agosto 07, 2010

'A Origem' e o labirinto da compreensão

Filme de Christopher Nolan é o merecido fenômeno da vez

Edição do texto: Rodrigo Rodrigues


Passada mais de um década do lançamento de Matrix, surge nos cinemas um filme tão surpreendente e bem produzido quanto a produção que mostrava Neo e o mundo irreal plantado na mente dos humanos, o qual gera debates e influência a ficção científica até hoje. O fenômeno midiático da vez é A Origem (Inception), superprodução do diretor Christopher Nolan, que está há três semanas no topo das bilheterias americanas, tamanho é o hype em torno da produção. Com críticas mistas - umas aclamando e dando certa a indicação ao Oscar, enquanto outras dizem que tudo não passa de picaretagem digna de plágio de uma história de Tio Patinhas complicada ao extremo -, o filme reinventa os filmes de assalto incrementando o interessante tema de entrar nos sonhos das pessoas.

No filme, Dom Cobb (Leonardo DiCaprio) é um ladrão especializado em extração, que se baseia no conceito de roubar segredos valiosos das profundezas do inconsciente durante os sonhos, período em que a mente está mais vulnerável. Quando inserido na consciência do outro, tudo acaba se tornando possível - basta a criatividade dos envolvidos. Tal advento faz essa habilidade de Cobb ser muito procurada por grandes corporações em busca de fazer espionagem industrial. Porém, ele é foragido por ter sido acusado de matar a esposa. A sua chance de redenção está na retirada de sua acusação em troca da realização de um novo tipo de trabalho conhecido como incerção (o nome do filme em inglês): plantar uma idéia na mente do alvo. Caso o trabalho seja concluído, seu novo contratante usará sua influência para limpar o nome de Cobb. Mais complexo que entrar no subconsciente do outro, o método (para melhor resultado) requer entrar no sonho, do sonho, do sonho... O grau de dificuldade é tão alto que ele conta com comparsas preparados cada um com uma habilidade.

A trama começa confusa, no meio de uma operação para roubar documentos confidenciais nos sonhos de um poderoso empresário. Só consegue fazer uma ponte do entendimento para o público, quando surge Ariadne (Ellen Page) que será a nova arquiteta, com a função de montar os cenários que serão usados na operação de inserção. Nesse treinamento, se dita a ela (e ao público) as regras. A jovem, que obviamente foi escolhida a dedo para o plano, consegue descobrir algo a mais quando presente no subconsciente de Cobb. Algo o atormenta e a cada missão põe todo o plano à risca. Tal tormento envolve a esposa de Cobb. No meio do filme, é esse desenvolvimento do que realmente aconteceu na vida dele que dará o tom dramático do filme e sem dúvidas será a principal razão do que é a complexidade da trama, pois, no meio disso tudo, é a psicologia do casal e as regras do jogo que juntos dificultam a compreensão de alguns eventos - principalmente do dúbio final.

Se as críticas não sabem pra onde ir e deixam estranha sensação de novidade, o que deve se levar de A Origem é a capacidade de reinventar gêneros, sem necessariamente rotular a produção dessa forma. Christopher Nolan foi prodígio ao criar novas regras para os filmes de heróis com o obscuro e realista Batman Begins. Para alguns, foi a destruição do gênero. Na percepção daqueles que querem uma indústria apenas com explosões e entretenimento fácil e infantil, um filme como esse causa repulsa imediata. Nesse mesmo patamar, o que eles não buscam levar a sério é o público, que quando obrigado a pensar um pouco além do acostumado, também se interessa pela história, mergulha fundo no que o roteiro quer propor. Assistir A Origem é se deparar com esse roteiro, um labirinto repleto de regras e surpresas pelo caminho. É complicar um pouco mais o que os blockbusters de ação que gostam contar sobre planos perfeitos e apostam nas reviravoltas psicológicas. É o que Salt está fazendo novamente. Quando é proposto intercalar a fantasia e a ação, sem fugir da estética realista e urbana, com uma trilha sonora dramática - características recorrentes nas produções de Nolan - não tem roteiro mirabolante que possa ficar ruim.


Mas sim, A Origem é confuso demais em determinados momentos. E no grau de explicação dada aos personagens para a jovem novata, a pergunta dela "Em qual subconsciente estamos entrando mesmo?" surge como um alívio. Nolan complicou de uma forma bem engenhada, exatamente para passar ao público o quanto a mente humana é um labirinto a ser explorado, mas sem querer seguir a lógica do que sempre foi proposto. Brincar com a confusão do que é um sonho, do qual nem se é lembrado do início e se é acordado apenas quando envolve fatalidade. A sensação de originalidade do roteiro se deve a isso, essa criação e fuga de um roteiro bem planejado que leva a mais confusão quando se chega ao final. O que não se deve esperar dessa trama é levar a sério esse plano ou encontrar logo de cara uma segunda explicação dentro do filme. Para isso é válido assistir uma segunda vez e esperar algo mais de A Origem. Por enquanto, do filme pode se extrair o melhor de uma produção bem cuidada, em termos de trilha sonora, caracterização dos personagens, com um ritmo interessante e visualmente incrível. Não chega a ser um Matrix com toda astúcia da narrativa cheia de questionamentos e filosofias, mas é um experimento divertido, inteligente e que também merece ser visto e debatido.

A Origem 
Inception
EUA / Reino Unido , 2010 - 148 minutos
Ficção científica / Suspense
Direção: Christopher Nolan 
Roteiro: Christopher Nolan 
Elenco: Leonardo DiCaprio, Ellen Page, Joseph Gordon-Levitt, Marion Cotillard, Ken Watanabe, Tom Hardy, Cillian Murphy, Tom Berenger, Dileep Rao, Michael Caine, Lukas Haas, Pete Postlethwaite


Trailer:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.