junho 04, 2010

FRINGE: A MITOLOGIA MAIS EMPOLGANTE DA TV

Seriado é inteligente, ágil e possui um roteiro tão atraente quanto os personagens


Pra começar, Fringe não é um grande sucesso da TV americana. Os números nesta segunda temporada ficaram em cerca de 6 milhões de telespectadores, o que não é muito ruim para os padrões da FOX, mas está longe de ser popular como outro show da casa, Bones, por exemplo. O que agrava a situação da popularidade, é que o programa enfrenta Grey's Anatomy e CSI no horário. Provavelmente a emissora deve pensar melhor nessa questão para a próxima temporada, já que Fringe foi renovada, muito mais pela qualidade e com um voto de confiança, do que essencialmente por sua audiência. Porém, arrisco à dizer, que ela é a melhor série no ar. Claro, que, isso é uma opinião pessoal e representa um gosto participar pelos temas tratados e também relativo aos seriados que estão no ar.
Transição entre universos

Assim como Lost, o seriado é criado por J.J. Abrams, um dos diretores que está com a moral tão alta que vai filmar seu novo projeto para os cinemas junto de ninguém menos que o Steven Spielberg. Abrams, é jovem, nerd e o público sabe que em seus projetos pode-se aguardar uma trama complexa, que não insulte o telespectador com mais casos no estilo Scooby Doo. Ele cria uma mitologia e aos poucos vai soltando pistas sobre diversos mistérios, e o mais interessante é que não se restringe à TV. Pela internet é possível encontrar expansões de seus trabalhos. O que dizer de Cloverfield que intriga tanto até hoje? Mesmo as escorregadas de Lost, dá para levar em conta que se tratou de uma série complexa para a TV aberta e se tivesse ao menos mais temporadas teria, quem sabe, um final satisfatório. Mas o assunto aqui é Fringe.

As duas realidades se encontrando
Quando falei do seriado aqui em 2009, esperava sim surpresas e como a crise de audiência chegou cedo, o seriado foi reformulado e logo na primeira temporada alguns dos trunfos bem legais foram jogados. A série que parecia ser um CSI com casos mirabolantes e que superavam a barreira do conhecido, virou uma trama alucinante sobre universo paralelo, seres humanos especiais e personagens cada vez mais intrigantes. O ponto forte de Fringe é de não jogar perguntas, mas sim nos apresentar teorias de tão bem feitas e impressionantes, da qual, nos deixam encantados. É ouvir as explicações científicas do Walter Bishop e, como criança, acreditar em tudo e cair de cabeça nos experimentos. É ver o casos nojentos e esperar por qual será o desfecho deles e mais interessante é saber que eles tem conexões com outros casos e mesmo com a própria mitologia.

Filmes em cartaz na outra realidade
Mas nada supera essa mitologia sobre a existência de um universo paralelo ao nosso, que funciona como um lado parecido, mas, ao mesmo tempo, diferente do nosso. E os meios que encontraram para passarem entre eles também são geniais. O ápice da série foi ver os personagens andando por aquele mundo cheio de acontecimentos diferentes e com uma tecnologia avançada. No lugar da torres gêmeas, o alvo dos ataques terroristas foi a Casa Branca apenas, e ainda tem os diferentes filmes que estão em cartaz... coisas desse tipo. É o lado diferente das intenções, das escolhas tomadas nesse universo que vivemos. A difícil agente Olivia Dunham, viu no outro lado uma pessoa mais feliz, realizada... Porém, o Walter, é frio e vingativo por conta do sequestro de Peter quando criança. O interessante da série é essa mitologia, muito mais que os casos jogados. Alguns acabam de forma chata, mas basta tocar na mirabolante história, que tudo termina espetacular.

Dr. Bishop e um Observador ao fundo
Outros fatos curiosos mostrados por Fringe são elementos importantes para o funcionamento da série. Primeiro, destaque para os Observadores, que são seres de algum mundo superior e que vivem assistindo momentos históricos da nossa sociedade. Não podem intervir em acontecimentos, mas no próprio seriado, foi possível ver que eles também são sentimentais e passíveis de erros. Temos também as cobaias tratadas com Cortexiphan, da qual, inclui a própria Olivia na lista, que na verdade são humanos preparados para serem fortes e futuramente capazes de enfrentarem soldados vindos de outras realidade. Os Shapeshifters ou transmorfos são seres de outro mundo - realidade - que atravessam de forma diferente entre os lados. A missão deles aqui era encontrarem Peter, para guiar a tal máquina que acabaria com os dois mundos. E claro, a teoria de Universos Paralelos, que já falei mais ou menos.


Peter dando sinal que não é daqui
Além disso, Fringe tem outro ponto forte que são os personagens. O Dr.Walter Bishop e seus dramas, sempre tentando contornar o que fez de ruim no passado nas experiências com humanos e chegando, indiretamente, ajudar o nazismo. A Nina Sharp uma das donas da Massive Dynamic - de tecnologias diversas - que tem um passado com Walter e toda história do sequestro de Peter. William Bell, da qual, exerceu papel grande nesse final de temporada e ajudou a trazerem Peter de volta. O trio do FBI e que fazem parte do núcleo protagonista junto do Walter, até são personagens bons, como o próprio Peter, interpretado pelo Joshua Jackson, conhecido eternamente como o Peacey de Dawson's Creek. A Olivia , talvez a protagonista mesmo, não é nem um pouco carismática e por isso a faz de forma coerente algumas ocasiões em que se é necessário mais ação do que conversa.

Depois disso tudo que descrevi, é recomendável ver a série com muita atenção, pois todo o tratamento no roteiro e na estética tem a ver com os temas propostos. É o exemplo dos números malditos de Lost, eles aparecem e se você não ficar atento, nem percebe. Fringe agora se prepara para uma nova etapa e como pode-se perceber, ainda guarda novas emoções, principalmente depois do gancho desse último episódio. Merecia muito mais do que essa audiência, quem perde é o público.

2 comentários:

  1. Sempre quis parar e ver esse seriado, parece muito interessante mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Estou esperando ansiosamente pela terceira temporada... =D

    ResponderExcluir

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.