dezembro 31, 2010

R.I.P 2010 | melhores do ano | CINEMA

A originalidade e o custo baixo prevaleceram!

A última lista sobre os melhores do ano é sobre cinema! Foi difícil montar essas listas e espero que gostem. Veja a de melhores séries e melhores em música. Ano começou polêmico com Guerra ao Terror levando o Oscar do recordista absoluto de bilheteria Avatar. Os que acompanham o blog, sabem que fiquei indignado e que defendo Avatar à qualquer custo, mesmo reconhecendo que Guerra ao Terror é um bom filme. Foi um ano repleto de fracassos, da qual, resolvi fugir e fazer bem minhas escolhas no cinema. Outros memoráveis (ou não) me faltou tempo de fazer resenhas como o ótimo Zumbilândia e a comédia Os Mercenários. Esses que me lembro. Bom avisar que Scott Pilgrim estreou apenas em São Paulo e nem chegou em DVD ainda. O cinema brasileiro surpreendeu. Dos arquivados e analisados eu juntei os 15 melhores baseado na minha opinião no texto abaixo, depois vou citar os maiores destaques, decepções ou os filmes que não sobressaíram tanto, mas não são ruins. (As escolhas são limitadas aos que estrearam em 2010 ou vistos nesse ano):

Os 20 melhores filmes de 2010


20- Os Famosos e os Duendes da Morte - o diretor Esmir Filho se lança nos filme de longa duração e se saí bem. A produção é bem cuidada e com um roteiro interessante, mesmo que não muito original.

19- A Fita Branca- dramática trama que explora uma Alemanha cinzenta e próxima do holocausto. O filme não é pra qualquer um e tem de ser entendido o contexto que o envolve.

18- Homem de Ferro 2- esse aí mostra que os filmes de heróis seguem a trajetória de sucesso, mesmo que o ano não tenha sido tão grandioso nos lançamentos do gênero como promete 2011.


17- Eu Matei Minha Mãe- esse título assustador não faz jus ao que a produção realmente é. Explora a difícil relação entre filho homossexual e a mãe. A produção fala sobre superação e aceitação.

16- Deixa Ela Entrar- o terror sueco ganhou até um remake. Mas não era necessário. Esse filme de vampiros é um dos melhores da temática e ainda tem um frescor de ineditismo no roteiro.

15- 5 Vezes Favela - Agora por nós mesmos - produção nacional feita por moradores de favelas sobre a região em que moram. Não poderia ter saído melhor. Infelizmente o público ainda tem preconceito e não foi prestigiá-lo.

14- Kick Ass - Quebrando Tudo- esqueça tudo o que você sabe sobre heróis em quadrinhos. Se a Hit Girl não te convencer que esse filme é hilário, você deve está morto.

13- O Segredo dos Seus Olhos- filme argentino pode ter momentos meio parados e confusos, mas o surpreendente final é um evento emocionante e que não se vê sempre no cinema. Venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro este ano.

12- Guerra ao Terror- venceu o Oscar e ganhou odiadores que queriam ver Avatar como vencedor. Mas fazer o que, o filme tem algum mérito. A guerra nunca foi contada de maneira tão sensível.

11- Como Treinar Seu Dragão- quando a Dreamworks parecia sem novidades para concorrer com a Pixar, ela acaba entendo a fórmula do sucesso da concorrente e inserindo nas novas produções. Roteiro divertido e emocionante.

10- Preciosa, Uma História de Esperança - ainda muito lembrado pelo barulho que fez no Oscar, Preciosa é um drama de uma realidade pouco explorada com seriedade nos Estados Unidos.

9- A Estrada- a onda de filme pós-apocalípticos nos presenteou com essa adaptação do vencedor do prêmio Pulitzer de 2007. O drama de pai e filho que tentam sobreviver no caos, é brilhante e emocionante.

8- Direito de Amar - o estilista Tom Ford se lança no cinema e mostra impecável produção, da qual, a estética fala muito mais do que as palavras.

7- Meu Malvado Favorito - animação que tornou-se um fenômeno de bilheteria, e em meio a crítica, é a mais divertida e engraçada do ano. Pela primeira vez podemos torcer para um vilão em um filme "infantil".

6- As Melhores Coisas do Mundo- produção nacional ficou meio escondida dos cinemas, uma pena. O filme retrata a classe média de um jeito nunca contado antes. Os anseios de ser adolescente, e como os pais precisam se adequar à nova realidade, foram contados com um toque bem realista.

5- Amor Sem Escalas- conheço muitos que não gostaram desse drama. O maior problema está no fato de o tratarem como uma comédia romântica que ele não é. Aqui, o vazio existencial rodeia os personagens principais e mostra como o ser humano busca suas válvulas de escape para assim seguir em diante.

