abril 24, 2010

Faltou ritmo em 'Alice no País das Maravilhas'

Produção é belíssima e um autêntico filme de Tim Burton


Enfim, depois da torturante espera de um mês de diferença do lançamento nos Estados Unidos, Alice desembarcou ao Brasil. Com direção do gênio Tim Burton (A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, Sweeney Todd - O Barbeiro Demoníaco da Rua Fleet), e estrelado pelo seu - e de 90% da população - ator favorito Johnny Depp (Piratas do Caribe, Em Busca da Terra do Nunca) a nova adaptação cinematográfica do livro Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll e publicado em 1865, entra na era da tecnologia e é lançada em 3D. Possui direção de arte e figurino afinados, atuações e personagens infalivelmente divertidos, porém, não entusiasma com o roteiro quando comparado à ficha técnica - e não melhora nem mesmo visto com óculos especiais.

O filme é um espécie de sequência da história original. Começa com Alice, criança, dizendo para o pai que sonhou estar em um mundo diferente, mágico. Então, 13 anos se passam e agora com 19, Alice (Mia Wasikowska, bonita e mediana) tem de encarar a tediosa festa armada por sua família, para selar um noivado arranjado. A jovem se mostra inquieta, cansada de fazer o que os outros a mandam fazer. Durante a festa, ela persegue o coelho branco e sem querer vai parar no mundo das maravilhas. As criaturas do lugar, não acreditam ser a jovem, e ela mesma nem se lembra de ter estado ali antes. A verdade é que eles buscavam levar Alice ali de volta para ajudá-los, já que uma profecia diz que ela é a única salvação para deter a Rainha de Copas (Helena Bonham Carter) do controle absoluto e devolver o reinado para a Rainha Branca (Anne Hathaway, apagada), que é pacífica e equilibrada. Durante a aventura, ela se encontra novamente com o coelho - que devia aparecer sempre atrasado, mas aqui perdeu um pouco essa característica -, o gato sempre sorridente e que rouba a cena, a lagarta que vive fumando ópio, os atrapalhados irmãos gêmeos, um simpático cachorro que agora vive escravizado pela Rainha de Copas e, claro, O Chapeleiro Maluco (Johnny Depp), isso para citar alguns principais.

A jornada limita-se a cenários exuberantes, algumas piadas e situações engraçadas (parte delas envolvendo o Chapeleiro) e fica em momentos arrastada, sem uma dinâmica empolgante ou pelo menos saindo do lugar comum. O problema aqui, talvez seja o ritmo tomado pelo diretor, que sempre encontrou no suspense o modo de fazer a perfeição. Alice não parece ter muito onde correr, está tudo tão organizado para suas decisões e seu caminho. Ela não está perdida fisicamente, apenas precisa dessa experiência para entrar na vida adulta e conseguir tomar suas próprias decisões. Porém, o público não tem tempo para entrar no espírito da personagem e sentir seu drama e muito menos se inserir na nova aventura. Mas, o que realmente não dá pra entender é a batalha final, em que os exércitos vão lutar e Alice tem de fazer algo, da qual, julga impossível. É tudo muito rápido, com um clímax sem nenhuma emoção. Até mesmo a dancinha à la Michael Jackson do Chapeleiro, pouco empolga tamanho é a correria.

Tim Burton e seu intocável time

Mesmo que doloroso dizer, é frustrante depositar as fichas em um diretor que sempre foi tão autêntico e que costuma acertar mais do que errar, e agora se vê produzindo um filme que mais teve marketing do que qualidades. Alice não tem nada de diferente, nada que o trailer não mostra. O 3D decepciona e só chama atenção pelo gato que flutua pela sala, mas isso não se viu também nos trailers? Mesmo com um visual impecável e uma história que combina com a personalidade gótica do diretor, não existe aqui cenas memoráveis e alguma inovação. É mais uma dobradinha perfeitinha de Burton e Depp e isso não é necessário ser lembrado pelo público mais uma vez, já que os dois são parceiros há anos. Isso sem tirar em outros aspectos como a trilha sonora composta mais uma vez pelo ótimo Danny Elfman ou a nova participação da mulher do diretor, a Helena Bonham Carter. A impressão que fica é que o Chapeleiro Maluco, se torna o personagem principal, o que acaba sendo umas das poucas coisas que sustentam o filme, além do visual. Ausente de uma história mais divertida, essas atuações passam ser a melhor parte da produção. O próprio Depp está mais uma vez excêntrico e estranho, porém, sempre carismático. A Rainha de Copas é uma atração à parte. Depois de chamar atenção na pele como Bellatrix Lestrange em Harry Potter, Helena Bonham Carter sabe ser má na medida certa e o visual cabeção como a Rainha, motivo de piada o tempo todo, é de extrema qualidade, sem contar nas divertidas repetições da famosa frase aos berros "cortem-lhe a cabeça!".

