setembro 22, 2010

'KICK ASS' realmente quebra tudo!

Filme desconstrói, de forma genial, as regras dos quadrinhos de super heróis


Depois de ter ganho censura alta nos Estados Unidos - fato que afastou os adolescentes das sessões (potencial público alvo) - e por isso terem chegado poucas cópias aqui, as chances de ver o Kick Ass - Quebrando Tudo nos cinemas foram quase nulas. Quando tudo parecia perdido, a produção entra em cartaz em um cinema de arte. Surpresa. O que faria um filme de super heróis, com cartazes coloridos e trailers cheio de piadas ao estilo Super Bad, além da ação natural do gênero, em uma sessão perdida dentro de um cinema voltado para filmes cults?

Eis que durante a projeção me deparei com uma nova e boa surpresa. Kick Ass é controverso, politicamente incorreto, divertido e uma homenagem, com certa acidez, aos quadrinhos de heróis mais populares da cultura pop. Porém, é fato que poucas pessoas vão ter o prazer de conhecer, exatamente pelo contexto da indústria cultural. Felizmente, a internet que constrói o herói no filme é a mesma que também promove a produção. Estamos diante de uma obra tão próxima da adaptação de Watchmen e do realismo de Batman, O Cavaleiro das Trevas.

E assim como Watchmen e a produção de Christopher Nolan, Kick Ass também não é para qualquer um. Violento, o filme engana o público mais conservador que esperava um novo Homem Aranha e se depara com o conteúdo sanguinolento semelhante alguma produção de Tarantino. Como não se bastasse, no filme, uma garota de 11 anos é treinada pelo pai para virar uma justiceira que mata sem dó nem piedade. Obviamente, é isso que explica tanto o sucesso quanto o fracasso da adaptação. O exagero decepcionou àqueles que buscavam entretenimento fácil, enquanto o reconhecimento veio com um público faminto por algo diferente. Em uma entrevista, o diretor Matthew Vaugh, defendeu o conteúdo violento do filme, acusando o exagero da censura americana, mas ele se disse feliz com os elogios de quem viu e não achou nada além do normal. A verdade é que mesmo causando certa estranheza, Kick Ass ganha pelo roteiro, pelo visual e principalmente pela originalidade ao apresenta um herói pós moderno.

A produção, adaptação dos quadrinhos de Mark Millar e John Romita Jr., parte da premissa:"Se milhões querem ser Paris Hilton, com tantos fãs de quadrinhos por aí, por que ninguém quer ser o Homem-Aranha?". Quem questiona a lógica é o jovem nerd Dave Lizewski (Aaron Johnson), não popular, ele é o Peter Parker do mundo real, deprimido e esperando algo de grandioso na vida. Mas como estamos longe dos anos 60 - quando foi lançada a história do herói aracnídeo - Dave não vai esperar a mordida de algum inseto e sim parte para outro herói, o Batman. A fantasia do jovem finalmente, passa a ser real quando ele pode se inspirar com um justiceiro sem poderes, apenas com a sede de livrar a cidade dos mal feitores. É aí que o filme ganha ritmo e apresenta os personagens obrigatórios do gênero: vilões inescrupulosos - também moderno já que esconde a verdadeira face dos familiares -, o interesse amoroso do herói e àqueles outros que tentam cumprir deveres heróicos, mas seguem diferentes regras (geralmente, isso os transformam em potenciais vilões, mas não é o caso).

No início da nova empreitada, Dave se olha no espelho como Peter Parker faz ao ver as mudanças no corpo depois da picada da aranha, mas aqui o nerd apenas usa a roupa verde de super herói,  e escolhe o nome que usará: Kick Ass (refletindo a falta de inocência adolescente dos dias atuais). A primeira missão falha e tudo dá errado. Na segunda tentativa, Kick Ass é filmado e vira um fenômeno do youtube. Agora famoso, os vilões se sentem incomodados e os outros heróis da região preocupam-se com o amadorismo do novato. Esses outros heróis guardam um modelo mais clássico de seguir as regras, são eles o Big Daddy (Nicholas Cage, finalmente em um papel interessante depois de muito tempo) e sua filha Hit Girl (Chloë Moretz, que rouba a cena várias vezes). Ambos tem um passado que os motivaram à essa vingança.

Obviamente o caminho dos três vai se cruzar e ainda encontrará espaço para outro "herói" - mas aqui assumindo uma mentira e aproveitando o fato que virar herói nos dias de hoje só necessita de uma roupa e um carro no estilo batmóvel. Mas é o dilema do protagonista Dave/Kick Ass que a produção vai crescendo e brincando com os diversos clichês do gênero. Inclusive as frases como "grandes poderes, trazem grandes responsabilidades" ou o simples pensamento de entender que a garota se interessa mais pela fantasia e atitude do heróis, do que quem está ali escondido. No fundo é uma homenagem, já que nenhuma sátira sairia tão genial.

A violência exagerada, da qual Vaugh defende à qualquer custo, mesmo ocorrendo de forma irreal (como o fato da garotinha ser aquele monstro treinado, as cenas de mortes explicitas envolvem contextos surreais - microondas gigante e uma bazuca -, e fazer questão de jorrar sangue pra todo lado, inclusive com cena de mutilação), causa um impacto repulsivo já que se  trata de elementos  fantasiosos, coloridos e acelerados, diferentes dos filmes de heróis que buscaram esse realismo mas com uma estética sombria e que esconde certa violência. Em Kick Ass esse exagero limita um filme tão bom, à um público restrito e que sem dúvidas, essa característica se ausente, não o faria menos interessante do que é. O próprio roteiro cumpre essa função crítica sobre a nova sociedade que vive desses heróis construídos com as novas mídias e ainda incrementa o universo de heróis de maneira inteligente. Talvez faltou um marketing mais realista (mesmo que feito trailers para maiores), preparando o público desavisado ou desacostumado. Mas a lição que fica, é que o cinema precisava de uma obra assim, moderna e divertida.

Kick-Ass - Quebrando Tudo
Kick-Ass
EUA / Reino Unido , 2010 - 117 minutos
Ação
Direção: Matthew Vaughn
Roteiro: Matthew Vaughn, Jane Goldman, Mark Millar
Elenco: Aaron Johnson, Chloe Moretz, Nicolas Cage, Mark Strong, Christopher Mintz-Plasse, Clark Duke, Evan Peters, Lyndsy Fonseca, Jason Flemyng

Trailer:  



2 comentários:

  1. OOOOOOOOOWWWWWWWWWWWWWWNNNNNNNNNNN ele gostou do filme! kkkkkkkkkkkkkk

    eu jurava q vc não ia gostar dele! kkkkkkkkkkkkk


    enfim, ADOREI resenha, é sem dúvidas a sua melhor até agora (para mim né)! eu não achei o filme violento, acho os filmes do tarantino mais violentos. Achei o filme ótimo em ação, com cenas q te satisfazem e não te deixam querendo mais (mas num boms entido), como alguns filmes de ação fazem.

    enfim, kick-ass é muito bom, com certeza já é um cult. acho q já era um cult até antes de extreiar, com aquels posteres ao estilo Tio Sam dizendo "I WANT YOU".

    é esperar q a continuação (acredito q haverá uma, me lembro de ler algo parecido sobre isso) seja tão perfeita e bem escrita/dirigida como esse!

    ResponderExcluir
  2. um dos melhores filmes do ano e com certeza um dos meus favoritos!

    kick-ass é um filme memoravel!

    otima resenha! =D

    ResponderExcluir

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.