março 21, 2010

'Ilha do Medo' é o modo gênial de fazer algo que já fizeram

Suspense não assusta, porém, prende o espectador até o fim


Depois de consagrado no Oscar em 2007, pelo sucesso de Os Infiltrados, o diretor Martin Scorsese que já havia conquistado fãs pelos filmes sempre marcados pela estética clássica e bem realizada, agora conquista uma visibilidade muito maior com o público de massa. A prova mais concreta dessa afirmação está nos incontestáveis 170 milhões de dólares que sua mais nova produção Ilha do Medo arrecadou nas bilheterias ao redor do mundo em quatro semanas. O suspense ainda marca mais uma parceria de sucesso dele com o ator Leonardo DiCaprio (O Aviador, Gangues de Nova Iorque, Os Infiltrados).

O suspense Ilha do Medo, conta a história de dois agentes federais, Teddy Daniels, interpretado pelo ótimo e mais uma vez certeiro DiCaprio, e o outro é seu companheiro Chuck Aule (Mark Ruffalo). Eles chegam até a ilha Shuttler para desvendar o sumiço de um paciente do enorme centro psiquiátrico que reside ali, isolado e com forte segurança. Em meio a apresentação de pistas do tal mistério, Teddy começa também  resolver os mistérios que assombram seu passado, com a ligação do lugar e a morte de sua esposa Dolores (Michelle Williams).

É por aí que o clima de conspiração persiste para confundir a cabeça do público, seja em forma de flashback, de sonhos ou de visões. Teddy tem suas lembranças da segunda guerra postas em jogo principalmente quando chegava em um campo de concentração e se encontra diante de todo o terror e violência, e assim faz referências com a clínica. Outro ponto de vista jogado ao público é a paranóia de estar no centro de uma possível conspiração contra ele, agravados por ser um lugar da qual ele desconhece os principais motivos de sua real existência. A trama é o suficiente para manter o público preso nesse desconhecido e finalmente entender onde se que chegar.


Mas nem tudo é eficiente. Apesar da estética bem cuidada, trilha sonora que segue em forma de homenagem aos clássicos do gênero, o filme tende a agradar àqueles assíduos fãs do diretor, por encontrar tudo aquilo que ele propôs em outras produções. Para o espectador mais acostumado com os recentes suspenses picotados com cenas assustadoras e parecem ao máximo buscar roteiros pouco originais - diferente do desejo do público que odeia clichês -, Ilha do Medo pode decepcionar. Pode, porque quem esperava ao menos um filme com uma solução mais inovadora ou ao menos um história diferente e surpreendente, se encontra em um labirinto até interessante, mas que apresenta uma saída esquecível e desapontadora. Não era pretensioso ser o melhor filme de Martin Scorsese, mas serve mesmo para sabermos que ele está ativo mesmo depois do Oscar - e isso é muito bom.

Shutter Island
EUA , 2010 - 138
Policial / Suspense
Direção: Martin Scorsese
Roteiro: Laeta Kalogridis, Dennis Lehane
Elenco: Leonardo DiCaprio, Mark Ruffalo, Ben Kingsley, Max von Sydow, Michelle Williams, Emily Mortimer, Patricia Clarkson, Jackie Earle Haley, Ted Levine

Trailer:





Um comentário:

  1. otima resenha!

    realmente, eu esperei muito mais desse filme...

    logo no inicio ja da pra saber qual será o desfecho, a obra poderia ser maestral se tivesse um roteiro diferente e melhor aproveitado...

    ps: o projectmonkeys ta ficando melhor a cada dia =D

    ResponderExcluir

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.