O diretor Tim Burton ainda está para fazer um grande filme no nível dos clássicos que marcaram sua entrada no cinema, seja o incrível Edward - Mãos de Tesoura, O Estranho Mundo de Jack, ou até como o incompreendido Batman - O Retorno,  e pouco importa se terá Johnny Depp, sua mulher e Elfman - melhor se tiver todos eles, claro -, o que os fãs e o cinema hollywoodiano necessitam é da visão diferenciada do diretor, mas com uma história que realmente consiga dar liberdade à ele de expor por completo seus pensamentos. Em Sweeney Todd, ele quase chegou lá, mas o fato de ser um musical muito clássico fez o filme perder, em partes, o brilho - mesmo impossível ser de outra maneira. Mas, é bom que ele ainda esteja acertando suas pinceladas, é daí que a genialidade vai amadurecendo e chegando à perfeição, ou serei apenas eu comemorando quando vê-lo recebendo um merecido Oscar ao lado de seu pupilo Depp? Mas, fica um recado: caro Tim, só não me faça ver novamente a árvore dos mortos em seus futuros filmes.

(Não entendeu? Repare no fundo do cartaz principal no começo do post, e me diga se aquela árvore distorcida atrás de Alice, não é a mesma de A Lenda do cavaleiro sem Cabeça?)

Alice no País das Maravilhas
Alice in Wonderland
EUA , 2010 - 108 min.
Aventura / Fantasia

Direção: Tim Burton
Roteiro: Linda Wolverton
Elenco: Johnny Depp, Anne Hathaway, Helena Bonham-Carter, Crispin Glover, Alan Rickman, Mia Wasilkowska, Stephen Fry, Michael Sheen, Timothy Spall 

 

13 comentários:

  1. e mesmo assim vc deu tres estrela e mais... KKKKKKKKKKKK

    eu não estou esperando muito pelo filme, fiquei anciosa por causa da música da Avril no filme, mas depois q disseram q é relmente apenas nos créditos, a vontade diminuiu...

    enfim, acho q vou ver ele essa semana, mas não em 3D =(

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. tim burton faz parte da minha vida desde pqna, amei alice pq tem a assinatura dele em tudo, maaaaas q merda de dancinha foi aquela, chapeleiro? podiamos ter ficado sem isso. e, graças ao bom deus, avril só aparece nos creditos!

    ResponderExcluir
  4. falou um monte de besteiras, aquela nao é a rainha de copas, e sim a rainha vermelha, o filme não é baseado no alice no pais das maravilhas e sim no segundo livro da serie, pra mim o unico erro dele foi ter mesclado a rainah de copas com a vermelha, pq no final ficou estranho aquele tabuleiro de xadrez com os soldados de carta. sendo q no livro ambas rainhas tem soldados com cabeça de peças de xadrez

    ResponderExcluir
  5. viu o filme pelo menos em uma das salas com certificado IMAX né? aquelas mesmo que devem exister 3 no brasil.
    pq se não foi...PELO AMOR né? reclamar de uma imagem 3d na qual você foi ver naquele shoppingzinho surrado que acha que 3d é o oculos+ a imagem distorcida...
    HAHAHA Bom em Vitoria não existe nenhuma sala com certificado IMAX... como vc pode criticar então ?
    CARA A "ARVORES DOS MORTO" ASSIM COMO TODA A VISÃO DISTORCIDA DA REALIDADE E PAREDES TORTAS SÃO MARCAS DO TIM... existe até um estudo explicando o pq disto... HEHEHE porfavor né? próxima vez não exagera

    ResponderExcluir
  6. Não tenho oque reclamar do filme, ate então como já foi dito aqui não está em torno do primeiro livro de alice no pais das maravilhas e sim no segundo livro, o filme está perfeito, da forma como Tim Burton, sempre consegue fazer em seus filmes, com todas as caracteristicas de Tim em tudo e Depp está atuando perfeitamente(tirando a dancinha que eu despenso), mas mesmo assim a produção está ótima, o 3D está ótimo também este é mais um filme com a produção e criatividade de Tim Burton, sou muito fãn dele e já assistim sentena de vezes todas as suas produções e está é mais uma que está mais do que aprovada em meu conceito e referente a "arvore dos mortos"como também já foi dito, é marca registrado do Tim Burton, não á como pedir para que não apareça mais caracteristico dele.
    Sem criticas para mais esta produção maravilhosa de Tim Burton.