4- A Rede Social- a produção que melhor analisa uma época conectada à internet. Mas, ao mesmo tempo, reforça como os norte-americanos estão presos em seu espírito competitivo, mesmo que o sacrifício para vencer, os faça abrir mão de seus amigos. Favorito ao Oscar 2011.

3- A Origem - Christopher Nolan fez toda a diferença em Hollywood este ano e provou que uma história original pode sim ser sinônimo de boa bilheteria. O roteiro que explora à fundo os sonhos e o sub consciente, é tão caprichado que ao fim pouco se entende. A mente humana não é assim, um labirinto de confusão?

2- Toy Story 3- diversão para às crianças e um emocionante drama para os adultos. Emocionar-se ao final dessa história, que fala sobre amizade acima de tudo, é obrigatório àqueles que tiveram seus fiéis companheiros de infância - seus brinquedos.

1- Tropa de Elite 2- nunca na história do cinema nacional um filme foi tão longe e explorou temas polêmicos. Todo o contexto ajudou o longa de José Padilha se tornar o fenômeno de bilheteria no Brasil. Ano eleitoral e a  retomada das favelas do Rio de Janeiro. E o herói Coronel Nascimento foi longe, meteu a mão na cara dos novos inimigos: os políticos corruptos. E a platéia vai à loucura!


:: Cinema em 2010 ::


O ano começou com vários filmes premiados e que protagonizaram a festa do Oscar

Bastardos Inglórios- levou o Oscar de ator coadjuvante e consagrou a carreira do diretor Quentin Tarantino. Quase unânime entre os cinéfilos, o filme é interessante, inovador, mas a temática explorada o faz limitado em alguns sentidos.

Distrito 9- renovou o gênero sci fi ao explorar efeitos especiais mais baratos com um roteiro que mescla realidade e ficção. A crítica social de fundo o fez ser indicado ao Oscar de melhor filme.

Coco Antes de Chanel- não levou o Oscar de figurino, mas deveria. Esse é o maior trunfo da produção que fala sobre a estilista Coco Chanel.

Julie & Julia- Meryl Streep rouba a cena, mas perdeu o prêmio para Sandra Bullok. O filme é irregular e os melhores momentos estão nas cenas da veterana atriz.

Nine- o musical juntou belas estrelas, perfeito aspecto estético, mas não convenceu. Um tanto arrastado e com roteiro fraco. Foi-se a tentativa de revitalizar o gênero.

Um Sonho Possível- o filme sessão da tarde rendeu o Oscar à Sandra Bullock, mas não sobressai ao criticar a desigualdade social nos Estados Unidos.

Educação- mais um filme que explora a complexidade que é crescer e se tornar adulto. Mas aqui, a diferença é que o filme tem tudo para agradar à jovens mulheres.

O cinema nacional teve bons trunfos


Sonhos Roubados- a prostituição parece ser o caminho mais fácil para qualquer jovem que quer ganhar dinheiro e não apresenta um lar ou uma família estruturada.


Chico Xavier - a cinebiografia do líder espiritual mais importante do país é emocionante e acabou sendo mais importante que o filme do presidente. Nelson Xavier brilhou no papel do médium.

Lula - O Filho do Brasil - o filme do presidente acabou tendo cara de programa eleitoral e foi um fracasso de bilheteria. Para piorar, será o nosso representante ao tentar uma vaga no Oscar. Ou melhor, não será.

É Proibido Fumar - uma deliciosa história de uma mulher de classe média que expões seus desejos e anseios quando surge um bom partido para se relacionar. Glória Pires sobressaiu. 

Nosso Lar - a superprodução peca em se limitar à ser um filme religioso com uma mensagem pesada. Mas em termos técnicos é de encher os olhos e até emociona.

Como Esquecer - o filme que veio apagar o péssimo resultado do outro nacional com a temática homossexual: Do Começo ao Fim. Ana Paula Arósio chamou atenção, além da beleza.

Olhos Azuis - não é totalmente nacional, mas parte da produção é. O filme retrata o descaso dos Estados Unidos com os imigrantes, enquanto um policial americano busca à redenção aqui no Brasil. Uma jornada emocionante, porém muito longa.


Um grande ano para alguns blockbusters, porém, não conseguiram apagar o fracasso de alguns


Ilha do Medo- o suspense de Martin Scorcese é uma versão bem feita das histórias que nos surpreendem com grandes reviravoltas.

Alice no País das Maravilhas- a crítica mais polêmica que escrevi no blog. Muitos adoraram, mas eu já estou cansado de ver Johnny Depp em um papel excêntrico nas mão do Tim Burton e essas adaptações/refilmagens. Cadê a originalidade do roteiro?


A Hora do Pesadelo- remake do clássico que nos deu ainda mais vontade de rever o vilão Freddy das antigas produções, mas pelo menos a parte técnica ficou ótima.

