile.



Quanto à beleza do desfile, ela tinha que passar ao público a inspiração do estilista, e conseguiu. Com uma beleza que poderia ser facilmente vista em filmes como O Senhor dos Anéis, a beleza complementou todo o feeling do desfile e ainda deu mais vida à peças. As modelos tiveram seus cabelos trançados, depois a trança foi desfeita para deixar o cabelo marcado e prenderam as pontas como se fosse um nó para dentro, e arrumaram um pouquinho. A maquiagem foi super simples: uma sombra dourada nos olhos para dar um brilho bonito e nada mais!



O desfile terminou com uma música que está virando um hino: We Are Young da dupla fun. Embora eu não goste da dupla e nem música, não pude deixar de perceber uma pequena homenagem ao evento com essa música, sem contar que achei a música perfeita para terminar o evento.


Logo após o término do evento, o site ModaSpot.com publicou uma imagem com alguns dados bacanas e curiosos do vento, olha só:



E com isso, termino os posts sobre o São Paulo Fashion Week, um pouco mais de um mês depois do evento! \o/ Gostaria de dizer que poderia ter feito eles antes, mas eu estaria mentindo. Realmente o tempo nesse meu 1º semestre foi curto, mas espero que no segundo semestre a coisa melhore :)

Espero que tenham gostado do evento, e agora é esperar os meses passar para podermos ver mais novidades para o verão! \o/ Sem contar que esse frio já deu o que tinha que dar, quero verão A-GO-RA! o/ hahahaha