junho 09, 2010

GRANDE PRÊMIO DO CINEMA BRASILEIRO

Premiação é considerada o Oscar no país


Ainda é desconhecida por grande parte do público, não conta com grande estrutura e se sustenta do próprio momento do cinema nacional com a constante presença de atores de TV. Porém, o quadro está mudando e esse ano o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, chega à sua oitava edição, foi transmitido ao vivo online e pelo Canal Brasil.

Anna Muylaert premiada
O vencedor absoluto, É Proibido Fumar de Anna Muylaert, venceu 5 prêmios (melhor longa-metragem de ficção, diretor e roteiro original, além de trilha sonora e montagem de ficção) - estava indicado à seis - e desbancou as 11 indicações de Tempos de Paz e as nove de Se eu Fosse Você 2, os dois filmes são do diretor Daniel Filho. Ambos levaram duas categorias, o drama ficou com Melhor Roteiro Adaptado (da obra de Bosco Brasil) e Figurino, enquanto a comédia levou o de melhor filme de ficção pelo voto popular e melhor ator para Tony Ramos. Ficou perceptível que tudo foi muito bem distribuído.

A Academia que elege os melhores do ano de 2009 é formada por críticos e pessoas ligadas ao cinema, e nesse ano conseguiu satisfazer à vontade de todos que saíram ganhando e do público - diferente até mesmo do Oscar deste ano. Injustiça talvez para À Deriva (indicado à nove e vencedor de melhor Fotografia)  e  O Contador de Histórias (indicado à quatro prêmios e levou de melhor ator coadjuvante para Chico Diaz), mas esses pelo menos venceram, já que casos como A Festa da Menina Morta, levou quatro indicações e saiu de mãos vazias.

Tony Ramos: melhor ator
Outros vencedores foram Lilia Cabral, melhor atriz pelo papel na comédia Divã; Denise Weinberg, melhor atriz coadjuvante por Salve Geral e Besouro levou de melhor direção de arte e efeitos visuais. Os filmes Avatar de James Cameron e Bastardos Inglórios de Quentin Tarantino foram os escolhido entre os melhores estrangeiros - Avatar recebeu o prêmio de melhor filme estrangeiro pelo voto popular e Bastardos foi votado pela academia. Que o prêmio cresça junto com o cinema nacional, pois é bom tanto para o cinema de arte, quanto aos mais populares. Fico apenas impressionado com o filme que inscreveram para o Oscar - Salve Geral - e nem a própria academia nacional reconhece que não merece ganhar. Erros inadmissíveis.

Confira a lista dos vencedores:


Curta-metragem de animação: "O menino que plantava invernos", Victor Hugo Borges  
Curta-metragem de ficção: "Superbarroco", Renata Pinheiro
Curta-metragem de documentário: "De volta ao quarto 666", Gustavo Spolidoro 
Figurino: Marília Carneiro, por "Tempos de paz" 
Maquiagem: Martín Macias Trujillo
Direção de arte: Claudio Amaral Peixoto, por "Besouro"
Direção de Fotografia: Ricardo Della Rosa, por "À deriva"
Montagem de ficção: Paulo Sacramento, por "É proibido fumar"
Montagem de documentário: Karen Akerman, por "Simonal - ninguém sabe o duro que dei"
Efeitos visuais: Marcelo Siqueira, por "Besouro"
Som: Denilson Campos e Paulo Ricardo Nunes, por "Simonal - ninguém sabe o duro que dei"
Trilha sonora: Márcio Nigro, por "É proibido fumar"
Trilha sonora original: Berna Ceppas, por "Simonal - ninguém sabe o duro que dei"
Atriz coadjuvante: Denise Weinberg, por "Salve geral"
Ator coadjuvante: Chico Diaz, por "O contador de histórias"
Prêmio especial de preservação: Alice Gonzaga (escritora, pesquisadora, produtora, diretora e empresária do ramo cinematográfico)
Longa-metragem nacional de animação: "O grilo feliz e os insetos gigantes", de Walbercy Ribas e Rafael Ribas
Longa-metragem infantil: "O grilo feliz e os insetos gigantes", de Walbercy Ribas e Rafael Ribas
Longa-metragem estrangeiro: "Bastardos inglórios", de Quentin Tarantino
Roteiro adaptado: Bosco Brasil, por "Tempos de paz"
Roteiro original: Anna Muylaert, por "É proibido fumar"
Prêmio especial: Anselmo Duarte (1920-2009)
Longa-metragem de documentário: "Simonal - ninguém sabe o duro que dei", de Calvito Leal, Claudio Manoel e Micael Langer
Longa-metragem de ficção nacional (voto popular): "Se eu fosse você 2", de Daniel Filho
Longa-metragem de ficção estrangeiro (voto popular): "Avatar", de James Cameron
Melhor atriz: Lília Cabral, por "Divã"
Melhor ator: Tony Ramos, por "Se eu fosse você 2"
Melhor diretor: Anna Muylaert, por "É proibido fumar"
Melhor longa-metragem de ficção: "É proibido fumar", de Anna Muylaert

Visite o site do evento aqui.

Um comentário:

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.