Príncipe da Pérsia - As Areias do Tempo- adaptação dos jogos clássicos, o filme é bem produzido, mas não inova nem nos efeitos especiais nem no cenário. Talvez o filme não tenha problemas que o comprometa, e sim o público que está em outra sintonia.

Eclipse - a terceira parte da Saga Crepúsculo é inferior ao Lua Nova, mesmo com mais cenas de ação. Pelo menos agora a franquia tem realmente cara de cinema.

Shrek Para Sempre - desnecessária continuação da franquia que já demonstrava desgaste depois do terceiro filme. Espero que o Ogro esteja enterrado de vez.

Salt - Angelina Jolie é o destaque desse thriller de espionagem que pouco inova no gênero. Na verdade, o filme segue regras e se aventura bem nelas, será que tem alguma forma de inovar a temática ainda?

Resident Evil 4: Recomeço- desculpa para se usar efeitos tridimensionais e usar gente bonita matando zumbis. Nem os que jogam e são fãs da franquia no games entendem o que a história está contando.


Fúria de Titãs- o fracasso do ano, mesmo que entre as maiores bilheterias. Roteiro sofrível, no mesmo nível de Alice, e efeitos especiais exagerados.


Robin Hood - pretensioso longa que mais parece um novo Gladiador do que realmente um filme que deveria ser o marco sobre o herói. Mas não é ruim.


Predadores - Uma ótima fita de ação para quem é fã do gênero. Os vilões continuam assustadores e os efeitos são bons. Pena que o público não parece mais afim de conferir a história.


Os Mercenários - É tão ruim, mas tão ruim, que acaba sendo divertido. Juntar todos os astros de filmes de ação e fazê-los repetir todos, mas todos os clichês já usados antes. E o melhor, tem cenas feitas no Brasil!

Atividade Paranormal 2 - a continuação é bem melhor que o original em especial aquele susto da cozinha. Agora sim eu respeito os inventores dessa porcaria.

Skyline - A Invasão - Mais um que tentou a carreira do baixo orçamento depois dos bons resultados de Distrito 9. Mas não tem comparação. O roteiro é fraco e as atuações parecem superficiais. O filme só fica bom quando acaba.

Harry Potter e as Relíquias da Morte parte 1- esse sétimo filme não é muito diferente do sexto. Quase não tem ação, e se sustenta na forte e fantástica história. Espero muito mais da parte 2.

Atração Perigosa - Ben Affleck acerta mais uma passo na carreira de diretor. Um bom caminho à se seguir depois de vários fracassos. O filme de assalto é o melhor do ano no gênero, mesmo que isso não signifique muita coisa.


As Crônicas de Nárnia - A Viagem do Peregrino da Alvorada - a franquia foi abandonada pela Disney e tomou um rumo com mais ação e menos emoção, entretanto, ainda garante boa diversão.


Outros eu assisti porque amo cinema de arte e não são sempre conhecidos pelo grande público

Aconteceu em Woodstock - filme diferente e mais um desvendando a adolescência e suas descobertas, só que no cenário do histórico Woodstock.

O Mensageiro - filme sobre guerra que teria se dado melhor se não fosse por Guerra ao Terror. Aqui são os mensageiros da morte o foco principal da produção.


Vidas que se Cruzam - ele entrelaça a vida de pessoas que sofreram consequências de uma única ação. Não é inovador na forma que é retratado, mas é uma obra bem emocionante.

Criação- os extremistas religiosos rejeitaram e atrapalharam a carreira desse bom filme. A história se passa nos momentos antes de Charles Darwin lançar a teoria da evolução e assim "matar" Deus.


Lunar - prometia ser um grande filme, mas acabou contando uma história muito complexa e presa num labirinto de possibilidades.

O Mundo Imaginário do Dr Parnassus - o último filme do ator Heath Ledger é uma obra prima. Mesmo que confuso e com alguns buracos no roteiro, merecia ser maior e melhor aceito.

Sentimento de Culpa - produção modesta e que fala sobre um sentimento tão comum e ordinário como o da culpa. Quem sofre muito com ele, devia assistir esse filme!

Zumbilândia - no momento em que o gênero Zumbis tomam conta da indústria, esse filme meio comédia, meio ação é muito divertido e merece ser visto sem medo! A cena com Bill Murray é histórica!

Ponyo - Uma Amizade que Veio do Mar - essa animação japonesa é sim incrível como dizem, e um refúgio para aqueles cansados de computação gráfica, mas ainda assim não me convenceu por completo. Mas o importante é que meu sobrinho de sete anos adorou!

E pra você? Quais foram os melhores filmes de 2010? 

Feliz Ano Novo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atenção: Este blog contém conteúdo opinativo, por isso, não serão aceitos comentários depreciativos sobre a opinião do autor. Saiba debater com respeito. Portanto, comentários ofensivos serão apagados. Para saber quando seu comentário for respondido basta "Inscrever-se por e-mail" clicando no link abaixo.