    ResponderExcluir
  7. Sinceramente eu gostei do filme, no começo a Alice era tão boba, sem graça, sem cor, mas no decorrer do filme ela "cresceu" a atris se tornou mais Alice e menos Mia. Depp vai sempre roubar a cena, em qualquer que seja o filme, gosto do Tim, mas ele não é impassivel de falhas. Acho que sim, faltou mais ação, mais empolgação, mais terror. Tudo ficou muito esquematizado. Já sabiamos o final antes que ele chegasse. Ainda assim não dá para dizer que ficou ruim, ficou diferente. Diferente é sempre a marca do Burton.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado pelos comentários!
    Só farei umas ressalvas.

    - Rainhas de Copas, vermelha, seja quem for, acho que deu pra entender de quem eu estava falando.

    - A verdade é que ele fundiu os o primeiro livro com outros dois. Não comentei isso, por que vocês mesmo sabiam rs. Mas devia ter comentado, erro meu.

    - Assisti em uma sala 3D do Cinemark sim, como muitas pessoas no vasto Brasil e em outras regiões do mundo. E os diretores, estúdios, sabem disso. Se a sala não presta, vá reclamar com outra pessoa. Porém, li comentários de pessoas que viram em IMAX e acharam a mesma coisa, o filme nem tem ação direito para fazer o 3D ficar emocionante. Esse problema foi até discutido pela imprensa internacional.

    - Tim Burton já me fez me sentir muito mais surpreso e maravilhado em DVD e sem 3D. Diretor bom, não precisa de 3D e tecnologias para fazerem um filme ficar acima da média. E ele apenas não deu o seu total.

    - Eu nenhum momento disse que o filme é ruim. Apenas apontei alguns detalhes mais decepcionantes.

    - E sim, mesmo o gênio Tim Burton não está livre de cometer falhas a deslizes. Porém como muitos estão dizendo.. Ele está "devendo" algo mais original.

    - Aprendam a ouvir críticas negativas - não todos. Felizmente, hoje posso dizer que não estou sozinho nessas críticas. Se exagerei em alguma coisa, foi porque sou fã da ficha técnica e sei criticar como sei elogiar.

    ResponderExcluir
  9. Então, essa questão do 3D, ALICE FOI CONVERTIDO PARA 3D ao contrario de AVATAR que foi feito em 3D. Conclusão: Querem um bom 3D? Veja filmes já feitos em 3D não convertidos. Depois que ver o filme comento sobre a história e todo resto. =)

    ResponderExcluir
  10. como treinar seu dragão foi mais divertido de assistir...

    ResponderExcluir
  11. Bom...concordo em vários pontos, me senti meio desconfortável com o roteiro por tudo já estar tão esquematizado e tão pronto, que o filme todo é previsível. Realmente, faltaram mais cenas de ação, e acho que um pouco mais de expressividade por parte da atriz Mia Wasikowska, como tu disse, ela eh simplismente mediana, nao me convenceu como Alice...na cena em que ela chora, achei muito falso!!!
    Johnny Depp e Helena Boham Carter realmente foram a dupla q roubaram a cena, e gostei muito das aparições do Cheshire tb!!!
    E pra quem falou da Rainha Vermelha, eh sim a Rainha de Copas!!! Não notaram que os soldados dela sao cartas do naipe copas? Que o Valete usa um coração como tapa olho? Inclusive ela joga aquele mesmo jogo em que Alice participou anos atrás e o bordão "cortem a cabeça" eh da Rainha de Copas...o "Vermelho" se dá somente em comparação com a Rainha Branca, até pq a cor do naipe copas é vermelha!!! Prestem mais atenção, ele nao disse nada errado!!! e falando em Rainha Branca, apesar da atuação da Anne Hathaway ser exagerada de proposito, nao gostei muito...

    Enfim, o filme nao me surpreendeu nem trouxe a originalidade que eu esperava como uma mistura dos 2 livros de Alice!!! (sim, nos creditos ateh diz, "base on Alice in Wonderland and Through the Looking Glass")...faltaram muitos elementos, e a dupla ja conhecida por trabalhar com o Burton, Depp e Carter, foi quem roubou a cena no filme todo!!!

    ResponderExcluir
  12. CINEMARK aquele "cinema comercial"...
    é verdade que esse filme não foi feito em 3d foi apenas convertido mesmo assim... 3D IMAX é totalmente diferente dos da tela dos cinemark's

    ResponderExcluir

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.